domingo, 18 de março de 2012

O velho desejo de voar...

Fim de domingo e inicio de segunda-feira, como grande parte dos meus companheiros de virtualidade sabem, é um momento pra lá de tenso para mim... Não tem jeito, me da arrepios pensar que mais uma segunda tá chegando com a aurora...

Porém eu já percebi que reclamar não ajuda, apenas agrava, então, por hoje, decidi pensar e escrever sobre algo diferente, algo agradável.

Decidi pensar em coisas positivas, ter um momento Pollyana. Nesse esforço acabei recordando um desejo antiquíssimo, anterior até mesmo ao meu velho desejo de dormir uma noite de 100 anos: o velho e bom desejo de voar!!!


Quem nunca sonhou em ganhar os céus, mergulhar nas nuvens e descobrir surpreso e sem prantos que elas são feitas de algodão doce e que os livros de geografia estão errados, pois o azul do céu é infinito?!?! Eu tenho certeza que cair pra cima não deve doer nada e se voar for coisa restrita apenas ao sonho eu me apego as palavras de um dos meus poetas prediletos e grito ao mundo que não faz mal:


"Um pouco mais de sonho para aquecer a alma,
Para alegrar os abismos do espírito.
Para dar à meia-noite as cores de uma tarde quente,
Enquanto não cessa o cortante hálito gelado do inverno.
De todo modo, vou optar por cair pra cima..."

Sim, eu confesso sem culpa nenhuma que tenho inveja dos pássaros. Afinal, são capazes de romper os limites da gravidade, ganhar o infinito, ir além e depois voltar a terra para cantar suas canções.

Sempre que vejo um pássaro em uma gaiola tenho vontade de abrir tudo e deixa-los voar. Há algo de perverso em pássaros engaiolados. Eu nunca aprendi a voar e está presa no chão já me sufoca, imagina os pássaros que nasceram com o azul por destino?!?!?!


Pássaros só tem lirismo quando rompem os limites da terra e ganham o céu voando em revoada, e já disse Salgado Maranhão:



"Os pássaros quando voam
Não deixam sequer rastro ao vento
Porque não voam com as asas
Apenas com o sentimento...
Os pássaros em revoada
Não buscam tão simplesmente
O ninho de algum lugar
Porque já estão pousados
No próprio ninho do ar."

Bem, mas falando em pássaros eu começo a considerar que é certo, aos seres humanos foi negado as asas. Contudo, talvez não nos tenha a Providencia negado o direito a voar.

Quem sabe haja na arte a possibilidade de vencer os limites da gravidade? Quem nunca voou com um bom livro, canção ou apreciando um quadro de Van Gogh?



Não sei... sei apenas que nesse papo de pássaros, não posso deixas de citar um "pássaro gente coisa linda", ou seja, o César Passarinho, cantor gaúcho querido que a Seerig me apresentou, escuto sua voz agora, ele canta as coisas que quer pra si, e só para jogar o desanimo de segunda longe eu me junto a ele:

"Eu quero ser gente igual aos avós
Eu quero ser gente igual aos meus pais
Eu quero ser homem sem máguas no peito
Eu quero respeito e direitos iguais
Eu quero este pampa semeando bondade
Eu quero sonhar com homens irmãos
Eu quero meu filho sem ódio nem guerra
Eu quero esta terra ao alcance das mãos
Que sejam mais justos os homens de agora
Que cantem cantigas, antigas e puras
Relembrem figuras sem nada temer
Procurem um mundo de paz na planura
E encontrem na luta, na força e na raça
Um novo caminho no alvorecer"

E ponderando sobre o velho desejo de voar ouvindo, ouvindo  a voz do gaúcho soando baixinho pelo meu quarto, já um tanto quanto sonolenta, decido tatuar pássaros na alma enquanto começo a pensar no dia de amanhã com seu Sol, nuvens brancas e todo azul do céu...Vou dormir.

Quem sabe ao acordar eu não me descubra possuidora de asas?!?!

