terça-feira, 27 de setembro de 2011

Palavras a alguém, Casimiro de Abreu, um livro e algumas histórias...

Não esse post não é direcionado a ninguém em especial, é que "Palavras a alguém" é o nome de um poema romantico que fez parte da minha adolescencia, da adolescencia de minha melhor amiga e da minha irmã e essa semana em meio a minhas andanças virtuais, sem querer acabei relembrando essa poesia, então me deu vontade de falar sobre esse livro e essa peculiaridade familiar.


Em Outubro de 1965 a Edigraf fez publicar a colecção "Poesia Romântica Brasileira", por algum capricho do destino, ou coisa do gênero, o volume três dessa colecção, que contém uma selecção de poesias de Casimiro de Abreu, Junqueira Freire, Fagundes Varela e Laurindo Rabelo foi parar na casa de Aline, era da irmã dela, como durante nossa adolescência nós gostávamos muito de poesias ela acabou trazendo o livro para a escola e me apresentando.


Esse foi uma companhia constante nos anos de nossa adolescência, várias de seus textos eu sei de trás para frente, de frente para trás...

Casimiro de Abreu, poeta romântico brasileiro que escrevia em rimas cantantes tão bonitinhas falando de amor, saudades, sonhos de uma forma tão terna, foi uma das leituras mais acertadas que fiz ao longo da adolescência.

Sobre ele, diz o livro: nasceu e morreu no Rio de Janeiro entre Janeiro de1837 e Outubro de 1860, aliás, morreu cedo demais aos 23 anos.

Sua obra poética: "Canções do Exílio" (1854); "Camões e o Jau" (1856), drama em 1 ato; "A virgem Loura" (1854); "Camila, Memórias de uma virgem" (deixada incompleta); "Primaveras" (1859), colecção de poesias.

É o Patrono da cadeira nº 6 da Academia Brasileira de Letras.

Esse livro que passou de Andresa a Aline, de Aline a mim, de mim para a Rafaela minha irmã.

Na época que ele chegou aqui em casa, Rafa tinha uns 8 anos, considerando que ela leu entre os 6 e os 7 anos, acho que esse livro esteve com ela por toda a vida...

Nele nós registramos o passar de uma mão a outra, a assinatura de Aline data de 2001, as minhas são dos anos nos quais eu estive lendo ele, 2002, 2003, há ainda uma assinatura de 2004, depois disso houve um grande silêncio em relação a paixonites em minha vida de aborrecente e de certa forma isso se marca no livro, Rafa passou a ter interesse por ele em 2007.

Esse livro faz parte de nossa biografia pessoal, a poesia desses rapazes atravessou os século e no limiar do século XXI continua encantando os que conseguem se encontrar com eles.

E sim, antes que eu me perca totalmente do titulo dessa postagem, entre as poesias desde livro, a intitulada Palavras a alguém sempre está circulando entre mim e Rafaela.

A marcação "Escrever" quem fez foi Aline, há 10 anos atrás.
Sempre que ela me ver me debatendo entre a História, a Filosofia e os muitos problemas envolvendo fé, igreja local, minha denominação, atitudes dos pastores, formas de fazer, viver e praticar o cristianismo ela vai em Casimiro de Abreu, pede licença, se apropria indevidamente de suas palavras e recita para mim seus versos emendando quase sempre a exclamação: "Jaci, conhecimento deprime, um dia tu endoida!"

O que me fez lembrar esse poema e essa história foi o meu amigo Sahge e sua interessante pergunta que pode tranquilamente se voltar para questões de relacionamento...


"Pode a chama da vela
ficar indiferente
às asas da Mariposa?"


Eu sempre penso que é tão da natureza da mariposa está próxima a chama quanto é da chama está atenta a ela, claro que tem o probleminha técnico de que o fogo queima... Mas, como lembra Casimiro deixar a luz também arde.

Por fim, deixo a poesia registrada nessa Caixa:


PALAVRAS A ALGUÉM
Casimiro de Abreu - 1858

Tu folgas travessa e louca
Sem ouvires meu lamento,
Sonhas jardins d'esmeralda
Nesse virgem pensamento,
Mas olha que essa grinalda
Bem pode murchá-la o vento!


Ai que louca! abriste o livro
Da minh'alma, livro santo,
Escrito em noites d'angústia,
Regado com muito pranto,
E... quase rasgaste as folhas
Sem entenderes o canto!


Agora corres nos charcos
Em vez das alvas areias!
Deleita-te a voz fingida
Dessas formosas sereias.
Mas eu te falo e te aviso:
- "Olha que tu te enlameias!" -


Tu és a pomba inocente,
Eu sou teu anjo-da-guarda,
Devo dizer-te baixinho:
- "Olha que a morte não tarda!
"Mariposa dos amores
"Deixa a luz, embora arda.


"A chama seduz e brilha
- "Qual diamante entre as gazas -
"E tu no fogo maldito
"Tão descuidosa te abrasas!
"Mariposa, mariposa,
"Tu vais queimar tuas asas!"


Conchinha das lisas praias
Nasceste em alvas areias,
Não corras tu para os charcos
Arrebatada nas cheias!...
- Os teus vestidos são brancos...
Olha que tu te enlameias!...

3 comentários:

  1. Que lindo!BOa semana...Bjkas.
    decorehouse

    ResponderExcluir
  2. Não é muito comum que esse tipo de poesia densa se faça presente na adolescência e por isso eu achei lindo o teu relato, sabia?

    Beijo grande.

    ResponderExcluir
  3. Achei linda a história do livro!
    bjs
    Jussara

    ResponderExcluir

Esse blog não representa um exercício de escrita, ele é um exercício de memória, de lembranças e esquecimentos. Funciona como uma caixa onde guardo coisas, sinta-se livre para comentar, mas saiba: comentários sem relação com o post serão excluídos por respeito a quem comenta de verdade.