segunda-feira, 12 de março de 2012

Blogagem Coletiva: O que você faz de bom?



Quando a Bia do Jubiart me convidou a participar dessa blogagem coletiva, eu, uma amante dessa prática bloguistica, comecei a pensar... E pense em uma proposta que me deu trabalho... Eu me vi pensando nisso no ônibus, no banho... Olhando o por do sol, em meio a leituras acadêmicas e diante dessa pagina em branco.

O que eu faço de bom?

Se a Bia me tivesse feito essa pergunta há um ano atrás eu seria capaz de responder na lata, eu diria algo como:


"Eu não sou uma educadora assim excepcional, fantástica, mas eu me esforço para ser uma boa educadora para as crianças e para as adolescentes e isso é o que faço de bom!"

Acontece que há mais de ano eu precisei dar um tempo na Escola Dominical e estou de licença na creche me dedicando ao mestrado.

Então graças a Bia e sua pergunta capciosa eu descobrir que sem meu trabalho prático eu fiquei sem ter como me afirmar como pessoa que faz algo de bom para o  mundo e acabei me perguntando até que ponto essa falta de certeza em torno do meu atual momento profissional tem me afetado no momento da escrita acadêmica tornando ela um tormento.

Graças a Bia eu me vi questionando meu atual estado de mestranda e o que estou fazendo agora. Me perguntei se tudo isso é só por vaidade profissional, para poder assinar mestre nos meus trabalhos acadêmicos, se é para ganhar alguns reais a mais ou para dar a honrada biblioteca do Departamento de Educação mais um calhamaço para se encher de poeira ao longo dos anos.

No final, cavei em minhas memórias e meditando a noite, junto a minha cama e Deus, lembrei que em relação ao mestrado, comecei esse curso por um pouco de vaidade profissional, sim, pensando que o salário poderia ser melhor, sim. Mas não foi isso primordialmente.

O primordial, o que me deu energia, foi pensar que, após ele, eu seria uma profissional melhor, mais qualificada. Foi a certeza de que uma professora de História tem que ter a experiência de ter realizado uma pesquisa e a convicção de que conhecer a História da Educação no Brasil faria toda a diferença na minha prática pedagógica o motor responsável por mim impulsionar adiante.

Logo, me preparar para exercer minha profissão bem é o que faço de bom hoje!

A partir desse pensamento eu consigo reencontrar o foco para seguir na pesquisa e na escrita da dissertação, acho que fiquei devendo uma a Bia!!!

Mas, agora, terminando esse texto e, mesmo que respirando um pouco mais aliviada por ter reencontrado meu objetivo primordial quase esquecido, começo a pensar que se afirmar apenas a partir da vida profissional pode não ser uma coisa muito boa.

As pessoas são mais que suas profissões... E parece que minha saga com a pergunta da Bia em vez de terminar com essa postagem está apenas começando, ainda vou remoer muito essa questão...

17 comentários:

  1. Oi Bella!

    Ser uma profissional é além de boa, muito excelente! Quanta diferença vc pode fazer na vida das pessoas?

    Se perguntar todo dia o que faço de bom? É um exercício constante que só engrande!

    Amei sua participação! Grata!

    Uma ótima semana p/ vc!

    Beijoooooooooooooo

    ResponderExcluir
  2. Fazer o que gostamos ,nossas profissões com carinho é legal! Linda participação,beijos,tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  3. Quanta intensidade em seu texto!
    E ler seu texto para esta blogagem também faz refletir muita gente, euzinha mesmo!
    Muito legal sua participação. Parabéns!
    Beijo

    http://ladodeforadocoracao.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. De fato, essa blogagem mexeu com seu universo e isso é tudo de bom!

    Tbm me senti meio assim. Mas como sempre ando em crise existencial (rs...) procurei levar mais na esportiva, pois já sou excessivamente crítica de mim mesma por natureza.

    Adorei suas reflexões e conclusões, viu?

    Beijinho...

    ResponderExcluir
  5. Bom que parece que você está no caminho daquilo em que você é boa. Agora só falta a vida dá uma mãozinha... rs.

    Qaunto a mim, acho que esse não é um bom momento para responder essa pergunta, porque ando mais focada no que anda faltando em mim... rsrs

    Beijocas

    ResponderExcluir
  6. Você ama estudar, ama literatura, enfim, ama sua ocupação. E isso é muito bom, eu penso. As pessoas podem ser até mais que suas profissões, e o trabalho pode chegar a ser uma fuga, no entanto, vivo falando que quem está contente com sua profissão e ganha um dinheiro que dá para se sustentar, é uma pessoa mais feliz. E todos sabemos que a felicidade nunca é completa, não existe em todos os campos da vida.

    Tudo de bom, sobrinha!

    ResponderExcluir
  7. Olá, Pandora, também participo da coletiva da Bia e percebi o seu questionamento, mas essa frase sua valeu por tudo: "As pessoas são mais que suas profissões..." Isso me bastou para saber do teu coração que se doa e se esparrama para o bem, sem olhar a quem. Fique tranquila. Beijos e feliz semana!