22 comentários:

  1. Lindo texto,Pandora.
    Concordo que voamos ao ler, ao admirar pinturas, ouvir músicas...Voamos para um lugar distante que não sabemos onde e só voltamos quando a razão nos chama.
    Boa semana pra ti!!
    Bjs

    ResponderExcluir
  2. Por um instante pensei que vc ia falar que tinha tatuado pássaros mesmo. kkkkkkkkkkkk
    Eu tbm sempre quis voar... sempre quis viver na Terra do Nunca. Sabe, uma vez eu sonhei que tava voando com o Peter Pan, foi tão real, até os calafrios que eu senti foram reais, tão reais que me fizeram acordar e perceber que tudo não passava de um sonho. :(

    BeijoZzz

    ResponderExcluir
  3. Adorei a tatuagem, vontade de fazer uma igual... rs.

    Eu não tenho muito problema com as segundas. Talvez porque meu trabalho não seja um lugar pesado para mim, o ambiente é bom, tem bastante trabalho, mas como o grupo é leve a gente faz muita piada.

    Mas já tive épocas na minha vida, que as segundas era como ir pra forca, um horror total.

    Quanto a voar, em tenho sonhos recorrentes sempre de que estou voando, e é uma sensação maravilhosa de liberdade.

    Beijocas

    ResponderExcluir
  4. Cada um voa com as asas que Deus deu.
    rsrsrrsrrr
    Beijos!

    ResponderExcluir
  5. quero justamente isso! Acordar com assas.. Nossa, seria tudo! mas já que estamos na mesma segunda feira e sua falta de graça, que tal voce é eu pularmos de para-quedas e esquecer dessa segunda? E depois podemos dar uma volta em balões de ar! A imaginação, criatividade e sonhos são nossas assas, e com elas podemos fazer "tudo"! bjooooooooo

    ResponderExcluir
  6. Que lindo!
    Acho que no disco que te mandei não tem "Canção para o vento" do Passarinho, tem? Lembrei dela lendo teu post...
    Ahh, sou louca pelo vento, ou talvez seja encantada pela frase da velha Ana Terra "noite de vento, noite dos mortos".
    Putz, eu falando em morte num post desses? Me perdoe. Morte e vento pra mim são liberdade. Ou em parte sim. =)

    ResponderExcluir
  7. Que sua segunda feira seja assim, como sua noite de domingo, cheia de lirismo, sonho e de umceu taão azul que a gente se sente voando mesmo ao caminhar!
    bjs
    Di

    ResponderExcluir
  8. Pandora, vc agora me fez lembrar a minha filha que vive querendo voar. Já até disse que ela no lugar dos bracos iria preferir ter asas para voar.

    Aliás numa das nossas férias ela voou de asa delta, eu, eu só filmei porque gosto mais de ter os pés no chao. Pra vc ver o tamanho da coragem dela pra voar e ela só tem 7 anos...

    Um grande beijo e parabéns pelo lindo texto.

    ResponderExcluir
  9. Tenho o mesmo ponto de vista seu. Dá aflição, agonia, ver pássaros engaiolados.
    Na família do meu pai há alguns tios que criam agapornis, mas soltos pela casa (obviamente eles não tem gatos, ahah) e é muito divertido vê-los caminhando pelo sofá e pousando no ombro deles.
    Também tive sonhos (literalmente) de voar. O tanto que já voei... Infelizmente, só em sonhos mesmo. E quando sentimos dores por causa de entorses, aí sim o desejo de voar e sair daquela imobilização, limitação, é muito maior.
    Belo texto para um início de segunda Pandora, é bom ter uns momentos Pollyana de vez em quando. Mas só de vez em quando...

    E já que mencionou poesia, eis uma de um dos meus poetas preferidos (talvez por ser tão simples e nada complexo, ahah) Manoel de Barros:

    Para compor um tratado sobre passarinhos
    É preciso por primeiro que haja um rio com árvores
    e palmeiras nas margens.
    E dentro dos quintais das casas que haja pelo menos goiabeiras.
    E que haja por perto brejos e iguarias de brejos.
    É preciso que haja insetos para os passarinhos.
    Insetos de pau sobretudo que são os mais palatáveis.
    A presença de libélulas seria uma boa.
    O azul é muito importante na vida dos passarinhos.
    Porque os passarinhos precisam antes de belos ser eternos.
    Eternos que nem uma fuga de Bach.

    ResponderExcluir
  10. Lindo!!!
    Também acho muito perverso pássaros em gaiolas, ter assa e não poder voar...

    ResponderExcluir
  11. Minha amiga Pandora,
    Fico honrado e muito envaidecido sempre que você considera o que rabisco bom o bastante para citar nesse seu espaço.

    E mais ainda por você gostar do que escrevo. Faz com que eu goste também e isso é bom, porque eu geralmente olho para o que escrevo não gosto, mesmo tendo escrito. É verdadeiro demais para que eu goste.

    Cair pra cima é da natureza dos inquietos.
    É da Nossa natureza.

    E eu considero isso, esse "cair", um vôo muito mais dinâmico.

    Cheros e obrigado.

    ResponderExcluir
  12. Não sei como é o voar dos pássaros, mas já voei muito! Esse é um sonho recorrente que tenho desde criança. Praticamente voo toda noite, basta dar um impulso com os pés e forçar os braços. O corpo serve como um guia, mas cansa, não é tão sem gasto calórico. Estou tão acostumada a voar que nas noites em que vou dormir muito cansada, não consigo. No sonho mesmo, fico muito frustrada. Lá de cima dá para ver tudo e em alguns lugares muito iluminados, você corre o risco de sofrer mais acidentes, principalmente se chocar com fios. Gostaria de estar brincando, mas não estou. É sério! Beijus,

    ResponderExcluir
  13. Oi Jaci

    Obrigada pelas palavras.

    também tinha desejo de voar, igual os super-heróis. Mas meu medo de altura acho que fala mais alto rsrs.

    Beijos

    Ps. Como está o mestrado?

    ResponderExcluir
  14. Gostei muito desse post. Sabia que o jogo do contente servia para alguma coisa rss dessa vez você fez meu coração bater assas e meus olhos ficaram rasos de lágrimas. Acho que sou doida, mas viajei contigo nessa história de voar. Quem já viveu preso sabe a importancia da liberdade!

    ResponderExcluir
  15. Ah sim, esqueci de dizer, vc escolhe as imagens certas!

    ResponderExcluir
  16. Oi Pan... estou de volta, andei "voando" por aí mas meu lugar é a blogosfera :)

    Nao tenho problemas com a segunda-feira atualmente, mas já tive muitos! Queria voar pra sexta-feira às 18hs sem pestanejar hehe

    Um beijinho

    ResponderExcluir
  17. O que a gente faz quando nos falta palavras?!
    Adorei o texto, Pandora!!!
    Muuuiiitttooo inspirador!!!

    Bjs!!!

    ResponderExcluir
  18. Lendo tudo o que escreveu fiquei aqui lembrando dos tempos em que eu adorava ler sobre projeção astral. E muitas vezes em sonho me parecia estar voando. E acordada entre um cochilo e outro também me parecia voar.

    Faz um bom tempo que tinha perdido o costume de pensar nisso, o voar sem necessitar carregar asas ou o corpo.

    Lendo deu vontade de voltar a pensar nessa coisa que é voar. E sem o perigo de cair...
    Vou ver isso novamente.

    Então, tu tá gostando de césar Passarinho? A voz dele para mim tem um tom muito triste, mas ele é legal. Dos tradicionalistas gaúchos gosto do Crioulo dos Pampas e de Jayme Caetano Braun.

    Beijos!

    ResponderExcluir

Esse blog não representa um exercício de escrita, ele é um exercício de memória, de lembranças e esquecimentos. Funciona como uma caixa onde guardo coisas, sinta-se livre para comentar, mas saiba: comentários sem relação com o post serão excluídos por respeito a quem comenta de verdade.