quarta-feira, 26 de março de 2014

Papos de Menina...


Desde o ano passado graças a Mi [minha alma gêmea] tenho tido a oportunidade de me reunir com outras meninas para bate-papos literários... Até as meninas surgirem em minha vida a única pessoa com a qual eu já tinha trocado com frequências opiniões literárias era Aline! Agora eu estou no paraíso! Amo falar sobre livros e derivados.

A primeira experiencia de bate-papos, o "Podcast das Meninas dos Livros", durou exatamente um ano e nós fizemos 12 gravações. Mas eu e a Mi gostamos o suficiente da experiencia para continuar com ela. Aproveitamos o feriado de Carnaval para nos unir a Marise Ferreira e gravamos um papo de meia hora sobre a Marian Keyes.

Marian é uma irlandesa cuja escrita é extremamente divertida, com leves tons de ironia e seus romances daqui a uns 100 anos correm o risco de serem chamados de "romances de costumes". Neles a vida de vários perfis de mulheres no limiar do século XXI surgem e vivem histórias corriqueiras. Eu sou apaixonada pela Marian Keyes e seu humor debochado ao narrar coisas corriqueiras.


Enfim, se você ficaram curiosos para ouvir como foi o nosso bate papo deixo aqui o link para ele:



segunda-feira, 24 de março de 2014

Sobre minha cama, meu sono e a segunda-feira...

Pois é, quando eu começo o post com "pois é" senta que lá vem leseira brava, outro dia vi em meio aos RT do Twitter a seguinte expressão da Marcia Camila:


"Quando me perguntam qual meu lugar preferido só penso em dizer: "Meu lugar preferido é minha cama." Mas, às vezes minto e digo outros lugares." [@camila_marcia]

Em plena segunda-feira, poucos minutos antes de começar minha rotina, pouco depois de abandonar minha cama... sinto que eu não consigo concordar mais com alguém com alguém. Não existe lugar como minha cama no mundo... é tão ultrajante ter que abandona-la a sua própria sorte todos os dias!

Eu vivo concordando com os posts da página "Disney Irônica":



Ai gente, vou ali da mais um abraço na Abena porque...

Foto tirada por Rafaela, na minha ausência Abena também ler!
.... "Acordei para a mesma vida para que tinha adormecido./ Até os meus exércitos sonhados sofreram derrota", ainda é  segunda-feira!


Eu nem bebo álcool, mas vou pegar carona na música "E a vida se fez de louca" do "Mundo Livre S/A":
"... Deus nos dê fígado, pois temos o planeta inteiro pela frente.Na verborragia do versoEstoura o limite de ânsiasHá um desquite que a metáfora não alcançaE como já dizia o meu amigo Xico... Sá, Sá...Saindo as palavras por uma porta e a vida por outra!"

Boa Sorte para todos e todas nós!!! Que Deus nos ajude!!!

sexta-feira, 21 de março de 2014

O Negro Bonifácio, a Cláudia e o César Passarinho.

A história do "Negro Bonifácio" é contada no livro "Contos Gauchescos e Lendas do Sul" escrito pelo Simões Lopes Neto. Nele se conta como um homem negro livre chamado "Bonifácio" se meteu, ou foi metido, em uma confusão danada com alguns rapazes da alta sociedade gaúcha por causa de uma moça. 

Segundo contou Simões Lopes Neto, depois de uma briga danada, o Bonifácio, em clara situação de desvantagem, não resiste e morre. Depois da morte dele se descobre que tudo isso se deu porque a Tudinha (moça branca e rica) se engraçou dele, viveu um romance com o rapaz, mas ele depois dos chamegos não a quis mais. A parte os méritos do conto e tudo e tal, o conto é marcado por certo racismo e  figura do Bonifácio é pra lá de massacrada. O negro é descrito como "um perdidaço pela cachaça", "pachola", "beiçudo", "ginetaço" e no final o narrador insatisfeito ainda questiona: "Até hoje me intriga isto: como uma morena, tão linda, entregou-se a um negro tão feio?... Seria de medo, por ele ser mau?... ".

Até ai tudo bem, mas lá pela década de 1980, uns certos senhores gaúchos, uns tais de Luiz Bastos, Antônio Augusto Ferreira e Mauro Ferreira, não sei por quais caminhos escusos, tiveram um encontro com o conto do "Negro Bonifácio" e desse encontro surgiu uma interpretação bastante original dessa história a qual eles transformaram em uma canção. Não por acaso o César Passarinho foi o interprete que eternizou essa história.



Eu sou absolutamente apaixonada pela interpretação que esses moços fizeram da canção, assim como sou apaixonada pela interpretação do Cesar Passarinho. Gosto da forma como eles lembram que na verdade a questão maior da história é que "Mataram o Bonifácio", não foi um acidente de percusso o que ocorreu no comercio de carreira, me entusiasmo quando eles lembram que mesmo em desvantagem "caiu o negro peleando³ para que a morte sotreta/ se espoje na carne preta, sem perguntar: até quando?/ Caiu o negro peleando.".

Bonifácio não era covarde, podia ser namorador, pouco dado a compromisso e na hora de dispensar uma mulher não pesava a fortuna dela... mas covarde e fujão não era. Ele até foi derrotado, mas o foi lutando e em nenhum momento deixou de ser protagonista de sua história... Os músicos reconhecem isso e endossam essa interpretação, valorizando a negritude.
"Em casos de valentia,
Há sempre um negro no flanco.
Bonifácio fosse branco
Nem história se teria." 
E não se furtam de completar a história contada na música denunciando os problemas raciais do Brasil no final do século XX:
"Bonifácio teus direitos permanecem obscuros
Enredados nos impuros caminhos dos preconceitos."
Hoje, lá pelo twitter, encontrei sem querer um site chamado Olga lá continha um texto chamado "100 vezes Cláudia" no qual estão expostos diferentes trabalhos sobre a Cláudia da Silva Ferreira que também foi assassinada de uma forma desleal.... A galeria de imagens exposta no Olga é emocionante, me toca profundamente. Cláudia é como minhas vizinhas, minha mãe [que também ajudou a criar os sobrinhos e ajuda a criar os filhos das vizinhas que trabalham em casa de família], é como eu. Ela éuma pessoa "peleando contra a morte sotreta".

É tão doloroso perceber como uma música da década de 1980 que fala sobre acontecimentos do fim do século XIX e inicio do século XX permanece atual no século XXI!!! Meu Deus, como os nossos direitos permanecem obscuros!!! Até respiro fundo para buscar coragem!!!

Enfim, o César Passarinho foi um cantor/interprete gaúcho extremamente louvado por suas interpretações emotivas. Ele ganhou diversos títulos e foi importante para a música tradicionalista gaúcha não deixar que a globalização roubasse qualquer coisa de fundamental daquele povo que vive abaixo dos Trópicos em um país conhecido por ser tropical.

Hoje, 21 de março, é a data do aniversário dele, ele faria 65 anos. Achei importante registrar isso de alguma forma. Acabei escrevendo demais, talvez bastasse um top 5 com as músicas dele que eu mais gosto.


_________


Pequeno vocabulário gauchesco:

Pachola: farsante, pedante. Pessoa duvidosa
Gínetaço: garboso
Peleando: lutando, brigando.
Sotreta: desprezível, tolo, covarde, vil, ruim, ordinário, velhaco, de pouco mérito.

terça-feira, 18 de março de 2014

Vamos Brincar com a Chica?

Vi na Calu a ideia da Chica, abracei a brincadeira pois ela me lembrou uma das cenas da semana passada que por um golpe de sorte eu pude registrar \o/


"Ler também pode ser uma boa brincadeira!

domingo, 16 de março de 2014

O oceano no fim do caminho [Desafio Calendário Literário]

Eu estou aqui tentando lembrar em qual mares de literatura li pela primeira vez a frase: "O menino é pai do homem.". Estou tentando resistir a tenção de consultar ao google e força a memória... Mas Deus sabe que quando tudo está a um clique de distancia tudo é mais difícil. Acho que foi Machado de Assis, desconfio que foi em "Memórias Póstumas", quase tenho certeza que no capitulo ele fez desfilar diante de meus olhos absurdados os moldes terríveis da educação das crianças da elite imperial. Mas a certeza mesmo é, independente de quem [onde e com qual proposito] tenha cunhado a expressão, ela me parece ser muito verdadeira agora.

Eu li o livro "O oceano no meio do caminho" graças ao "Desafio Calendário Literário" proposto pela Lu Tazinazo. O tema de março é "um livro que de destaque a água" e bem, basta da uma olhada na capa do livro para vim a ideia néh?!?


