domingo, 17 de setembro de 2017

Os livros são meu álcool



Livros para mim são como o álcool para os alcoólatras.
Se estou feliz, compro para comemorar.
Se estou triste, compro para purgar a tristeza.

sexta-feira, 15 de setembro de 2017

Sr. Chacal: Noite de Galo [Literatura Infantil]


As fábulas são uma das mais antigas formas de refletir sobre a vida, as atitudes humanas e seus efeitos bons ou ruins. Eu amo fábulas, tanto as clássicas quanto as que são construídas na atualidade. E em Sr. Chacal: Noite de Galo Elisa Khoury Daher transformou uma história antiga de família em uma dessas fábulas maravilhosas e fáceis de amar.

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

O Perfuraneve [HQs]


"O Perfuraneve" foi um livro cujo lançamento me deixou instigada. Não cheguei a ver o filme, mas li várias resenhas dele e acabei adicionando a coleção. No entanto, quando ele chegou nas minhas mãos não senti impeto de ler automaticamente. Acabei deixando ele na estante esperando sua hora e sua vez.

Só quando passei a frequentar o metro do Recife ele começou a me chamar e, apesar dos seus um quilo e meio, não consegui resisti por muito tempo ao chamado. Numa bela manhã levei ele comigo para percorrer a distancia capaz de unir e separar a Zona Norte do Recife do Centro de Jaboatão. Apesar do incomodo gerado pelo peso, ler um livro cuja história se passa dentro de um metro de superfície estando dentro desse meio de transporte formou um jogo de espelhos entre realidade e ficção impossível de resistir e difícil de reproduzir.

terça-feira, 12 de setembro de 2017

A Cansativa Aula de História...


As 7:30 de uma segunda-feira, pouco antes de começar a primeira Aula de História pós-feriadão, um aluno olha para mim e faz a pergunta:

sexta-feira, 8 de setembro de 2017

A Idade da Poesia [Literatura Infantil]


O primeiro amor é sempre inesquecível! Para mim poesia e literatura infantil estão dentro do espectro do primeiro amor e quando eles veem juntos como acontece em "A Idade da Poesia" é fantástico.

quarta-feira, 6 de setembro de 2017

"A redoma de vidro" de Sylvia Plath


Em retrospecto, não faço ideia de como topei com "A redoma de vidro" da Sylvia Plath. Esse foi o tipo de livro com o qual me vi apegada, sem mais nem menos, presa em no congestionamento. De repente lia a Sylvia Plath sem ter ideia da tema de sua história, sem muitas expectativas e sem google ou skoob para ajudar com o sagrado spoiler.

Por sorte, de muitas formas, Sylvia Plath dispensa apresentações. Basta ler o primeiro paragrafo de seu romance para entender a força narrativa dela. Já na entrada ela te da um soco preciso no estomago e de uma vez só você descobre uma escrita limpa, uma autora confiante na capacidade de compreensão do leitor (um risco no qual atualmente poucos autores ousam correr), um conjunto de metáforas precisas e um cuidado exacerbado em não ter pressa de avançar na caminhada ou chegar a reta final.