sábado, 7 de março de 2015

De quando conheci minha amiga paratleta e tive um vislumbre de uma competição paralímpica!

Não é novidade o caráter inusitado dos encontros tornados possíveis pela internet, mas eu não canso de observar absurdada o quanto essa característica do espaço me possibilitou encontros com os quais jamais sonhei, como por exemplo esse com a Erica Ferro, minha amiga paratleta.

No final de fevereiro, a Erica esteve aqui em Recife competindo na "Etapa Norte/Nordeste do Circuito Caixa Loterias de Atletismo, Halterofilismo e Natação". Obviamente que quando uma amiga de longa data com a qual você já trocou uma "coleção de álbuns de figurinhas" vem a sua cidade você não pode deixar de ir vê-la e eu fui.


Encontrei a Erica, suas medalhas preciosas, seu afeto, seu abraço e seu delicioso gosto de sol com uma pitada de água clorada que lhe cai muito bem! E como se não fosse suficiente conhecer pessoalmente minha amiga atleta, ainda tive um vislumbre do que é uma competição paralímpica.

Para mim, atletas/paratetas sempre tiveram uma aura de mito. Minhas memórias mais antigas relacionadas a esportes vem de está assistindo competições de atletismo junto com meu pai e contemplar aqueles homens e mulheres incríveis correndo, ultrapassando obstáculos, voando com a ajuda de uma rava, saltando.

Meu pai nunca foi, e não é, um homem silencioso, mas diante desse espetáculo ele se calava, e mesmo hoje se cala. mas eu nunca tinha ido vê pessoalmente as competições acontecendo ou a figura dos atletas circulando nos ambientes nos quais a competição acontece. É um encontro impressionante e difícil de descrever sem parecer uma pessoa boba!

No país do futebol, praticar qualquer esporte que não envolva um gramado limitado por um retângulo com traves na extremidade em si já é uma rebeldia. Levar esse esporte a sério a ponto de competir em caráter regional então nem se fala. Há algum tempo, nos descaminhos da internet, encontrei uma imagem na qual se lia: "Te quiero porque tu boca sabe gritar REBELDIA" (~Mario Bendetti). Quando eu assistia os rapazes e as moças espalhados em várias atividades no  Centro Esportivo Santos Dumont do só pensava nela!


E os paratletas ainda desconstroem com suas atuações a ideia torpe de que possuir uma deficiência física ou cognitiva é sinônimos de incapacidade ou de impossibilidade.


Sempre desconfiei que existia mais de uma forma de atravessar uma piscina... Sempre desconfiei que existe mais de uma forma de nadar... Mas nunca tinha visto tantas formas juntas! É bonito de se vê e de repente a gente compreende porque os "Jogos Olímpicos" sobreviveram ao fim da crença em Zeus e no Olimpo. Espirito de vencer seus próprios limites e o prazer de contemplar as pessoas fazendo isso é impagável.


Através da convivência há muito descobri que o Brasil se destaca nos Jogo Paralímpicos, o maior evento esportivo mundial envolvendo pessoas com deficiência. O site do Comitê Paralímpico Brasileiro é muito organizado, tem até um espaço dedicado a conta a história do movimento paralímpico no Brasil e no mundo para quem se interessar pelo tema.


Ah, claro que levei um cartaz para a Erica! Porque fui torcer!


Claro que ela assinou com um autografo!


Claro que ela ganhou um monte de medalhas!


E ficou chateada por perder um ouro por conta de "dezesseis centésimos".


