domingo, 3 de junho de 2012

Calvin, o Freudiano!


Calvin é um garotinho de 6 anos terrível cujo brinquedo preferido é um tigre de pelúcia que ganha vida através de sua imaginação ativa, criação de um tal de Bill Watterson desde 1985 ele é um sucesso publicado em mais de 2000 jornais do mundo inteiro.


Desde que se começou a pensar que os quadrinhos são um suporte legal para o ensino de diversas disciplinas escolares Calvin também é presença constante nos livros didáticos das mais diversas séries e disciplinas, foi assim que eu conheci ele. 

Imagem daqui.


Desde que[2] ele critica muitoooo o modelo escolar de ensino ele também é presença constante nas revistas Nova Escola.


Aparentemente os editores não param para refletir que o modelo escolar americano pode assim ser um tanto quanto diferente do brasileiro e a realidade também... O importante é mesmo ressaltar a critica ao professor, a forma como ele seleciona os conteúdos a serem ensinados, como ele conduz esse ensino... 


Nãoooo... O fato de serem conteúdos e formas de ensino uma construção cultural na qual o professor é apenas 1 não importa, no roll da fama dos culpados, o professor sempre é o mais. #Fato

E por fim, desde que o Calvin[3] é super critico em relação a Deus e sua obra, ele é figura constante em redes sociais e afins.


Através dessas redes descobrir que, do alto dos seus seis anos, o nosso querido garoto prodígio é um Freudiano!!!


Gente essa observação do Calvin me pareceu tão Freud!!!
Eu quase cai para trás quando li isso!!!

Recentemente eu cruzei com um livro de Freud, "O futuro de uma ilusão", estava a um preço modico então eu comprei, não tinha a intensão de ler de imediato, mas eu tive que ficar duas horas em um fila no posto de saúde, o livro tava na bolsa, eu não tinha mesmo o que fazer... Então lá fui eu ler Freud.

Foi surpreendente porque eu esperava uma sopa de pedra e em vez disso tive uma papa de farinha. Néh que Freud escreve fácil! Nada de texto travado...

A coisa flui rapidamente e foi assim que eu descobrir que segundo Freud o homem não nasce bom e a sociedade o corrompe. Segundo Freud o homem é fera, é lobo e a sociedade o disciplina.

Entre as formas de disciplinar o lado Fera do homem está a Religião, um belo conjunto de ilusões que vem sendo construída desde os primórdios da humanidade com o objetivo de nos ajudar a nos equilibrar diante dos nossos dilemas cotidianos.

Pelo que entendi, segundo Freud, a religião está para nossas necessidades existenciais assim como a cultura está para as nossas necessidades materiais.

E se a cultura é construída a partir da verdade imposta pela materialidade da vida a religião se apoia em imaginação - ilusão... A religião é uma forma necessária de disciplinamento social, mas, segundo Freud, nem sempre é uma forma saudável de encarar as questões para as quais a materialidade do mundo não oferecem soluções tal como a morte, o destino, a doença, nosso lado animalesco, o lado sombrio da vida.

A parte o grande mal humor que existe em relação a Freud, Calvin é amado por todos e muitos curtiram e compartilharam esse pensamento do pirralho... Se fosse Freud dizendo facas rolariam face a fora e é claro que eu não posso deixar de ri sozinha só de pensar nisso rsrsrsrs... #Preconceito

Ah, antes que eu me esqueça, minha leitura de Freud foi feita por pura diversão, foi o primeiro livro dele que li, então minha interpretação aqui é limitada quase uma ousadia digna de um bom cascudo. Mas, a parte esse limite, eu me permito discordar dele em alguns pontos, para minzinha a religião é uma construção cultural tanto quanto a ciência.

Freud pensa ser a ciência uma construção humana muito mais eficiente, um conhecimento infinitamente melhor e mais seguro que o conhecimento religioso. Francamente, eu não concordo mesmoooo com ele nesse ponto, assim como discordo que cultura e civilização são a mesma coisa, que as religiões evoluem de um lugar a outro e que a presença europeia na África e na Ásia foi um empreendimento civilizatório.

E sim, vou continuar explorando Freud e rindo com o Calvin, quem sabe numa dessas eu não descubro porque o povo adora dizer:
"Freud explica!"

10 comentários:

  1. Jaci eu adoro o Calvin, mas em relação a quadrinhos inteligentes eu prefiro a Mafalda! Vc gosta?

    ResponderExcluir
  2. Acho que o povo de uma forma geral, acha que todos os psicologos são psicanalistas rsss. Ou ao menos, ele é o nome mais comum. Calvin e Haroldo é legal, eu lia na escola também, mas meu quadrinho favorito eram "as cobras" do Veríssimo. Elas eram muito ácidas. Adoro cinismo huhuhuhuhu. Mas isso que vc falou do calvin, me lembrou a mafalda. Taí outra personagem precoce. O quadrinho que mais gostei dela foi o que ela dizia que o mundo estava doente.

    ResponderExcluir
  3. Bem, nós duas sabemos que acreditamos em coisas muito diferentes. Eu concordo com o Calvin e em alguns pontos com o Freud. Mas Freud na verdade não faz parte das minhas preferências na Psicologia. No pouco que já estudei, ainda prefiro a visão de Jung. E acho q vc pode gostar também! Acho que os questionamentos são importantes. O padrão até hoje era das escolas ensinarem a religião, questionar isso é muito bom.

