quinta-feira, 6 de junho de 2013

Divindades da mitologia "indígena" "brasileira"

Um dos meus interesses de vida é conhecer um pouco mais sobre diferentes mitologias e em especial as mitologias nascidas aqui no Brasil. Tanto as derivadas do contato entre "índios", europeus e africanos, tanto as dos três povos separadamente.

Abri esse post para divulgar algo que vi sobre a mitologia indígena, não creio que exista apenas uma mitologia "indígena", aliás mesmo o nome "indígena" é discutível em minha opinião. Acho que chamar de índios os povos que habitavam o território conhecido hoje como Brasil um tanto inadequado, um amigo meu disse que na Argentina os povos nativos preferem o nome "primeiros habitantes", eu acho isso mais digno.

Enfim, voltando ao foco, a questão é que as mitologias indígenas brasileiros padecem de uma infantilização terrível. Os primeiros habitantes do Brasil tem sido constantemente representados como crianças e seu conjunto mitológico descrito como coisa quase infantil.

Como, além de professora de ser história, tenho um nome que faz referencia a um mito indígena vem lá vem cá estou procurando informações sobre essa mitologia. Fiquei feliz quando a um tempo atrás fiquei encontrei uma imagem na qual algumas divindades indígenas brasileiras apareciam adultas, pensei: "Uau, eles cresceram!" E postei sobre isso em outro blog, o blog acabou decidi repostar aqui.


Eles cresceram...


Tupã é o autor do trovão e dos relâmpagos, sendo o criador do raio, tal onipresença celeste confere a este um poder significativo na mitologia Tupinambá.

JACI, a formosa deusa Jaci, a Lua, a Rainha da Noite que traz suavidade e encanto para a vida dos homens.

No início de todas as coisas, Tupã criou o infinito cheio de beleza e perfeição. Povoou de seres luminosos o vasto céu e as alturas celestes, onde está seu reino. Criou então, a formosa deusa Jaci, a Lua, para ser a Rainha da Noite e trazer suavidade e encanto para a vida dos homens. Mais tarde, ele mesmo sucumbe ao seu feitiço e a toma como esposa. Jaci era irmã de Iara, a deusa dos lagos serenos.

Guaraci ou Quaraci na mitologia tupi-guarani é a representação ou deidade do Sol, às vezes compreendido como aquele que dá a vida e criador de todos os seres vivos, tal qual o sol é importante nos processos biológicos. Também conhecido como Coaraci. É identificado com o deus hindu Brahma e com o egípcio Osíris.

Yorixiriamori - Esse deus deixava as mulheres encantadas com seu canto,o que despertou a inveja nos homens,que tentaram matá-lo. O deus fugiu sob a forma de um pássaro. É um personagem do mito “A Árvore Cantante”, dos Ianomâmis. Essa árvore desapareceu depois da fuga da divindade.

Anhangá - Deus do inferno e inimigo de Tupã.Pode se transformar em vários animais, e quando aparece para alguém, é sinal de má-sorte.

Ceuci - Deusa protetora das lavouras e das moradias, seu filho Jurupari, mesmo nome de um peixe brasileiro, nasceu do fruto da Cucura-purumã, árvore que simboliza o bem e o mal na mitologia Tupi-guarani.

Akuanduba - Divindade dos índios araras, tocava a sua flauta para por ordem no mundo.

Wanadi - Deus dos iecuanas,ele criou três seres para gerarem o mundo. Os dois primeiros cometeram um erro, e criaram uma criatura defeituosa,que representa os males do mundo. O terceiro concluiu o ato da criação.

Yebá Bëló - Conhecida também como “A mulher que apareceu do nada”, é uma divindade do mito de criação dos índios dessanas.Segundo eles,os seres humanos surgiram das folhas de coca(ipadu), que ela mascava.
_________

P.S.: Publiquei esse post no EmQuantos, na época uma moça chamada  Marina M. M. fez um comentário super interessante, tentei acha-la para pedi permissão a ela para postar o comentário... Marina se você aparecer por aqui saiba que ainda quero publicar seu comentário.