No entanto, a leitura de "O oceano no meio do caminho" nos leva muito menos em um passeio em uma praia ou rio e muito mais pelas nossas lembranças de infância, tantos as maravilhosas quantos as aterrorizantes. Não a toa a epigrafe já na epigrafe somos abraçados pela expressão de Maurice Sendak:
"Eu me lembro perfeitamente da minha infância.... Eu sabia de coisas terríveis. Mas tinha consciencia de que não deveria deixar que os adultos descobrissem que eu sabia. Eles ficariam horrorizados".
Há quem diga que esse livro é uma fábula, o Rafael Castro da Silva Sauro garante que é um conto de terror, alguém pode dizer que é uma história fantástica, mas eu digo que o livro é um fio, uma ponte. Ao contar a história de como um garoto viveu uma experiencia fantástica conhecendo os limites da vida e da morte Gaiman teceu um fio através do qual qualquer pessoa de boa vontade pode ser levado até as suas memórias de infância. Não foi sem choque que percebi o quanto me identifico com o garoto da história.

O menino é filho mais velho de um casal jovem que vive em uma localidade perdida em algum interior do mundo, ele é apaixonado por leitura, é um tanto curioso e intelectualmente inquieto, não tem amigos de verdade ou de mentira. A vida dele seria carente de aventuras misticas caso ele não tivesse conhecido uma garota misteriosa, Littie Hempstock, que vive em uma fazenda no fim do caminho com sua mãe e sua avó. Nessa fazenda no fim do caminho repousa um lago que a garota chama de Oceano ou um oceano que nos vemos com um formato de lago.

Como sempre, ler Neil Gaiman é um prazer difícil de explicar, me resta repetir o que já disse mil vezes. Para mim ele é como um amigo com o qual eu posso sentar no meu canto favorito do sofá agarrada com café, chá ou chimarrão para conversar longamente sobre o tudo e sobre o nada. Sinto como se ele tivesse passado parte da vida vivendo coisas semelhante as vivida por minha pessoa... Coisas como ouvir a "Canção da Criação" em Narnia; viajar com Simbad; entrar na caverna com Ali Babá; conhecer a Idade Média pelos olhos de Walter Scoot; chorar pelo Soldadinho de Chumbo e pela Pequena Sereia. Lembro de abrir o guarda-chuva do meu pai em cima da minha cama, cobrir com uma colcha, levar pequenas tralhas para dentro e ler ali... Ler Gaiman me faz sentir como se estivesse novamente nesse tipo de toca na qual não caibo mais. É maravilhoso!

Não sei se a Lu Tazinazzo escolheu a proposito, mas existe uma canção cantada pela Elis Regina chamada "Águas de Março... Nos últimos dias tem chovido em Recife e nesses dias nos quais eu venho escrevendo esse texto no meu ritmo moroso também chove... Eu só desejo que as águas de março levem a dor da infância e preparem o chão para o outono... Deixo a música fechando o post porque de certa forma, ela combina com a misteriosa família Hempstock, da qual eu não estanharia se a própria Elis tivesse uma gota de sangue.

______________

Esse post faz parte do "Desafio Calendário Literário",
proposto por Lu Tazinazzo do blog "Aceita um Leite?".


A proposito, gente, me desculpem se eu tenho falado mais que demais de livros ultimamente... e o blog ta ficando com cara de blog exclusivamente de livros... é que ultimamente eu só tenho animo de escrever sobre livros... Enfim.... Vou tentar diversificar os temas! O problema vai ser consegui kkkk

terça-feira, 11 de março de 2014

Citação 005 [Amor Carnal]

"... da mesma forma como existe mais de uma maneira de se amar uma pessoa, há mais de uma maneira de se amar um livro. A camareira acreditava no amor cortês. O ser físico de um livro era sacrossanto para ela, sua forma inseparável do conteúdo; seu dever como amante era a adoração platônica, uma tentativa nobre, mas condenada ao fracasso, de conservar para sempre o estado de castidade perfeita no qual havia deixado a livraria. A família Fadiman acreditava no amor carnal. Para nós, as palavras de um livro eram sagradas, mas o papel, o tecido, o papelão, a cola, a linha e a tinta que as continham eram um mero receptáculo, e não significava nenhum sacrilégio tratá-los de qualquer forma, como ditassem o desejo e o pragmatismo. A rispidez no uso não era sinal de desrespeito, mas de intimidade." [Anne Fadiman, Ex-libris: confissões de uma leitora comum, pg. 44].