    ResponderExcluir
  4. Até que concordo com Freud, no tocante à fera que nós somos.

    A religião é um freio para alguns, para alguns, nem para todos...

    E sabe que eu não concordo e nem acredito nos que dizem: "se Deus não existisse, se não existir algo além, sairíamos roubando e matando..."
    Penso que é o instinto de vida que, realmente, nos mantem vivos, bem mais que a fé numa religião. Mesmo inconscientemente nos policiamos,nos disciplinamos, pois certas atitudes extremistas, geram um ricochete...

    ResponderExcluir
  5. Concordo com o Roderick Verden!
    O homo sapiens teve sucesso justamente por caçar em grupo. O instinto de sobrevivência da maioria dos animais faz com que se unam, que trabalhem em equipe. Estudar o comportamento animal explica muito de nossas atitudes. Mas os seres humanos não gostam de lembrar que são animais, preferem se sentir superiores, "escolhidos para dominar a Terra". E essa dominação já prepara o caminho que nos leva à extinção.

    ResponderExcluir
  6. O Calvin é mesmo um pequeno genio!
    Anos atras ministrei um curso para professores de uma pequena cidade e quase entrei em colapso qdo descobri que ninguem conhecia Calvin!
    bjs ate!!

    ResponderExcluir
  7. Freud compreendia que o 'fazer humano' era determinado por eventos naturais, da vida da pessoa, e não por entidades sobrenaturais. No entanto, o 'fazer humano' ainda era explicado por meio de entidades não físicas como o consciente e o sub-consciente, o que justifica 'a religião se apoia em imaginação - ilusão'. A fé é algo que existe no nosso sub-consciente, mesmo que muitas vezes você não acredite em um Deus, propriamente dito.
    Tem uma análise muito boa relacionando Calvin e Haroldo com os trabalhos de Freud no blogue da Times Union. Se você não ler em inglês, coloque no tradutor.
    Ah, e eu queria te indicar o post "Calvin e Haroldo crescidos!". Super legal!!
    Boa semana!!

    ResponderExcluir
  8. Ola Pandora,

    Eu era pequeno quando comecei a ler as histórias do Calvin que adoro nas tirinhas do jornal "O Globo"... Era impressionante, eu pegava o jornal e ao invés de pegar o caderno de esportes primeiro, como a maioria do meninos fazia (e ainda faz), eu ia direto na tirinha do Calvin. Ele sempre teve essas tiradas incríveis, fazendo não só as crianças mas os adultos pensarem também! E o Haroldo? O máximo!

    Adorei!

    Abraços, Flávio.
    --> Blog Telinha Crítica <--

    ResponderExcluir
  9. Cara Pandora...
    Estou muito satisfeito que tenha sobrevivido a "O futuro de uma Ilusão". Rsrsrsrs

    Creio que subestimei você ou muito provavelmente superestimei a acides do velho Sigmund.

    Quando ler "Totem e Tabu", você lerá um Freud explicando sua visão de que o "homem civilizado" é na verdade idêntico aos povos primitivos e que ainda fazemos, pensamos e vivemos exatamente como nossos "primos selvagens".

    Para Freud a elegante Europa vitoriana era tal qual eram os outros povos "primitivos", sendo o fraque apenas uma versão mais alinhada da pele de Dentes de Sabre e a bengala um tacape moderninho.

    O que ele estava dizendo, era que a nossa psiquê ainda obedece os mesmos impulsos que ordenavam a nossa conduta desde os primórdios.

    Ou seja, embora ele pareça muito etnocêntrico as vezes, na verdade está explicando o comportamento do "homem moderno" a partir do comportamento do "homem primitivo" (quando muitos antropólogos fazem o oposto) que era (e é) na verdade o padrão.
    Um etnocentrismo ao inverso,tendo como modelo o homem primitivo.

    Na minha opinião, embora a psicologia tenha abraçado a Psicanálise (que originalmente era da Medicina),Freud é muito melhor compreendido por filósofos, sociólogos e antropólogos, do que por Psicólogos, que tendem a ser muito idealistas e a ter demasiados mecanismos de defesa (e falo como acadêmico de psicologia).

    Outra dica é atentar para a época em que Freud escreveu tal e tal trabalho, porque ao longo dos anos ele reviu e modificou muito das suas idéias, por causa dos seus estudos e principalmente por causa da prática clínica.

    E adoro calvim (pelos motivos óbvios), embora tenha uma queda muito mais acentuada pela Mafalda.
    Amor antigo, sabe....
    Freud explica! Rsrsrs
    Cheros!

    ResponderExcluir
  10. Eu prefiro Jung a Freud.
    O Calvin eu passei a conhecer somente pelo Facebook (parece que sou o único) e gosto bastante, embora ainda prefira a Mafalda, contanto, para entender bem a Mafalda, é preciso entender também um pouco da cultura argentina. Certas tiradas, ou a maioria, podem ser utilizadas em um contexto geral, mas outras não.

    ResponderExcluir

Esse blog não representa um exercício de escrita, ele é um exercício de memória, de lembranças e esquecimentos. Funciona como uma caixa onde guardo coisas, sinta-se livre para comentar, mas saiba: comentários sem relação com o post serão excluídos por respeito a quem comenta de verdade.