quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019

Um rosto de sol


No caminho cotidiano entre a Estação Central do Metrô Recife e o Terminal do Cais de Santa Rita todos os dias tem esse rosto cheio do sol trazendo luz para meu no retorno do trabalho para casa. É uma das minhas alegrias cotidianas, um motivo para que eu sempre sente a esquerda.

A arte é da Nathália Ferreira.

quinta-feira, 14 de fevereiro de 2019

Sereias Existem!


A verdade dos fatos é: não sei o que escrever aqui nesse momento, no entanto, é urgente guardar nessas paginas essa imagem e algo sobre ela.

No auge dos meus 32 anos, totalmente fora de forma, a Aleska me desenhou saindo do mar e estou me sentindo meio sereia e meio irreal. Nunca imaginei algo assim. Estou tão grata, tão emocionada. Essa imagem foi feita a partir de uma foto tirada por Claudineia há um mês atrás quando fomos a São José da Coroa Grande, uma cidade litorânea de Alagoas, para comemorar o aniversário da sobrinha dela, Monique. Foi um dia memorável, como todos os dias que passo com Claudineia e sua família costumam ser, e agora tenho desse dia.

Obrigada Aleska por esse Atlântico de felicidade que você me trouxe hoje, por essa sensação de ser também eu uma sereia, afinal:

"Sereias Existem.
Suco de Caixinha Sem Conservantes é Mito."

terça-feira, 5 de fevereiro de 2019

"A Mão Esquerda da Escuridão" de Ursula K. Le Guin


Em 2017 postei no Instagram uma daquelas fotos de uma pilha de livros a serem lidos e a Ursula K. Le Guin estava lá em baixoooo. Então a Ada Chivers comentou
"A mão esquerda da escuridão não deveria está tão lá em baixo, só dizendo..."

sexta-feira, 25 de janeiro de 2019

Houve um tempo...


Houve um tempo no qual bastava qualquer coisa acontecer para desaguar aqui. Avalanches de sentimentos, momentos, viagens, livros, sonhos, inquietações, desejos, pesares escritos dessa forma meio desajuizada, intima, mal pontuada e cheia de erros de grafia tão típicos de mim. Eu poderia culpar os corretores por meus erros, equívocos e esquecimentos, mas seria desonesto, os erros são quase característicos de meu estilo.

domingo, 18 de novembro de 2018

Adão, Eva e Sete...



"Adão, Eva e Sete em algum lugar festejando a vida que continua mesmo depois das mais dolorosas tragédias domésticas."
.
Em outubro visitei a cidade do Rio de Janeiro e tive a oportunidade de ir ao Museu Nacional de Belas Artes e encontrei a arte de Léon Pallière. Fiquei encantada, impactada, enquanto me aproximava da tela lembrava de Adão e Eva, de sua tragédia familiar, de suas perdas e também do nascimento de Sete como uma nova chance, um novo recomeço, um "talvez agora algo dê certo".

Me perguntei se enquanto Sete crescia em algum momento, em alguma festa de colheita ou depois da chuva ou na Primavera, essa família não chegou a dançar celebrando unicamente o agora, a sobrevivência, a vida resistindo as priores tragédias domésticas.

Ao me aproximar descobri o nome da tela,"Fauno e Bacante", o fluxo do sonho se rompeu, o devaneio se foi. Entendi o quanto minha interpretação diferia radicalmente da intencionalidade do autor da obra. Ainda assim, para mim, Léon Pallière pintou: "Adão, Eva e Sete em algum lugar festejando a vida que continua mesmo depois das mais dolorosas tragédias domésticas" e eu até me vejo lá, dançando com eles.

