sábado, 17 de maio de 2014

Notas escritas em uma noite de sexta...

É uma noite de sexta qualquer e de repente sinto-me como em um enlevo... Não a toa me refugiei no quarto do meu irmão, abri a janela, escuto os sons da ruas e aprecio o momento degustando damasco seco.  Até mesmo meu cabelo com seu gritante excesso de comprimento está solto.

Nem mesmo lembro quando foi a ultima vez que soltei meu cabelo, talvez em outra vida. Estou feliz e felicidade não rima com rima com cabelo preso.

Se um gênio da lâmpada me aparecesse agora, eu pediria apenas uma garrafa de chá gelado sabor pêssego e bastaria isso para o momento ser perfeito.

Me vendo assim, relaxada, escrevendo esses desvarios e leseiras a toa, não se diria que ontem quase cheguei ao pânico. A greve dos PMs teve o dom de libertar o pior dentro de tantas pessoas que em um minuto o mundo pareceu ultrapassar o limite do meramente inseguro...

Quando o pânico ultrapassou o limite do imaginável eu estava na escola na qual trabalho pela manhã e vi pais e mães chegarem um após outro, desesperados e alarmados, para levarem seus filhos e filhas para casa.

Quase liguei para o meu pai ou para algum de meus tios. Não o fiz. Não sou criança. Simplesmente me obriguei a pegar minhas coisas e ir para meu próximo destino: a creche. Chegando lá tratei de convidar os responsáveis pelas crianças para pega-las mais cedo... No final da tarde, enquanto providenciava o jantar das crianças cujos pais são costumeiros retardatários, invejei a sorte delas... Talvez não seja de todo ruim ser responsabilidade de alguém vez ou outra, ter alguém para providenciar jantar e segurança.

Enquanto escrevia essas linhas o relógio me contou da passagem da sexta para o sábado, meu irmão me expulsou do quarto dele e eu me abriguei na sala na qual gozo da companhia do gato e da cachorra irritante e tudo isso parece está bem longe... Mesmo não estando...

Claro que não está. Violência e medo nunca estão longe, não nesse mundo ou nessa vida. Nem por isso coisas boas deixam de ocorrer...

Ontem uma companheira de virtualidade me convidou para participar de um projeto adorável dela. Hoje pela manhã tive um sonho maravilhoso com uma amiga minha, estávamos na Grécia. Uma notificação do celular me avisou que o pequeno presente enviado a um amigo chegou, parece que ele gostou. Descobri que perdi alguns quilos e as saias que não mais cabiam em mim voltaram a entrar e, pelo prazer da incoerência, resolvi fazer pizza para comemorar. Enquanto o cheiro do queijo com orégano se alastrava pela casa, ouvi meu irmão ler um conto de Allan Poe.

Há qualquer coisa de reconfortante em ouvir meu irmão lendo em voz alta. Aliás, não só lendo, mas modelando. Na quarta-feira, ele voltou depois de um longo tempo a moldar o velho monte de massa de abandonado por meses.

A arte de meu irmão não é de uma beleza clássica, nem sempre, quase nunca, ele retrata coisas doces, mas me passou pelo corpo todo uma sensação agradável ao ver um dos trabalhos dele finalizado... Na sexta havia outro e hoje a tarde me peguei levantando a cabeça por cima do livro que lia e vendo ele moldar... Há algo certo numa cena na qual eu apareço lendo qualquer coisa enquanto ele molda... Vez ou outra falamos alguma coisa um com o outro enquanto cada um faz o que gosta de fazer...

A vida segue... e eu poderia ficar aqui muito tempo mais...

Poderia contar como foi finalmente tomar meu primeiro porre... De como fiquei bêbada de wiski e simplesmente amei a sensação da embriaguez...
Poderia falar das desventuras e venturas do ensino de história, de como ganhei um rato de borracha, um desenho da Sailor Moon e uma bolada que doeu fisicamente, mas sobretudo moralmente, no meio da aula de geografia.
Poderia contar como não me imagino não trabalhando como educadora infantil, das minhas estagiarias ótimas e do andamento das contações de história.
Ou ainda de minhas ultimas leituras, dos planos para o futuro, dos sonhos, do amor platônico que, graças a Deus ou não, morre a cada dia...

