domingo, 16 de junho de 2013

IDENTIDADE de Educadora

Depois de finalmente terminar de escrever a dissertação, voltei para a trabalhar na creche e as minhas funções como Auxiliar do Desenvolvimento Infantil. Consequentemente voltei a me deparar com os velhos dilemas e lutas de minha categoria. Em meio a esse momento de voltar a respirar os ares da creche encontrei o blog  "Bélgica Soares: Mais uma educadora que acredita no Brasil" e esse texto dela revela nosso atual momento com a prefeitura e nós mesmas tão bem que pedi a ela para publica-lo aqui para começar bem a semana.

Em busca da minha I-D-E-N-T-I-D-A-D-E de Educadora
Por educadora Bélgica Soares

Estes dias de luta pelo RECONHECIMENTO PEDAGÓGICO do ADI, do qual venho sempre trazendo alguns artigos aqui e na minha página do Face, me passou uma pergunta pela cabeça…

Você acha este trabalho:


Igual a este?


A prefeitura da cidade do Recife acha!

Não está entendendo? Eu explico.

Em 2006 a PCR abriu um concurso público com 500 vagas para a criação do cargo de ADI – os AUXILIARES DE DESENVOLVIMENTO INFANTIL – que teriam entre suas atribuições trabalhar nas salas de aula das Creches e CEMEI’s desta cidade. Até ai, tudo estaria bem, se não fosse pelo enquadramento que eles deram a estes profissionais : ADMINISTRATIVOS. Você acredita? Eu também não. Estes profissionais que estão em salas de aula há quase 7 anos NÃO SÃO RECONHECIDOS pelo seu trabalho pedagógico.

É bem verdade que este cargo surge pra cobrir um déficit na Educação Infantil, que diga-se de passagem foi resolvido (em partes), pois eles dão continuidade ao trabalho educacional quando há ausência dos professores, seja pelas inúmeras licenças médicas, férias de julho – chamada carinhosamente de “recesso escolar” – para planejamento, reuniões, assembleias, etc… O mais chocante é a carga horária que estes profissionais cumprem: de 40 horas semanais… Normalmente, qualquer um diria: “mas tem professor que dá aula em 2 ou 3 lugares diferentes“; e eu diria: “certo“… Tudo certo, se não fosse a diferença salarial. Um professor de Creche recebe nesta mesma instituição, um salário de R$1.213,61 – por 29 horas semanais, enquanto um ADI recebe R$746,39 por 40 horas semanais trabalhadas. Ficou chocado? Então, some a isso tudo um trabalho em que você está sentado o dia todo no chão, pois as salas de Educação Infantil não possuem cadeiras nem mesas, dando banho em 15 crianças em banheiros ainda não adequados, em prédios adaptados, sem ventiladores ou material suficiente, sentando e levantando umas 40 vezes por dia, ufa… Cansou? Eu cansei só de lembrar (rsrsrsrsrs)

Muitos questionamentos vem sendo levantados em relação ao nosso trabalho, até ouvi de alguém que o que fazemos não é educacional pois, dar banho, alimentar e cuidar de forma mais geral é administrar o tempo… Não acredito que num país que diz tanto valorizar a educação, de discursos que falam em período de eleições sobre a importância de espaços educacionais e valorização dos profissionais de educação alguém ainda acredite neste tipo de argumento… Fico mesmo sem resposta, pois é a mesma coisa de dizer que Creche é essencial pois, sem ela as crianças não comem (justificativa usada na idade média), será preciso dar uma aula pedagógica a estas pessoas pra que elas entendam que Creche deixou de ser assistencial e passou a ser educacional, há muito tempo? Afinal, o cuidar e o educar são entendidas pela própria LDB como indissociáveis no trabalho pedagógico.

Diante de tudo isso, é muito fácil pra mim responder a você leitor o porquê de mesmo depois de tudo que descrevi, depois de quase sete anos, um problema de coluna e muitas decepções com gestores – professores e sociedade que não valorizam este lindo trabalho que desenvolvemos eu ainda continuo exercendo esta função. Por que eu acredito no trabalho que desenvolvo todos os dias ao lado dos meus companheiros, crianças e famílias do CEMEI que estou lotada. EU AMO MEU TRABALHO, mas eu aceito um salário digno e condições melhores, e você…

Qual a sua opinião?