sexta-feira, 13 de julho de 2018

"Caro Michele" de Natalia Ginzburg

"Desejo-lhe todo o bem possível e espero que você seja feliz, admitindo que a felicidade exista. Eu não acredito que exista, mas os outros acreditam, e ninguém disse que os outros não têm razão." (O Pelicano In: "Caro Michele" de Natalia Ginzburg, pág. 114).
Em "Caro Michele" encontramos um romance quase epistolar, ele começa com a mulher chamada Adriana escrevendo uma longuíssima carta para seu filho Michele. O rapaz acabou de sair meio fugido da Itália deixando para trás sua mãe, seu pai moribundo, seu melhor amigo (Osvaldo), duas irmãs (Angelica, Viola e as gêmeas), enquanto ele foge essas pessoas escrevem cartas e é essa correspondência o somada a breves descrições do que acontece antes ou depois das pessoas escreve-las que se faz o livro. Todas as cartas são de uma sinceramente tocante, de uma lucidez incrível, um exercício de expor feridas sem procurar achar culpados ou acusar inocentes, todos parecem fazer terapia através da escrita, especialmente Adriana.

quinta-feira, 7 de junho de 2018

Livros sobre a História da África

Outro dia no meio de uma aula sobre "Reinos e Impérios" existentes na África enquanto Europa vivia sua "Idade Média" surgiu entre meus alunos a pergunta: "Professora, como a senhora sabe disso?". Esse tipo de pergunta faz minha professora interior dá saltos triplos, soltar fogos de artificio e se inspirar. Esse post é produto dessa minha inspiração, pois a pergunta me fez tirar a poeira de minha estante e kindle e mergulhar uma vez na História do continente no qual a aventura humana na terra teve inicio há cerca de 100 mil anos atrás.

segunda-feira, 4 de junho de 2018

"Mamãe e Eu e Mamãe" da Maya Angelou


Quando um livro nos emociona muito se torna difícil escrever sobre ele, "Mamãe & Eu & Mamãe" é justamente esse tipo de livro emocionante. Maya Angelou tem uma escrita clara, assertiva, não faz drama ou usa meias palavras para falar de sentimentos inteiros quando ela conta sobre a grandeza, a ternura e a resiliência de sua relação com sua incrível mãe não existe um caminho através do qual um leitor não se sinta tocado.

quarta-feira, 30 de maio de 2018

"Ligeiramente Perigosos" de Mary Balogh


Em "Ligeiramente Perigosos" Mary Balogh concluir a séries "Os Bedwyns" com chave de ouro ao contar a história de Wulfric e de Christine. Ele, o Duque de Bewcastle, um homem que aprendeu a ser frio e preciso em suas decisões a ponto de aparentar não ter coração. Ela, uma viúva jovem, sobrevivente de um casamento psicologicamente abusivo, tem uma vivacidade interior incrível, é um pequeno sol para os que estão em volta.

De muitas formas Christine e Wulfric são pólos opostos e podem se completar e se completam. Achei apaixonante a forma como Mary Balogh contou essa história. Os personagens se equivalem, vivem um romance incrível, cheio de cenas impagáveis e muita ternura. Como não amar?

Perdi a conta de quantas vezes li esse livro desde abril de 2017 e não canso dele de jeito nenhum. Agora mesmo estou aqui me apaixonando novamente por esses dois. O livro novo da Mary está ali pronto para ser lido junto com tantos outros, mas eu só quero reviver essa história. Wulfric, Christine, toda a família, sorrisos, um pouco de drama e um final incrivelmente feliz!

O Mundo Ardendo nesses dias intempestivos, eu sentido as queimaduras, pois não estou indiferente ou fora da guerra. No entanto, para equilibrar os desmantelo emocionais, releio meus velhos romances, procuro neles uma dose de alento.

sexta-feira, 4 de maio de 2018

"O Exílio e o Reino" de Albert Camus


Quando eu estava no 1º ano do Ensino Médio tive um professor de Filosofia excelente, capaz de figurar entre os melhores professores da vida, uma inspiração para mim. Um belo dia ele escreveu no quadro 5 livros o quais, na opinião dele, todo mundo devia ler ao menos uma vez na vida: