segunda-feira, 28 de março de 2011

"Formação continuada", "papo de Psicologa" e "a questão do abraço"!

Uma das dez coisas mais chatas de se trabalhar em educação é ter que participar de formação continuada! Eu sei que existe toda aquela conversa de que formação continuada é um direito conquistado através de lutas, é uma oportunidade de adquirir novos conhecimentos, de se reciclar, blá... blá... blá...

A teoria realmente é boa, mas na prática a relação dos educadores das redes públicas com o Estado é bastante atritosa e nos incomoda muitissimo ouvir aquele discurso que fala que nossa profissão é super-ultra-mega-super importante na formação e cai no dia seguinte em uma realidade que faz com que nos sinta-mos um lixo desprezado e vil com um salário que deixa muito a desejar. 

Resultado: as formações viram uma coisa super chata, a gente vai praticamente amarrada!

E não, essa não é a questão! A questão é que semana passada houve formação continuada, não para mim, mas para uma de minhas colegas, uma das pessoas mais indispostas para formações, aquele tipo que prefere trabalhar a ir... Porém, ela não só ouviu como na volta compartilhou conosco a experiência.

De maneira que ficamos sabendo que a formadora em questão é uma psicóloga, aff... Esse é o pior tipo... Pq as psicólogas que trabalham com educação tem aquele ar carregado de superioridade, transpiram sapiência... Eita, que parece que nos cursos de psicologia tem uma cadeira especifica para isso, deve ser algo do tipo: "Ar de superioridade 1, 2, 3", "Pratica em parecer ser dona da verdade 1, 2, 3"e claro "Estagio supervisionado em ser esnobe"... Sei lá... e elas tem aquela vozinha controlada e aquele ar de quem pode te dizer como você deve se portar com suas crianças (veja como nós temos um sentido de posse com os filhos(as) dos outros) sem nunca ter enfrentado uma sala com 20 crianças de dois anos na vida (se bem que no meu caso são apenas 11 crianças de 3 anos_estou no céu \o/).

Devem ter aprendido com Freud a ter ar de superioridade!
 É claro que quando a gente detecta "papo de psicóloga" da logo uma dor no ovo, um arrepio na espinha e se desliga o botão "ouvir" ou liga o botão "ouvir para sacanear" ou ainda, faz como eu e liga o botão "ouvir para contestar". Minha amiga prefere a o botão "ouvir para sacanear" e quando eu cheguei na creche tava a maior conversa sobre "a questão do abraço".

A psicóloga falou sobre a questão da "sexualidade na educação infantil" isso dá um buruço triste, Freud é uma pedra no nosso sapato, e sobre a afectividade e ela colocou em algum momento que nós educadoras não podemos chegar e abraçar as crianças, o correto é que nós cheguemos e pergunte-mos a criança se ela quer um abraço, se a gente pode abraça-la, se ela disser que sim, ai nós a abraçamos, caso não, sem abraço. Pq o abraço é uma invasão do corpo da criança e a gente tem que respeitar essa questão e blá...  blá... blá... teorias psicológicas e afins na veia das tias...

E eita... A polêmica estava solta:

Tia 1(eu): "Imagine, pedi um abraço a crianças que mal você chega pulam em você, elas não me pedem abraços, elas atacam!"

Tia 2: "Ah, mas ela falou sobre isso, ela disse que as crianças não pedem pq nós não pedimos..."

E conversa vai, conversa vem... Piadas vão, piadas vem; risos vão, risos vem; ironias prá lá, ironias pra cá; abraços pra um, abraços para outros.

Foi bem no meio de uma ótima ironia que eu lembrei que eu tenho um bom amigo psicólogo e que eu gosto de psicologia, que esta é uma profissão séria, com profissionais sérios e opa! Bateu uma dor na consciência, uma culpa, e no topo do "ironia vai ironia vem" resolvi arriscar, pedi um abraço a uma das crianças mais chatas para carinho que conheci na vida.

Matheus detesta grude, abraço, beijos, tolera um cherinho, mas é UM cherinho, mais que isso e ele diz logo "sai tia, oxe... aiaiaiAIAIAIAIIIIIIIIII!", nada de Felicia com ele!!! Eu fui justamente nele (doida pra a iniciativa não dá certo): "Matheus, me da um abraço?". E eu morri! Sim, ele deixou, ele me deu um abraço, dois, três, descobrir o mapa da mina de abraços do Matheus, pedir abraços virou moda na sala, pedi abraços para todo mundo, gostei da brincadeira, mas isso não foi o que me surpreendeu a ponto de escrever essa postagem.

O que me surpreendeu foi que uma outra criança, igualmente chata para carinhos, a quem pedimos abraços semana passada! Ele chegou e nos pediu um abraço: "Tia me da um abraço!". Uma dos meninos mais agitados, menos dado a afectos, muito afeito a atitudes agressivas, pedindo abraço. Que coisa espantosa! Que coisa linda e gratificante!

E isso me fez pensar que as psicólogas, as vezes, não sempre nem constantemente, sabem o que estão dizendo! Na próxima vez vou lembrar de ponderar melhor o que elas dizem!


24 comentários:

  1. Ponderar e experimentar antes de criticar... mas falando serio, essas "formaçoes continuadas" geralmente são um teste a paciencia mesmo. Eu geralmente desligo total se vejo que o assunto nao me interessa.
    Mas boas surpresas podem surgir, pq não?

    ResponderExcluir
  2. eu tenho problemas com abraços ate hoje - alias tenho problemas com demonstrações de afeto em geral. Sera que vem dai? hehe Freud explica!

    ResponderExcluir
  3. É, Marcia, eu aprendi, ouvir e experimentar vale a pena, mesmo as formações continuadas da vida!!

    Di, afinal o que Freud não explica néh?!?!?

    Mahria, te dou sim, milhares!!! rsrs

    ResponderExcluir
  4. Jaci

    acho que nunca fiz um comentário realmente participativo, mas hoje não posso ficar calada
    .
    Primeiro vamos libertar o Freud das "psicolocas"
    .
    Freud é o pai da psicanálise e nunca, jamais em hipótese alguma ele concordaria com a formação de psicólogos.

    Os psicólogos não são obrigados a fazer terapia para se formar, enquanto nós psicanalistas somos obrigados a 380 horas de terapia para quem sabe conseguir o direito de atender. Lógico que existem bons psicólogos que ao invés das aulas de arrogancia e prepotencia, frequentaram linhas que os levaram a terapia (hoje em dia poucos, muitos poucos...)

    O psicanalista jamais julga as pessoas, ele sabe que é igual a todo mundo e que precisa cuidar das suas dores todos os dias para que possa cuidar de outros sem a arrogância e a prepotência tão características dos psicólogos.

    Para os dias de hoje a teoria freudiana pura é pobre e parece produto de coisa alguma.

    No entanto, ela é a base para todos os grandes pensadores dos dias atuais.

    Ela está imersa em toda a historiografia. Da história das mulheres a história das religiões.

    Em síntese: concordo com você em quase tudo.

    Também sou educadora e tenho vontade de matar aquelas criaturas que usam terninhos e salto alto (psicolocos), mas, também sou psicanalista e sei da diferença entre as coisas.

    Quer saber da parte mais obscura da minha vida? Tenho uma irmã psicóloga (com todos os adjetivos que você bem disse...rs), e eu sou essa coisa largada, que atende sentada sobre as pernas dobradas no chão, descalça e somos todos iguais!

    Também acho que formação continuada está entre as 10 coisas mais chatas em se trabalhar com educação... e, reunião de pais e mestres também...rs (aguenta as pedras que vão me atirar)

    Sobre os abraços? Continue com eles e peça mais alguns, na minha modesta opinião o que falta mesmo no mundo é gente que antes de ser educador, médico, terapeuta... goste de gente! O cidadão tem coragem de se formar para atuar em áreas de contato direto com o ser humano sem ter um pingo de carinho para com ele.

    Agora essa vai para você e para a Vaneza: TENHO DITO E FEITO! rs

    Beijo no seu coração

    ResponderExcluir
  5. Vixeeeeeeeee, me empolguei e nem prestei atenção na parte do amigo psicólogo sério... mas tá valendo né? Eu mesma disse que tem bons psicólogos...rs
    Beijo denovo

    ResponderExcluir
  6. "O cidadão tem coragem de se formar para atuar em áreas de contato direto com o ser humano sem ter um pingo de carinho para com ele."
    Juliana falou e disse!!!! A sujeita que trabalhava comigo é dessas. No dia que eu a beijei, ela quase caiu pra traz. Nunca deu um sorriso pras crianças de 2 anos, nem pra mim. Pra que, entao, trabalhar com educacao?

    Sabe que eu peco abraco pros alunos? Mas eh coisa minha... E tb, peco pra alguns. Uns mais atirados eu puxo e aperto mesmo. E ainda digo q eh abraco de amor. rsrs

    ResponderExcluir
  7. E sobre os psicologos, costumo dizer pra minha mae (q eh psicoloca), q psicologo acha que eh Deus. Mas soh o historiador tem certeza que eh!!! huahuahuahua
    (claro q eu fiz faculdade de historia, neh... rsrs)

    bjs

    ResponderExcluir
  8. Um problema da profissão é que os jovens escolhem a psicologia não para ajudar os outros mas para curar a si próprios. A Psicologia e a Psiquiatria são ciências sérias mas dificilmente vemos pessoas equilibradas ingressar nestas carreiras...
    Eu iria gostar de educação continuada, mas isso é uma questão de preferência e, da forma que você descreveu que acontece por aí, não daria mesmo para aguentar.
    Beijo
    Adri

    ResponderExcluir
  9. Muito bom! Olha, esse negócio de "formação continuada", do jeito que é feita ( a maioria da vezes) é um porre! E quando tem aquelas dinâmicas? Eu odeio...rsrs

    Essa questão dos abraços, da afetividade é realmente interessante. Eu trabalho com adolescentes também de EJA e é impressionante como muitos deles não admitem sequer serem tocados. Eu até escrevi um relato sobre isso, em breve até publicarei no meu blog porque julgo ser importante prestar mais atenção no toque, na afetividade desde a mais tenra idade para que não tenhamos adolescentes muitas vezes agressivos e carentes de um simples gesto como um abraço.