___________________
Texto originalmente publicado  nesse link 

10 comentários:

  1. Problemas existem aos montes, falta de interesse do governo, aos montes igualmente. Por isso, cada vez mais tiro o chapéu pra pessoas dedicadas assim. Parabéns pra vocês! beijos,chica

    ResponderExcluir
  2. Eis mais uma situação absurda da educação brasileira. Nem há o que comentar.

    ResponderExcluir
  3. Primeiro, parabéns pela sua dedicação, seu trabalho.
    Não tenho nem ideia como é aqui em São Paulo.
    Choquei e fiquei cansada só de pensar na rotina. Lembrei de uma amiga que no aniversário do filho fez uma homenagem a todas as educadoras da creche onde ficava o filho. Arrancou lágrimas: "a todas vocês que ensinaram meu filho cada palavra, a sair das fraldas, estimularam seu paladar, seu vocabulário...'
    Vocês são essenciais nesta fase tão primorosa da vida!
    Beijo

    ResponderExcluir
  4. Oi Pandora,
    estive aqui mais cedo mas a bateria acabou.Tô voltando pra reafirmar minha indignação com os desvarios e descasos aos quais os profissionais da educação neste país são submetidos, com destaque para os profissionais crecheiros(as) que além da imensa dedicação e pouco reconhecimento, ainda são desvalorizados qualitativamente, quando são eles, os profissionais que mais lidam e acompanham o desenvolvimento das crianças sob seus cuidados.
    Um estado de absurdos, esta categorização administrativa,pois isto é o que estes profissionais jamais foram ou serão.
    Aja paciência!

    Uma boa semana aí.
    Bjo,
    Calu

    ResponderExcluir
  5. Olha, é tudo tão absurdo em se tratando da educação que dá até um desânimo. Tenho esperanças que um dia tudo isso reverta e tudo volte ou seja, tudo se torne valoroso como tem que ser.
    Lamento muito o que os professores, educadores e todos ligados à educação de alguma forma.

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. Eu fico triste por demais com o descaso com que o professor é tratado aqui no Brasil, aliás, com o descaso a tudo que diz respeito a educação.
    É triste não ter um profissional tão importante assim valorizado, são professores, responsáveis pelo futuro de uma nação.. e se eles não forem valorizados, se não forem tratados com o devido respeito o que restará para nossos filhos e netos?
    Salários baixos, escolas sucateadas, falta de valorização, incentivo, profissionais da educação doentes, abandonados, desrespeitados em sala de aula.
    Preocupante.

    Parabéns minha linda, pela dedicação, pelo amor..
    E que em um futuro muito próximo essa situação possa mudar, só assim o nosso país mudará também..

    Um super beijo e uma semana abençoada viu?

    ResponderExcluir
  7. Nossa, sinceramente, admiro demais quem tem coragem de participar da formação de uma criança! Nas condições citadas, então, é um herói! Nosso país ainda tem muito a corrigir nessa área...

    ResponderExcluir
  8. Oi Pandora
    No Brasil a educação nunca foi valorizada e os educadores são desrespeitados. ÉFico indignada com governantes corruptos que usam a desculpa que o Profissional ADI não é educador. Então quem é? Eles? Eles passaram por todas as fases de escolarização incluindo os cuidados educacionais oferecidos pelos profissionais ADI. O que levaram desse aprendizado? Nada
    Hoje tratam os profissionais da educação como se fossem escória, lixo. Uma parcela insignificante da sociedade. É minha amiga, estamos à mercê desses corruptos que usam desculpas esfarrafadas quando o tema é educação e os profissionais engajados na arte de ensinar.
    Beijos e boa semana

    ResponderExcluir
  9. Tem pessoas que escolhem trabalhar pelo salário, é o meu caso. E tem pessoas como você que escolhem o trabalho como um ideal, como uma realização. Deve ser muito bom trabalhar com o que gosta, muitas vezes tenho vontade de tentar isso. Quem sabe depois que me aposentar?

    Beijocas

    ResponderExcluir
  10. A situação é lastimável e situações como esta se repetem em todo o país. Temos a nossa parcela de culpa porque continuamos a eleger políticos profissionais, demagógicos e que somente se preocupam com a população no momento de pedir o nosso voto.

    ResponderExcluir

Esse blog não representa um exercício de escrita, ele é um exercício de memória, de lembranças e esquecimentos. Funciona como uma caixa onde guardo coisas, sinta-se livre para comentar, mas saiba: comentários sem relação com o post serão excluídos por respeito a quem comenta de verdade.