A proposito, sem querer me gabar e já me gabando, parabéns para mim que tenho a Lua no nome 
\o/


21 comentários:

  1. Muito interessante a postagem... tenho um interesse muito grande por mitologia e pelos valores que elas desenvolvem.

    ResponderExcluir
  2. Uma postagem linda, mostrando uma mitologia que creio poucos conhecem e de grande valor.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Duas coisas: 1 conheço uma rua chamada Jurupari e 2 é interessante a ligação entre as deusas da lua e dos lagos. A água possui uma ligação especial com a lua, e me parece que os povos que creem em Jaci e sua irma devem ter percebido isso. Falo por causa do fenomeno das marés que é influenciado pela lua. (talvez vc ja saiba, mas tive que bancar a bibliotecária, gosto muito desse meu cargo kkkkk)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Aleska aqui nós gostamos de pessoas que complementam o post!!!

      Excluir
  4. Ahhh eu adorei essa postagem.

    Super interessante! Respeitar a cultura de um povo, principalmente aqueles que primeiro habitaram o território brasileiro, é fundamental.

    Beijos

    Selma

    ResponderExcluir
  5. Oi minha linda.. menina.. quanta coisa perdi..
    Vou voltar a noite pra colocar minha leitura em dia..
    Comecei a olhar aquele post do que fazer antes dos 25... fiquei curiosa.. srrs

    Beijinhos e até mais tarde..

    ResponderExcluir
  6. Achei interessante, conhecia alguns - como Jaci e Tupã, por exemplo, - mas os outros me são novidades. Eu acho que deveriam ser mais conhecidos os deuses de povos que não são tão estudados - que me lembre na escola ficamos nos guaranis e tupis, os demais apenas os marcamos em um mapa, mas estudar sobre eles nada.

    ResponderExcluir
  7. Sou bem interessado em lendas urbanas, contudo, todas as mitologias são interessantes e possuem suas similaridades.
    Não imaginei que os nativos cressem em inferno como os cristãos, isto foi novidade para mim.
    Este post é uma aula de História.

    ResponderExcluir
  8. olá! Christian, o inferno indigena é similar ao grego, apenas o estado de espirito que se encontra após a morte. Quando Leonidas diz aos seus 300 que nesta noite eles jantariam no inferno, na verdade no Hades, ele sabia que todos iriam morrer. no caso do deus indigena aparecer aos demais ser sinal de má sorte é só o fato de não ser nada agradável ter um encontro com a morte, mesmo que apenas um esbarrão.

    Naldo Costa

    ResponderExcluir
  9. Excelente matéria!

    Há um bom tempo queria conhecer as divindades que o povo original destas terras cultuam.
    Só é triste saber que tal riqueza encontra-se tão esquecida pelos "brasileiros"...

    ResponderExcluir
  10. Oi,o meu meu nome eu estou tentando escrever um livro justamente sobre os deuses indígenas,e queria saber mais sobre as histórias do meu povo(eu sou descendente de índio por parte de mae,por parte de pai eu sou descendente de europeu)voce pode publicar mais sobre o assunto?Obrigada!
    Ana Rosa,uma pré-adolecente muuuuuuuuuuito curiosa!(kkk até rimou!)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Ana Rosa!!! Fiquei tão feliz com seu comentário, com seu interesse. História indígena não é bem minha especialidade, mas também tenho não só o nome - Jaci - como muito sangue indígena. Vou pesquisar para trazer informações aqui especialmente para você!!!

      Excluir
  11. Ola Pandora vc tem algum material comparando os deuses indiginas e os deuses do hinduismo? Grata querida

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Infelizmente não tenho Bia. Eu sou até fã dessas mitologias, mas nunca produzir nenhum material comparando-os ou tive noticia da existência...

      Excluir
  12. oii,achei mt interessante,e queria saber se vc tem algo sobre mitos de diferentes povos indígenas sobre o dia a noite e as estacoes do ano..? obg flor :)

    ResponderExcluir
  13. Muito rico o post... São as NOSSAS histórias...

    ResponderExcluir
  14. Já que temos um Panteão Mitológico, quais seriam os Dias da Semana e as Fases da Lua nesta linha cultural?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vou procurar saber. Se descobrir ou quando descobrir, conto aqui! Mas, aviso: pode demorar uma vida!

      Excluir
  15. achei interessante mas,tem uma palavra q talvez esteja errada IARA não e com Y YARA.

    ResponderExcluir
  16. Queria saber quem é o autor das ilustrações =/

    ResponderExcluir

Esse blog não representa um exercício de escrita, ele é um exercício de memória, de lembranças e esquecimentos. Funciona como uma caixa onde guardo coisas, sinta-se livre para comentar, mas saiba: comentários sem relação com o post serão excluídos por respeito a quem comenta de verdade.