quinta-feira, 8 de novembro de 2012

BookCrossing Blogueiro e o desafio de libertar livros...


É estranho para uma leitora que passou todos os seus dias de adolescente sonhando em poder comprar seus livros preferidos, para poder ler cada um deles quando vier a vontade, pensar que a sua estante pode ser uma prisão para um bom livro.

Mas, mesmo a minha estante na qual guardo com orgulho enorme meus livros queridos pode funcionar como uma prisão quando passo anos sem abrir aquele livro... Poxa eu o amo, mas quanto tempo faz que nem pego nele... Será que um dia chegarei a pegar novamente nele?

E aqueles que ainda não cheguei a ler? Desde que comecei a trabalhar, e isso não faz tanto tempo assim, meros oito anos, essa pilha só fez crescer, está enorme... Será mesmo que um dia chegarei a ler aquele livro que tem uma lombada linda, foi escrito por um autor famoso, mas foi comprado em 2007 e desde então está encalhado pela iminência das leituras urgentes?

Bem, não sei se vou chegar a reler aquele livro ou se vou um dia conseguir ler os livros comprados a alguns anos... Pode ser que sim, pode ser que não... Há quem diga que nunca chegaremos a ler todos os livros que adquirimos ao longo da vida.

Nesse contexto se tornou para mim importante enfrentar o desafio da Luma e libertar livros. E não só nos dias de BookCrossing, mas ao longo do ano. Não quero que minha estante se torne uma prisão em potencial, mas claro que essa ocasião é a liberação é a mais especial do ano é O EVENTO.

Então esse ano acabei decidindo e conseguindo liberar mais de um livro!!!

Para um amigo querido escolhi deixar ir a minha edição de "Frankenstein de Mary Shelley". Li esse livro por indicação indireta do Sahge em 2010 e tenho associada a essa história uma coleção de reflexões. Recentemente ele foi lido por meu irmão caçula, para confecção de um trabalho acadêmico, e lá venho mais um conjunto de reflexões e especulações sobre a possível homossexualidade de um dos personagens#Trolls

O rapaz para quem vou ofertar o livro me lembra muito o Sahge e é jovem como era a Mary (olha a intimidade) quando escreveu o livro e tão intelectivo quanto ela. Acho que os dois vão se dar bem. #Oremos

O segundo já foi para Josélia, "O livro dos Jogos Bíblicos" feito para dar suporte as aulas da Escola Dominical. Como desde de Abril do ano passado eu não sou mais professora não tem sentido deixar esse livro encalhado aqui. Pode ser mais útil com ela.

Também para a turma da Escola Dominical vai o "Os maravilhosos anos da Adolescência", um livro voltado para as pessoas que se aventuram a trabalhar com adolescentes na EBD, mesmo não tendo uma formação especifica para isso. Ele me ajudou muito, espero que ajude a atual professora.

O quarto foi o Assombrações do Recife Velho, e já está a caminho da Marina do Devaneios e Desvarios, vencedora do sorteio da Blogagem Coletiva Lendas Urbanas do Escritos Lisérgicos.

Também vou separar um para deixar em um local público como é de praxe, mas ainda não sei qual!!! Talvez libere a "Branca de Neve e o Caçador", livro que veio da parceria com a Saleta de Leitura. Ele faz referencia a um filme, tem uma atriz famosa na capa e a Série Crepúsculo esta ai chegando ao fim, logo ele corre o sério risco de chamar atenção de potenciais leitores.



29 comentários:

  1. Eu acredito que esta escolha que fez para liberar em público terá muitos leitores em potencial.
    Dos meus livros (meus, não inclui a biblioteca do meu pai) eu tenho certeza de que todos os futuramente comprados serão lidos, visto que não sou de desperdícios e só compro o que pretendo realmente ler. Por mais que o livro não corresponda às minhas expectativas, dou chance ao autor (a) e vou até o final, na esperança de que me surpreenda.
    Nem sempre isto acontece.
    O único livro que lembro claramente de não ter lido e que não lembro como foi parar comigo (tenho certeza que não cometi a sandice de comprá-lo) era um romance denominado O Dilema de Luciana. Aquele lá, por mais que eu tenha tentado, não deu.
    Meus muitos parabéns por conseguir liberar tantos livros e pelo desapego aos mesmos. Eu não tenho todo este desapego assim. rs.

    => CLIQUE => ESCRITOS LISÉRGICOS...

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Christian, meu querido, eu também já tive essa ilusão, que conseguiria ler todos os livros da minha lista, mas esse tempo passou kkk...

      Eu também sou contra o desperdício e acredite não sou de abandonar leituras, mas quem gosta de ler sempre acaba se excedendo aqui e ali e aquele livro que li a cinco anos atrás e que simplesmente adoro de repente pode fazer a festa de outra pessoa hoje então porque vou deixar ele encalhado... E ainda tem os infantis... e os acadêmicos... e... e... são tantos que quando eu comecei a trabalha eu nunca pensei que poderiam chegar a isso.

      Excluir
    2. Não é ilusão, eu sou meio avarento, leio SEMPRE que compro! Não tenho um livro sequer que tenha comprado com meu próprio dinheiro que não tenha lido.

      Excluir
    3. Eu também já fui assim um dia. Espero que você continue sendo sempre!!!

      Excluir
  2. Sabe que, principalmente nas primeiras edições, me questionei da mesma forma: lutei e demorei tanto para comprar meus livros, não seria tão facilmente que abriria mão deles. Mas a causa é mais que nobre e vale a pena a dor que sempre vem #dramático.

    Desta vez também consegui libertar mais de um, foi bacana, me senti bem. Mal posso esperar pela próxima ;)

    ResponderExcluir
  3. Pandora, ainda não liberei nenhum livro, nem pensei em qual será...Não gosto da ideia, embora saiba de sua importância. Livro é muito caro, tanta gente gosta de ler e não tem acesso a eles, não pode frequentar uma biblioteca pública e se beneficiar, enfim, é preciso mesmo que circulemos com os nossos.
    Vou ver agora de qual livro disporei.
    Beijo!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa sorte com sua escolha Lucia! Realmente quanto mais o livro circula melhor é para todo mundo.

      Excluir
  4. Pan, também vou libertar mais de um, mas vou deixar ao léo mesmo, rs Sábado devo colocar o post.
    bjs
    Jussara

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jussara, apesar de ter escolhido oferecer a algumas pessoas acho que nada é tão bom quanto deixar o livro ao léo e ficar imaginando o que será feito dele. Não abro mão desse prazer.

      Excluir
  5. Como nosso parceiro Christian,não consigo me desapegar tanto assim a ponto de liberar muitos livros. Compro os livros que sei que vou ler, e gosto de reler os que já tenho. Estou pensando em liberar um, "ao léu", mas ainda não escolhi qual.
    Acho legal essa ideia.
    Abraços!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marina nem sempre eu fui assim desapegada. #Confesso E eu também compro os livros que tenciono ler, o problema é que a vida é atropelada demais e a intensão se perde e volta... enfim...

      Também gosto de reler os que já tenho... mas desapegar é preciso, cada vez mais eu penso nisso...

      Excluir
    2. i Pandora eu comentei mas foi prum tal de ask me.

      Excluir
    3. Oxe!!! Com assim Aleska?!?!?

      Excluir
    4. Oxe, vc jogou o comentário no negocio de perguntas que eu coloquei ali na lateral. kkk Acabei de receber. Foi esse o comentário:

      Eu tenho alguns livros aqui há anos que não liberto pq acho que vou ler algum dia. Já me desfiz de muitos assim, mas sempre é dificil. O legal é ver a reação de certas pessoas quando ganham um livro sem que precisem dar nada em troca. Fiquei super feliz de saber que uma menininha chamada Laís adorou ganhar A cadeira de prata, principalmente porque ela mora num lugar bem pobre. Dá aquela ilusão de "estou fazendo a diferença na vida de alguém".

      Excluir
    5. E sim, você está fazendo a diferença na vida de alguém. E talvez nem saiba o quanto.