O beijo, Rodin

Confessem, vocês acharam que eu ia citar alguma coisa saída da trilogia "Cinquenta Tons de Cinza" ou dos Sullivans da Tia Bella Andre! kkkk... Rá! Surpresa!!! Não foi... Que penaaaa... Essa vergonha alheia vocês não vão sofrer!!! Muito embora eu não me envergonhe nem um pouco de ter lido a trilogia da E. L. James e o "Quero ser seu" da Tia Bella, afinal são livros comuns.

No entanto, o mesmo não posso dizer Anne Fadiman e o delicioso, fofo, perfeito, querido e amado para todo sempre, "Ex-Libris: confissões de uma leitora comum". Ele não é mesmo um livro comum!

Lembro da ocasião na qual comprei esse livro ano passado, eu passei por ele apressada, dei uma viradinha de cabeça e vi ele lá numa banca na faculdade e ele gritou o meu nome... Eu o trouxe para a minha bagunçada estante e eis que domingo ele voltou a me chamar e cá estou eu me identificando horrores com a autora desde a primeira linha e amando ler todas as suas confissões sinceras e divertidas. É muito fácil amar esse livro e sorri lendo cada uma de suas páginas.

Ah, em tempo, confesso: "Sou uma leitora totalmente carnal. Faço dos meus livros gato e sapato!" E vocês, que tipo de leitores são?

sábado, 8 de março de 2014

Voinho e Voinha

Painho sempre foi muito apegado a mãe dele, ele é aquele tipo de homem que nunca corta o cordão umbilical. Voinha também foi aquele tipo de mulher que nunca cortou o cordão. No final das contas quando ele casou comprou uma casa bem próxima a dela e graças a isso minha infância foi marcada pela presença mais que constante de Voinha, Voinho, para o mal e para o bem também.

Os dois eram evangélicos, se converteram a uns 50 anos atrás um pouco antes ou depois de chegarem em Recife vindos do interior da Paraíba  Eles foram membros quase que fundadores da Assembléia de Deus daqui de Nova Descoberta e graças a isso eu vi e vivi experiencias curiosas dentro dessa denominação.

Tenho muitas lembranças agridoces relacionadas a essa igreja. Lembro de quando o templo era bem pequeno, lembro de como a comunidade religiosa foi crescendo... crescendo.... crescendo... Do esforço para comprar um templo maior, da aposentadoria do antigo pastor, da posse do atual, de como essa denominação foi subindo os morros, ganhando respeitabilidade dentro do bairro, da cidade, do estado, se consolidando... A história da vida de Voinho e Voinha, a minha história, se confunde com a história da presença dessa denominação aqui em Nova Descoberta.

Voinha não era muito de estudar a Bíblia, ela era muito mais de observar e criticar as hipocrisias do ministério. Crescer com uma pessoa assim me faz olhar as coisas por um angulo muito particular, eu acho. Ela nunca foi amante das aparências rutilantes, sempre preferiu fazer disso piada e chiste para desespero de Voinho, um homem severo.

Só de lembrar das discussões deles eu começo a ri sozinha. Minha avó tinha um talento nato para a tiração de onda e sempre que faço um comentário jocoso, carregado de acidez, daqueles de fazer furo em chapa de aço, Mainha diz: "Eita! É Rita mesmo! É a evolução!".

As vezes eu me pego pensando em Dona Rita... Em seu jeito de ser! Ela era insatisfeita, vivia pensando nos outros, super mandona, incompreendida pelos filhos... pelos netos... por mim... Tantas coisas que eu não sabia... tanta incompreensão... Hoje eu sei... Sinto saudades de ganhar uma sombrinha e uma "irritante" repreensão "Vê se dessa vez não perde!" no meu aniversário.

Já Voinho era um estudioso da Bíblia. Comecei a ir a Escola Dominical com ele e com ele frequentava os cultos de doutrina. Na casa dele ouvia sentada no colo as histórias da Criação, Dilúvio, Torre de Babel, Moisés, Josué, Raabe, Ana, Samuel, Saul, Raquel, Davi [como eu amei Davi, como odiei Davi, como eu me identifico com Davi], Jesus, nascimento, vida, os encontros e milagres de Jesus, a Morte e Ressurreição, Paulo.

Embora a convivência nem sempre tenha sido positiva, ou fácil, tenho lembranças muito boas de meu avô. Ele foi um homem forte, sólido. Me colocava no colo, contava as histórias e ensinava a perceber o sentido delas. Era ele que me trazia para casa no colo quando eu pegava no sono antes do fim do culto e me socorria das ignorâncias de painho... As broncas não conseguiam fazer um NÃO do meu pai virá SIM, mas me dava muito prazer ver Painho ouvindo Voinho e Voinha calado (especialmente Voinha que sempre foi mais forte com painho).