Ah, cá está meu lindo autografo:





8 comentários:

  1. Esses 126 centésimos que a fizeram perder o OURO, não tem importância diante da garra, força, superação que ERICA demonstrou! Que linda história de vida! Parabéns à Erica ! E feliz nosso dia! bjs, chica

    ResponderExcluir
  2. Pandora, lembro-me que nos meus primeiros tempos de internet que foram através dos blogs, eu lia constantemente que amigo virtual não era amigo, que as pessoas estavam confundindo. Mas acontecia comigo que de alguma maneira, certas pessoas tinham uma afinidade, uma conexão de amizade e que mais tarde ocorreu como você disse: a vida proporcionou esses encontros e eles se tornaram reais fora das telas.
    Nunca assisti a uma competição paralímpica. Através das tuas palavras deu para sentir a força, a intensidade!
    E ah Erica: dezesseis centésimos? Você é ouro sim!
    Beijo!

    ResponderExcluir
  3. Bom, só posso dizer que você teve uma tarde pra lá de especial. É muito bom observar essas situações porque nos fazem crescer. Meus parabéns, mais uma vez à Erica e a você jaci! Beijos.

    ResponderExcluir
  4. Este foi um encontro de superação desde o início. Nada é impossível: a distância, vencer os obstáculos e superar os desafios.

    ResponderExcluir
  5. LINDO!!! Eu amo vir aqui e ler mais uma história tão linda, real e importante. Parabéns para a Erica, vocês aqueceram meu coração numa segunda feira nublada =)

    Beijão!

    ResponderExcluir
  6. Caramba, quantas medalhas! Eu não sou uma pessoa de esportes, não levo jeito, mas admiro muito quem leva e consegue se sobressair - e que leva a coisa com tanta dedicação e tão à sério que fique incomodada com um ouro perdido por dezesseis centésimos, rs. Cada um sabe da sua luta e do que isso - e elas - significam.

    Ah destaque para o "gosta de morder os outros" ;)

    Dois abraços!

    ResponderExcluir
  7. Show de bola! É ótimo rever amigos/as. E tenho certeza que o ouro dessa competição foi a força de vontade e os belos sentimentos vividos. Abraço! (e para de morder os outros)
    Alexandre do blog Do Que Eu Leio
    @doqueeuleio

    ResponderExcluir
  8. Pandorinha, você salvou essa minha competição! Pode ter certeza!
    O seu carinho e a sua torcida foram incríveis e certamente me ajudaram a esquecer um pouco a frustração de não ter nadado bem (apesar das muitas medalhas). Você sabe como é, nós, atletas, treinamos muito para fazer sempre os melhores resultados das nossas vidas e, quando eles não vem, ficamos frustrados e tristes. No entanto, o lance é seguir em frente com a mesma garra e a mesma fome por treinos.
    O seu post me emocionou bastante porque, pra mim, é uma alegria saber que você, talvez por ter me conhecido, conheceu o Comitê Paralímpico Brasileiros e outros atletas paralímpicos, que são referências de sucesso no esporte e na vida. Espero que você continue acompanhando o Mundo Paralímpico e vibrando com cada conquista nossa.
    Ver você foi muito massa! Você é uma pessoa muito meiga e saltitante (risos)! Tirando a parte das mordidas, que eu realmente acho que você deveria ir a um psicólogo tratar dessa compulsão por morder pessoas (risos), você é alguém encantador, que emana uma felicidade, uma energia muito boa.
    Se pela internet eu já te achava muito especial e admirável, pessoalmente só confirmei o que já desconfiava: de que você é tudo isso e muito mais.
    Espero revê-la em breve, minha amiga!

    Um grande abraço!

    P.s.: agradeço a todos que comentaram aqui na postagem da Pandora. Fico contente que vocês tenham gostado de ler um pouco sobre o movimento paralímpico, os atletas e um pouco da minha história e de como Pandora e eu nos sentimos ao nos vermos pela primeira vez. Beijo grande!

    ResponderExcluir

Esse blog não representa um exercício de escrita, ele é um exercício de memória, de lembranças e esquecimentos. Funciona como uma caixa onde guardo coisas, sinta-se livre para comentar, mas saiba: comentários sem relação com o post serão excluídos por respeito a quem comenta de verdade.