    Um abraço! =)

    ResponderExcluir
  10. Ruiva, pior que você está levemente certa quanto as certezas dos historiadores!!! Há excessões, mas grande parte de nossa raça é um poço sem fundo de vaidades... Eu até tento contrabalança, mas só Deus sabe o quanto falho nessa tarefa!!!

    ResponderExcluir
  11. Como te compreendo...

    A educação/ensino é uma arte...Muita da sua actividade depende do nosso jeito pessoal...Pode-se melhorar, desenvolver, adaptar, mas se não houver o dito jeito...Nada sairá bem. Tem que haver uma empatia natural entre os alunos e os professores. Essa é a base para o resto...

    A psicologia...Como pseudo ciência lol até tem coisas giras...Mas tenta convencer um psicólogo a por em prática as suas "leis"...Verás que bem que sabe assistir...

    ResponderExcluir
  12. Menina pior que formação só reunião de coordenador!
    Sempre tem uma coordenadora " batatinha mais crocante do pacote", que com toda sua experiência e sapiência consegur, apenas discursando, resolver todos os problemas de educação brasileira! Sofro viu!!!

    ResponderExcluir
  13. Achei seu post super engraçado, eu adoro psicologia, gosto muito de ler as teorias e também questiono algumas coisas. Quando falou sobre seu aluno, achei que na prática não iria funcionar, legal mesmo!
    Bjs

    ResponderExcluir
  14. Se teve um lugar onde conheci "deuses"foi na faculdade de história...rs. Será que sou uma deusa??? rsrsrsrsrsrs

    ResponderExcluir
  15. Oi Pandora, que delícia de post, adorei.
    Não sabia que era educadora, também sou mais não exerço.
    Estou esperando o resultado do concurso de Educação Infantil/RJ e quem sabe poderei colocar em prática o que li aqui hoje?
    P.S: aprendi com uma vizinha evangélica de 7 anos a expressão misericórdia!!! De tanto ela dizer, meu marido e eu adotamos!!!
    Bjs

    ResponderExcluir
  16. Oi Pandora!

    Adorei esse post! Quando tudo estava caminhando para crucificar geral as psicólogas... tcharam: Eis que vem a redenção, rsrssrs.
    (Eu já quase como você, torcendo pro Matheus não dar abraço nenhum)
    Muito bom, gostei mesmo!

    Beijos

    Carla

    ResponderExcluir
  17. Seu post mostra que as vezes a gente fica tão na defensiva com certo tipo de pessoa, com certos posicionamentos ou idéias, que simplesmente rebatemos tudo. Mas quando nos abrimos para experimentar, percebemos que nem tudo que vem dali é podre... rsrs

    Gostei do post!

    Beijocas

    ResponderExcluir
  18. Ai Pandora eu fico tão feliz por meus dias de formação terem passado, ufa!!
    E a hora da terapia de grupo?
    Agora eu tô rindo, mas na época...
    Bj

    ResponderExcluir
  19. Olá Pandora!Bom voltar aqui.
    Sobre as formações continuadas,penso que não há como tirá-las do processo 'moderno'de ensino-aprendizagem,mas como em toda atividade educacional dependem muito dos metodologia e critérios adotados pelo professor facilitador.Estou falando de motivação didática e isto é independente da própria identidade profissional dele.
    Abraços pra você!

    ResponderExcluir
  20. Pandora excelente post! Ótimo assunto para ser discutido! Assim como vc, às vezes não dou muito ouvidos aos psicologos e odiava minhas aulas de "Psicologia da educação", mas bem como vc mostrou, às vezes, eles sabem o que dizem!

    Parabens mais uma vez pela postagem.

    Bjs

    ResponderExcluir
  21. Oi,Pandora!!

    Que maravilha!!Ainda bem que as vezes funciona!!
    Então você trabalha com os pequenos!!Tenho uma filha de 3 anos!!Nem posso imaginar uma sala com 13 crianças!!!rsrsr
    És minha heroína!!E com certeza ama o que faz!!
    Minha pequena já passou da fase dos rabiscos(tem outro nome, né...garatujas??)e agora começou a tentar desenhar as letras!!
    É tudo bem lúdico...nada forçado, vem do interesse dela!
    Ela fica comigo e ocupamos nosso tempo(quando o irmão está na escola)com brincadeiras e "estudos"!!rsrsr
    Beijos!!

    ResponderExcluir
  22. Adorei. De muito bom gosto.
    Estou seguindo!

    Se possível dê uma passadinha na minha página também!


    Beijos

    www.aylabee.blogspot.com

    ResponderExcluir
  23. Seja lá como,onde,como e porque um abraço é muito bom,né?
    Boa semana!

    ResponderExcluir

Esse blog não representa um exercício de escrita, ele é um exercício de memória, de lembranças e esquecimentos. Funciona como uma caixa onde guardo coisas, sinta-se livre para comentar, mas saiba: comentários sem relação com o post serão excluídos por respeito a quem comenta de verdade.