sábado, 2 de julho de 2022

Eu, se tivesse cinquenta e três minutos para gastar...


“Eu” – pensou o Pequeno Príncipe, – “se tivesse cinqüenta e três minutos para gastar, iria caminhando calmamente em direção a uma fonte..."
Outro dia estava caminhando  na Praça da Matriz de Santo Antão e ao me deparar com a fonte ligada em um dia morno, lembrei dessa frase contida no livro "O Pequeno Príncipe". Não sou uma grande fã dessa obra, mas li ela e, apesar de achar que a Raposa roteiriza demais a amizade, considero esse um livro muito terno e doce e querido.

domingo, 29 de maio de 2022

"O Céu da Meia-Noite" de Lily Brooks-Dalton


Fazia muito tempo desde que eu tinha pego um livro de ficção cientifica para ler, então olhando minha coleção de livros da Tag Curadoria vi "O Céu da Meia-Noite" da Lily Brooks-Dalton e senti o chamado da aventura.

quinta-feira, 26 de maio de 2022

"A vegetariana" de Han Kang

A narrativa da Han Kang é espetacular.
Não tem outra forma de começar qualquer texto sobre o livro "A Vegetariana" da coreana Han Kang senão afirmando categoricamente: "A narrativa da Han Kang é espetacular". Esse é um livro onde forma e conteúdo são equilibrados primorosamente. É um livro tanto capaz de envolver a pessoa leitora de forma lúdica quanto mostrar a forma atroz com a qual o machismo sobrecarrega as mulheres física e emocionalmente conduzindo-as a um estado cotidiano de nulidade de sua vontade, a própria morte em vida.

sábado, 30 de abril de 2022

Mulher-Maravilha 49: Estado de Futuro, vol. 1

 
Quando soube que uma "Mulher-Maravilha" indígena estava sendo preparada para chegar ao mundo dos HQs vibrei muito, quando o nome da Joëlle Jones foi anunciado na arte e no roteiro vibrei mais ainda. Colecionado a "Mulher-Maravilha" desde 2013, acompanho o trabalho da Joëlle em "Mulher-Gato" e "Lady Killer", gosto bastante de ambas, tinha elementos suficientes para ser arco positivamente memorável da heroína mais incrível de todas e, consequentemente, minha decepção foi astronômica.

quinta-feira, 7 de abril de 2022

"Sempre Vivemos no Castelo" de Shirley Jackson (40 Livros Antes dos 4O/06)


A Shirley Jackson é uma autora com uma narrativa sensacional recheada com um senso de humor macabro maravilhoso. Esse é um livro no qual o medo e tensão são construídos dentro de uma narrativa em primeira pessoa conduzida por uma personagem emocionalmente praticamente inabalável. A narradora, Marricat Jackson, é uma pessoa que trabalha seus sentimentos e os descreve de um jeito absurdamente frio, ela faz as piores coisas e as descreve com muita frieza, ela vive coisas terríveis, se desorganiza e organiza novamente tudo em narrativa sem muita vacilação, assustadoramente fleumática. Sinceramente? AMEI! Esse livro é aterrorizante, divertido, deixa a pessoa leitora em estado de absurdamento. É genial!

quinta-feira, 31 de março de 2022

Dias cheios que passaram e eu senti

Sentei para escrever uma resenha de um dos livros do projeto "40 Livros Antes dos 40", "Sempre Vivemos no Castelo" da Shirley Jackon, para não zerar o mês de março sem nenhuma postagem e me dei conta de quantas coisas aconteceram dentro dos 31 dias de março e resolvi trocar o tema da postagem e falar sobre esses dias cheios que passaram e eu senti. Esse post pode ficar enorme, não se sintam obrigados a ir até o fim.

terça-feira, 22 de fevereiro de 2022

"Romeu e Julieta" de William Shakespeare [40 Livros Antes dos 40 Anos/05]


Comecei a ler Shakespeare na adolescência com uma versão adaptada de "Sonhos de Uma Noite de Verão" e não gostei muito, porém, nada como um dia depois o outro somando anos para trazer juízo a pessoa. Passar a vida toda sendo leitora e ignorando o Bardo do Avon é muita desonra! Ao longo dos anos acabei me pegando lendo "Macbeth" e no segundo encontro foi amor, acabei decidindo ler tudo dele... e estou fazendo esse exercício ao longo dos anos. Já foi "Hamlet: o Príncipe da Dinamarca", "O Rei Lear", "A tempestade", uma releitura de "Sonho de Uma Noite de Verão" e em Setembro de 2021, finalmente, um dos livros mais famosos da história da Literatura: "Romeu & Julieta".

sábado, 19 de fevereiro de 2022

"O Morro dos Ventos Uivantes" de Emily Brontë [40 Livros Antes dos 40/4]

Li "O Morro dos Ventos Uivantes" no final de 2021, passei pela estante, avistei ele e me perguntei: "Quantas vezes vou precisar ler esse livro para decidi se gosto ou não dele?". Quanto mais as leituras se somam umas as outras mais me absurda a genialidade feroz da Emily Brontë e sua capacidade de descrever a perfeição a crueldade, intensidade, passionalidade e imprevisibilidade das pessoas moldadas por relações abusivas, desconhecem outra forma de sociabilidade e em grande medida rejeitam e desprezam qualquer coisa longe disso.

Mesmo agora não consigo definir com clareza meus sentimentos em relação a Catherine & Heathcliff. Dentro do meu coração "O Morro dos Ventos Uivantes" permanece sendo um conto de terror mais sombrio, oposto simétrico do conto de amor mais luminoso contido em "Orgulho e Preceito". Assim como Jane Austen, Emily Brontë é seminal em minha trajetória de leitora, parte do Yin Yang de minha personalidade construída em torno de aproximações de opostos.

domingo, 6 de fevereiro de 2022

"No útero não existe gravidade" de Dia Nobre


"No útero não existe gravidade" interpolou minha lista de livros a serem lidos. Em um momento nem sabia da existência dele, no outro estava agarrada com ele madrugada a dentro mergulhando na narrativa abrasiva da Dia Nobre, graças a uma amiga com olhos de lince para livros divergentes.

sexta-feira, 4 de fevereiro de 2022

O entardecer é um momento muito sereno...

 

No fim de semana passada estive, novamente, em Lagoa do Ouro, a ocasião foi o aniversário da sobrinha de Claudineia, Nick. Não desgosto de festa, mas em geral chega um momento no qual eu preciso da uma pausa, fugir e respirar. Minha pausa, foi nos fundos da casa de Diane, a mãe de Nick, e naquela altura do Planalto da Borborema, sentada no batente quase rente ao chão, contemplando o horizonte no fim do dia, me ocorreu pela milésima vez: o entardecer é um momento muito sereno.