domingo, 14 de fevereiro de 2021

Tentei financiar um imóvel, não deu certo.

Tentei financiar um imóvel. Era um daqueles apartamentos parecidos com uma caixa de fosforo com nomes de plantas, mas sem nenhuma árvore dando sinal de vida, aliás, desconfio que muitas árvores foram cortadas para construir aquele condomínio em Jaboatão Centro.

Fiz tudo de forma bem temerária. Fucei no site da construtora, tentando entender as condições de financiamento do lugar, deixei meu telefone em uma das caixas de não sei o que do site e passei a receber ligações dos corretores espaçadamente até o dia no qual meu pai teve um daqueles momentos explosivos tão corriqueiros e cai lindamente na conversa da corretora.

Achei sinceramente que cabia no meu orçamento. Acreditei que estaria indo em busca da qualidade de vida mental faltante em minha vida domestica e profissional. Não é um exercício fácil morar há várias cidades de distancia do trabalho, muito menos viver em uma casa na qual a vida oscila de acordo com os  humores de alguém que altera legal. E quando eu digo legal é legal mesmo! Coisas difíceis e fáceis de confessar, depende de a quem se confessa... De alguma forma vida doméstica acidentada é situação corriqueira.

quinta-feira, 28 de janeiro de 2021

Um ano conversando com a Lua

 

Tem uma de Lua no céu do entardecer. A medida que a luz do Sol fenece ela ganha mais e mais brilho, da mesma forma, quando o inverso ocorrer e o Sol voltar a brilhar ela se tornará opaca.

segunda-feira, 25 de janeiro de 2021

Das flores do quintal

 


As vezes estou lendo ou estudando ou preparando material didático para alguma aula, sinto que terminei um arco narrativo, levanto e vou lá fora da uma olhada nas coisas pequenas do "Jardim do Meu Irmão".

Meu irmão plantou um jardim no quintal e cuida dele com um constante e comovente fervor. Não sou dada a me dedicar a jardinagem, mas passei a entender quem se dedica a esse tipo de atividade. Cada vez mais, gosto de acompanhar das flores, de observar os ciclos das plantas, de repousar nesse pequeno jardim.

sexta-feira, 22 de janeiro de 2021

Presentes Quase Displicentes

 

A época das mangas já passou, mas tem uma mangueira no quintal onde meu irmão trabalha. E, com seus 31 anos, meu irmão ainda não esqueceu como se faz para subir em um pé de manga e colher os frutos pendurados nos lugares mais difíceis.

Como ele consegue se recordar das artes de moleque, há manga rosa na mesa da cozinha. O perfume dessas frutas não tem palavras que descreva e a cor não tem câmera que guarde. São lindas e cheirosas. Um presente oferecido desse jeito quase displicente que meu irmão tem de presentear.

Recife, 27 de março de 2020.

_____________

As mangas estavam no escorredor de macarrão idoso da minha mãe, postas em cima da mesa da cozinha. A mesa na qual escrevi a mão me primeiro trabalho acadêmica de "Introdução aos Estudos Históricos" e também minha dissertação de mestrado inteira. A mesa das muitas refeições. Rafaela, minha irmã mais nova, ficou morando com o companheiro dela na casa de Nova Descoberta. Recentemente ela jogou o escorredor fora, a mesa permanece sendo palco das refeições de uma nova família de dois. Finalmente comprei uma mesa especifica para escrever meus trabalhos, ela vive em uma eterna bagunça de livros, cadernos, canetas e Lion.

terça-feira, 19 de janeiro de 2021

Longuíssimo Balanço Emocional


Tenho descoberto novas vozes alienígenas a cada novo dia enquanto observo as estrelas do céu noturno de Igarassu e converso com as plantas do Jardim do Meu Irmão e a mangueira do quintal vizinho. Escrevo grandes desabafos em meus cadernos escolares originalmente comprados para fichamentos de textos sobre Egito, Grécia, Primeira Guerra Mundial, Racismo, Antirracismo e todas as coisas com as quais se preenche 120 horas aulas em um ano letivo de turmas do 6º, 7°, 8° e 9º anos.

As vezes me sinto tão velha. Todas as pessoas nadando no mar da sua trigésima década de vida, com ou sem pandemia, se sentem assim? As vezes toda essa sensação de velhice e experiência de vida parecem meras ilusões de ótica, prepotência sobrevivente da adolescência que não nos abandona nos vinte anos e parece voltar a vida nos trinta. As vezes toda essa sensação de velhice e experiência de vida parecem direitos naturais das sobreviventes de suas próprias loucuras dos vinte anos.

terça-feira, 12 de janeiro de 2021

Joana D'arc: Médium de Leon Denis [40 Livros Antes dos 40/1]


Incluí "Joana D'arc: médium" do Léon Denis na minha lista de "40 livros antes dos 40" por ele ser parte da lista dos muitos livros com os quais a Ana Seerig me presenteou ao longo de pouco mais de década de amizade. Esse livro chegou na minha casa em Janeiro de 2020 em circunstâncias muito especiais, a dedicatória, a carta e toda história na qual essa edição está envolvida é muito tocante e um dos episódios mais especiais da minha vida adulta. Só de olhar para esse livro me sinto de alguma forma reconfortada dos muitos males do mundo.

domingo, 3 de janeiro de 2021

40 LIVROS ANTES DOS 40 ANOS


01. O grande massacre dos gatos: e outros episódios da história cultural francesa -  Robert Darnton.

02.  A Enxada e a Lança: a África antes dos portugueses - Alberto da Costa e Silva.

03. Villete - Charlotte Bronte.


05. As Aventuras de Tom Sawyer - Mark Twyn

06. Os Maias - Eça de Queiros

07. A Odisseia - Homero

08. História - Heródoto

09. Outubro - China Mieville

10. Fernando Pessoa: uma quase autobiografia - Jose Paulo Cavalcanti Filho

E, no entanto...

Aos meus olhos parece incrível um ano ter se passado assim e, no entanto 2020 se foi e já estamos em 2021. Um genocida no poder, incertezas e descobrindo como se vive uma pandemia. A Peste Negra parecia tão longe e, no entanto, cá estamos nós com nossos muitos lutos, covas rasas, vivendo um dia de cada vez.

Para quem, como eu, saiu da vida de estudante para a vida de professora, passar um ano sem as quatro unidades, cadernetas empilhadas, avaliações por todos os lados, cansaço incrível, Pascoa, São João é uma coisa tão despropositada.

Eu acreditaria mais facilmente no fim do mundo causado pelo impacto do um cometa errado do que numa vida sem o cotidiano escolar e, no entanto, desde  março não piso numa sala de aula concreta. Minha vida pelo avesso, a falência momentânea do eixo no qual minha vida se organiza. Não sei nem como sobrevivi a esses meses.

sábado, 6 de junho de 2020

Barricadas...


Quando vim para cá, trouxe pouca coisa comigo. Eu mesma, Lion, roupas, documentos, computador, dois lençóis, livros. Eram tão escaços eram os símbolos de minha existência aqui que comprei um móvel novo: uma mesa. O intuito era montar um mini-escritório, mas agora, olhando o meu entorno, me  pergunto se estou montando um espaço de trabalho, fazendo bagunça ou simplesmente montando barricadas durante a guerra.