Poderia escrever muito mais... se... somente se... eu não tivesse que ir trabalhar amanhã....

Ninguém deveria ser obrigado a trabalha no sábado pela manhã, todavia não me sinto tão infeliz com essa possibilidade. Estou em paz, ainda que momentaneamente...

Acho que vou guardar alguns desses damascos para amanhã, deixar todas as reticências exatamente onde estão e, como o gênio da lâmpada não apareceu até a presente hora, vou dormir sem meu chá gelado mesmo, amanhã talvez eu mesma me dê essa dádiva...

Aos que chegaram até aqui nesses devaneios, deixo minha gratidão e cumprimentos...
Até nosso próximo encontro amigos!

7 comentários:

  1. Gostei de acompanhar teus pensamentes transformando-se nesses devaneios bem escritos. Que bom quando está meio pra baixo, ter a companhia do irmão, ouvi-lo, velo moldar... E tomara que o príncipe encantado chegue, mas só se for pra te fazer feliz e isso pode vir até de um chá bem geladinho!! Lindo domingo,ótima semana,beijos,chica

    ResponderExcluir
  2. Esse post foi tão doce e gostoso de ler. Gosto de ver você assim, leve, plácida, contente e poética.
    Que a paz se mantenha em você!

    Um abraço.

    Sacudindo Palavras

    ResponderExcluir
  3. Eu não vivi aquilo que Pernambuco viveu - um sentimento semelhante assolou São Paulo na "tomada do PCC" anos atrás -, porém, compreendo o pânico. Fiquei triste, desolada, revoltada, magoada e cheia de sentimentos infelizes ao ver os relados do que aconteceu em PE pela internet. Me senti pessoalmente atingida, nem sei explicar porquê.

    Seu relato é, pra mim, um dos maiores retratos do que é viver no Brasil: engolir o sapo e seguir em frente. A gente não só tenta, mas precisa, NECESSITA, buscar coisas boas, mesmo que mínimas, ao nosso redor, senão, é uma onda de negatividade tão grande que eu não sei se aguentaria. Eu perdi a fé na humanidade na sexta-feira mais uma vez, mas acho que não perdi a fé em mim mesma, e espero que outras pessoas de bem também se sintam assim. Espero que, um dia, a gente consiga se libertar desse carnaval de horrores e encontrar nosso lugar ao sol.

    ResponderExcluir
  4. Registrar o dia a dia é não deixar que a memória apague nossas sensações e vivências. Gosto muito disto e ler o que você escreveu é como se estivéssemos espiando pelo buraco da fechadura.

    ResponderExcluir
  5. O que a gente comenta depois de um post desses? Vivemos em um país estranho, as coisas parecem simplesmente ignorar qualquer ordem ou ação lógica, de uma forma ou de outra acabamos sabotando a nós mesmos. Gostei da forma como delineou seu pensamento, eu tenho tido uma tendência recente à fantasiar, isso é uma boa válvula de escape, mas é perigoso ficar retido à elas, acho que preciso olhar mais "em volta".

    Não sei, acho que e reconheci ali em um trecho, se sim, bom gostei muito, agrado que a gente não espera faz um bem danado, ainda mais em um dia tenso como foi sexta. Muito obrigado, mesmo ;)

    ResponderExcluir
  6. Oi, Pandora!!
    Acho que você devia comer damascos toda noite, se foram eles que trouxeram a inspiração gostosa desse post!
    Adorei sua crônica do cotidiano!
    :)
    Beijus,

    ResponderExcluir
  7. Eu gostaria de saber da história do rato de borracha rsss te deram um susto com ele foi? Tô vendo que vc começou a ler a Meg Cabot. Estou com inveja de vc, pois tenho tantos livros emas nenhum parece tão bom como essa série rss. beijos!

    ResponderExcluir

Esse blog não representa um exercício de escrita, ele é um exercício de memória, de lembranças e esquecimentos. Funciona como uma caixa onde guardo coisas, sinta-se livre para comentar, mas saiba: comentários sem relação com o post serão excluídos por respeito a quem comenta de verdade.