    ResponderExcluir
  8. Neste caminho que você está trilhando eu já estou me aposentando. Falta-me apenas idade suficiente para isso.

    Por enquanto vou trabalhando na área mas longe da sala de aula.

    Apenas pelo fato de você escolher estar entre os pequenos e dar o melhor de si a eles é algo que lhe trará satisfação, pois a criança dá um retorno muito bom.

    Eu arriscaria dizer que o que faz de bom é o carinho que sinto, distribues a teus pequenos. E isso é impagável.

    Eu já estou cansada pois é algo que desgasta muito e não por causa de alunos e sim devido ao sistema como um todo.

    Agora ando em busca de outras coisas que me fazem bem.

    Beijos e boa semana.

    ResponderExcluir
  9. Excelente meditação e resposta!
    bjs Sandra
    http://projetandopessoas.blogspot.com//

    ResponderExcluir
  10. As vezes fico pensando sobre a sociedade humana e sobre o papel que cada um de nós desempenha nela. Acho que todas as profissões são altamente importantes, quando vamos a uma loja e a vendedora nos atende bem, ela nos fez um bem, mesmo que seja sua obrigação. se um caixa de banco consegue resolver um problema nosso que tantos outros funcionários do banco já ignoraram (aconteceu comigo hoje) ele certamente nos fez um bem. Talvez, esse mesmo funcionário vez por outra se pergunte o quê ele faz de bom para outros, e talvez ele nem saiba o quê o simples fato de cumprir bem o seu trabalho signifique para as pessoas. O que eu quero dizer com isso é: imagina o bem que uma professora bem qualificada pode fazer num país como esse!!! Um professor pode influenciar tantas vidas, tem um poder tão grande nas mãos, sei disso porque tive vários que me marcaram. Lembrei da frase que está na minha lembrança da formatura da oitava série: "Se sou aquilo que sei, dentro de mim tem um pouco de cada um que me ensinou" não lembro de quem é mas é pura verdade. Então, se você procura melhorar como profissional isso é uma grande coisa, embora é claro, não devamos nos ater apenas a isso como você mencionou.

    ResponderExcluir
  11. Olá, querida
    Concordo plenamente que sejamos mais do que as nossas profissões vocacionadas...
    O amor está em nós e nos doamos na medida dele...
    Bjm de paz e festivo

    ResponderExcluir
  12. Ah, Jaci vc sempre me fazendo pensar, mesmo quando não quero! kkkkkk

    ResponderExcluir
  13. Minha doce Pandora

    Adorei sua participação e claro que o você faz é muito bom e melhor é que está procurando ficar ótima.

    Como sou sua fão de carteirinha não sou a pessoa certa para falar muito.

    Sempre bom compartilhar esses momentos com os amigos.

    beijos no seu coração

    ResponderExcluir
  14. Para mim, nem precisaria do desfecho para aprovar que está fazendo algo de bom. Porém, como você o mencionou, eu a respeito por isto, precisamos realmente cada vez mais de educadores com melhores qualificações.
    No entanto, o que posso lhe dizer é que não há nada demais em ter vaidades e fazer o bem a si próprio.
    Por que em nossa sociedade fazer o bem a si próprio é visto como egoísmo?
    Egoísmo para mim são pessoas que puxam o tapete de outras a seu benefício, que fazem plágios de projetos não registrados, que pensam que o fim justifica os meios.
    Mas alguém, fazendo o bem a si mesmo, com sua luta, seu suor, seu esforço, jamais será uma pessoa egoísta, apenas uma pessoa que se valoriza.
    Não sabia que era sobrinha do Roderick Verden. Gosto da visão crítica que ele tem das coisas.

    ResponderExcluir
  15. Uma pergunta que ainda não tenho resposta...
    Gostei do que li!!!

    Bjs!!!

    ResponderExcluir
  16. Olá! Cheguei aqui através da coletiva da Bia, gostei muito do seu espaço e fiquei por aqui. Se quiser conhecer o meu, será bem vinda. Um abraço!

    www.revoltaeromance.blogspot.com

    ResponderExcluir
  17. Vou ser retundante repetindo tudo o que já comentaram, mas acho que o seu mestrado é para enriquecimento pessoal e como ajudar as pessoas, sem estar bem consigo? Depois de passada essa fase em sua vida e se tiver lhe fazendo falta, retorne ao aquilo que pensa, estará ajudando mais pessoas. Quem sabe até em outra área, de um modo diferente? Boa semana! Beijus,

    ResponderExcluir

Esse blog não representa um exercício de escrita, ele é um exercício de memória, de lembranças e esquecimentos. Funciona como uma caixa onde guardo coisas, sinta-se livre para comentar, mas saiba: comentários sem relação com o post serão excluídos por respeito a quem comenta de verdade.