Voinho tinha uma voz possante, um orgulho danado de pertencer a uma denominação tão respeitada como a Assembléia de Deus do Recife e foi muito duro ver toda essa força de titã indo embora em cinco 5 meses de sofrimento... Havia algo de muito errado em ver Voinho em cima de uma cama como um bebê super desenvolvido...

Enfim... devo a Voinha e Voinho muito do que sou... De Voinha eu herdei o temperamento... É inegável até na chatice... A Voinho a prática de ler a Bíblia e o conhecimento de seu texto... Graças a eles cresci junto aos anciões da Igreja e isso fez toda a diferença em minha vida e na forma como organizo, interpreto e pratico o evangelho.

Falar de Voinho e Voinha no passado doí demais. Talvez eu esteja sendo egoísta, afinal todos os anciões da Igreja sabem da inevitabilidade de seu encontro definitivo com Cristo e talvez até desejem esse encontro... Eles sabem da possibilidade de ver os céus abertos, descansar das dores dessa vida, ter o um novo corpo, receber um novo nome, ver a Nova Jerusalém, onde não existe Sol porque Deus é a própria luz, andar nas ruas de ouro e cristal, comer do fruto da Árvore da Vida e esperar em Deus pelo grande dia do Juízo... Mas... sinto saudades deles.

Enfim, também eles me ensinaram que a gente não morre e sim dorme no Senhor... Voinha e Voinho não estão mortos, eles apenas dormem e não dei adeus foi mais um até logo. Nós ainda vamos nos encontrar na Eternidade!
________

P.S.: Eu escrevi esse texto há mais de um ano atrás, em 21 de outubro de 2012, de repente a saudade de Voinho e Voinha me fez lembrar dele. E eu resolvi traze-lo para cá, onde é reconfortante guardar lembranças.

terça-feira, 4 de março de 2014

Citação 004 [Você acredita no Destino?]

"Caminhe por qualquer trilha no jardim do Destino e você será instado a escolher. Não uma, mas muitas vezes.
As trilhas se bifurcam e se dividem. A cada passo você faz uma escolha, e toda escolha resulta em trilhas futuras.
No entanto, no fim de uma vida de caminhadas, você pode olhar para trás e ver apenas uma única trilha se estendendo ás suas costas; ou olhar para frente e ver apenas as trevas.
As vezes, você sonha com os caminhos de Destino e reflete sem propósito algum.
As tilhas divergem-se, ramificam-se e reconectam-se. Dizem que nem mesmo o próprio Destino realmente sabe aonde qualquer caminho há de levá-lo, para onde cada guindada ou mudança de direção apontará.
Porém, mesmo se Destino pudesse lhe dar a resposta, ele não o faria.
Destino guarda bem seus segredos.
O Jardim do Destino, você o reconheceria se pudesse vê-lo.
Afinal, há de perambular por ele até morrer.
Ou até muito depois.
Pois as trilhas são longas e, mesmo na morte, não se encerram."
[Neil Gaiman_ Estação das Brumas: um prólogo_The Sandman, Ed. Definitiva, vol. 2, p. 13]
No dia 28 de fevereiro, depois de um longo período de espera, chegou a minha casa o volume 2 da Edição Definitiva de "The Sandman", quadrinho de sucesso do querido Neil Gaiman. Meu plano secreto era ler ele inteiro durante o Carnaval.


Mas não deu! É muita coisa misturada, mitologia cristã, mitologia nórdica e algumas discussões existenciais sutis do tipo que gritam no seu ouvido coisas como: "PARE E PENSE!". Então, depois de ler "Estação das Brumas" eu cedi ao apelo e parei!


Daqui a uns seis meses volto a Sandman e descubro o que se reflete nos "Espelhos Distantes".

Destino dos Perpétuos e seu livro no qual tudo está escrito!

P.S.: Rafael, será que no Livro de Destino nosso encontro na Páscoa já foi escrito?

domingo, 2 de março de 2014

Das agitações de Fevereiro e de como conheci o "Centro Cultural Rossine Alves Couto" [Desafio 12 Lugares - 02]

Fevereiro foi um mês bem corrido para mim, pois é a época de inicio do ano letivo e para minha alegria e pena, além de enfrentar os sabores e dessabores da educação infantil, resolvi enfrentar os sabores e dessabores da docência em História. Não é que tudo seja uma grande bolha de enfado e cansaço, ambos os trabalho possuem seu lado bom, mas é que eles também cansam bastante, e irritam, e tiram a força da gente para passear em fins de semana.

Ah, mas para dizer que não falei de flores deixo algumas cenas do minha rotina na educação infantil [trabalho que mais amo no mundo].

Criatura fofa e dengosa que foi com minha cara de primeira e tem pulado em cima do meu colo em qualquer oportunidade, mas não faz parte do meu grupo e quase compensa uma das crianças do meu grupo que não vai com minha cara mesmo kkk...

"Tava chorando, mas sentei no colo da tia e parei!"

Inicio do trabalho com leitura e contação de história:


Existe coisa mais fofa que  pé de criança?


Menina mais inteligente do mundo fazendo dengo!


Vamos construir castelos?


Pois é, devido a intensidade dos trabalhos de fevereiro quase não consegui cumprir o de "Desafio 12 Lugares" e conhecer um lugar diferente esse mês. No entanto, aos 43 do segundo tempo, precisei ir ao centro do Recife no dia 28 de fevereiro [véspera do carnaval], vivi uma grande frustração, tive um ataque de choro sentido [TPM MONSTRO] e no meio do ataque de choro sentido me lembrei do desafio, respirei fundo e me peguei olhando em volta em busca de um lugar público no qual eu ainda não tivesse posto os pés. Encontrei no meio desse olha o "Centro Cultural Rossine Alves Couto" na Rua do Hospício.


Confesso que já tinha curiosidade por esse espaço, pois ele abriga o "Núcleo da Diversidade do Ministério Público de Pernambuco" e ao mesmo tempo é vizinho dos templos centrais de diversas denominações de igrejas evangélicas do Recife, as quais não são bem símbolos de tolerância a diversidade. A parte esse detalhe, no centro funciona uma biblioteca e foi ela o objeto de minha exploração.

Recife é uma cidade na qual o Carnaval é vivido livremente. Aqui a festa é de rua, congrega todo tipo de pessoa possível e imaginária e a sexta-feira [28/02/2014] foi o dia anterior ao Sábado de Zé Pereira e dia da abertura dessa festa. Ou seja, enquanto mundo chamado Recife mergulhava em um caos quente com metade das pessoas fugindo do centro e da festa e outra metade vindo para o centro e para a festa e eu mergulhando no silêncio de uma biblioteca. Terry Pratchett disse uma vez "bibliotecas são buracos negros que pensam", para mim, ele tem razão.

O "Centro Cultural Rossine Alves Couto" é um órgão ligado ao Ministério Público de Pernambuco, logo o acervo da sua biblioteca é quase totalmente voltado para a área do Direito Civil. Enquanto eu andava no meio daqueles calhamaços nos quais homens e mulheres explicam como podemos nos defender dos vilipêndios cotidianos eu esquecia da vida, da morte, do carnaval e dos problemas.

Foi terapêutico, especialmente porque lembrei que tenho direitos e me peguei com vontade de vez em sempre da uma pausa na vida e me da ao trabalho de conhecer melhor meus direitos. Afinal os livros estão lá super acessíveis a qualquer pessoa capaz de por eles se interessar, não são propriedade exclusiva dos advogados do Brasil.

 



Ah, lá também tem alguns documentos interessantes sobre a história de Pernambuco, para quem interessar possa:


E alguns poucos livros de outras áreas do conhecimento:



Acabei escolhendo folhear alguns dos livros da biblioteca e o meu preferido foi o "Titãs da Literatura", relembrando um velho exercício que eu costumava fazer nos meus anos de biblioteca escolar.


Alguns dos autores citados:


Em tempo, Rossine Alves Couto foi promotor público da cidade de Cupira, semiárido do estado de Pernambuco. Ele foi assassinado em 10 de maio de 2005, enquanto almoçava em um restaurante em frente ao fórum da cidade. Na época foram realizados vários atos públicos com o intuito de não deixar a morte brutal e precoce dele passar em brancas nuvens como é comum no Brasil, mas tenho minhas duvidas se os reais responsáveis pela morte do jovem promotor sorridente das fotos foram realmente punidos.

Infelizmente o Brasil e o brasileiro ainda tem um caminho a percorrer no sentido de fazer os direitos civis se tornarem uma realidade cotidiana. Eu não sei, porém suspeito, conhecer as leis pode fazer  pate desse caminho.