      Quando eu era criança li Ivanhoé, Simbad, Soldadinho de Chumbo e outros clássicos da literatura universal porque o patrão da minha vizinha resolveu doar os livros para ela, como os filhos dela não costumavam ler ela me emprestava nas férias escolares e durante a greve. Esse homem fez a diferença em minha vida sem me conhecer.

      Excluir
    6. espero que ela faça mestrado como vc rss aí me sentirei bem orgulhosa XP

      Excluir
  6. Já te disse que "liberar" livros é para os fortes, né?
    Acho que eu nunca alcançarei esse grau de bondade... hahahaha.
    Aliás, agradeço pelos mimos, livros e revistas maravilhosas que você me mandou. Você é uma linda!

    Sacudindo Palavras

    ResponderExcluir
  7. Lendo os comentários, lembrei de como eu era em um passado recente; apegada e ciumenta com meus livros. Lógico que foi durante um processo de perda - daí quando você perde quem você mais ama, enxerga a vida como um momento de partilhar as coisas boas que você tem. Eu ganhei muito partilhando. Vejo alegria!
    Os livros sempre foram caros e no passado eles também eram escassos e por isso quem tinha uma grande biblioteca, a passava de uma geração para outra. O que não é o caso atualmente, até porque o estilo de vida mudou e ter uma biblioteca em casa pode funcionar como iscas para doenças.
    A minha mãe tinha a teoria de que os poetas morriam de tuberculose por causa do mofo e bactérias que impregnavam os livros. Eu não descarto essa ideia, pois você já sentiu o cheiro de um livro quando fica muito tempo guardado?
    Pandora, foi uma conquista você conseguir praticar o desapego, pode ter certeza!! Pois irá beneficiar muitas pessoas!
    Beijus,

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Luma, lembro que você me falou um pouquinho a respeito dessa sua experiencia e esse pequeno dialogo me levou a algumas reflexões... Comecei desde então a exercitar o desapego com mais e mais afinco.

      Sempre gostei de incentivar a leitura, sempre gostei de ver as pessoas em torno de mim começarem a curti a leitura então aprender a partilhar meus livros tem dado continuidade a meu habito antigo.

      Excluir
  8. Os livros que eu gosto (a maioria) são como filhos, e filhos a gente não empresta, nem muito menos dá rs. A não ser os que eu não gosto ou tenho repetido. Esses eu troco ou dou. Acho super válida a proposta, mas não é pra mim e não me sinto melhor nem pior do que ninguém por isso. Existem muitas formas de ajudar e de fazer a diferença na vida das pessoas. :)
    Parabéns aos que participaram.
    Beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Realmente Nadia, existe muitas formas de ajudar e nos comprometer com um projeto de sociedade mais justo e não participar de uma ou outra ação não faz de ninguém pior, assim como participar não nos torna melhores que ninguém.

      Ah, também tenho uma relação quase paternal com certos livros, olho para eles e enxergo mais que objetos culturais... Neles estão guardadas memórias, sonhos, sorrisos, lágrimas.

      Não seria capaz de me desfazer da minha edição de "Morro dos Ventos Uivantes", "Os três mosqueteiros", "Jantar no restaurante da Saudade" ou "O livros das coisas perdidas" esses talvez fiquem para algum sobrinho, filho ou derivativos porque acho que só a morte me separará deles.

      Excluir
  9. Então... eu li sobre lá no blog da Luma Rosa e, desde então, estou de olho na estante pra ver qual do livros vai ser libertado...

    Confesso que, ainda não sou boa no desapego, mas olhando pra eles ali, parados como soldados em fila, fico imaginando que, se eles pudessem escolher, gostariam de ir para a batalha de se fazerem ler.

    Livro fica bonito na estante, mas ao mesmo tempo é como um coração que a gente preserva de sofrer, não amando.

    Um livro na estante não está realizando a missão para a qual nasceu...

    E tem algo de triste nisso :(

    ResponderExcluir
  10. E só pra constar:

    Como eu coleciono dvds e personagens de filmes, inclusive algum livros que viraram filme ou vice e versa, fiquei cobiçando esses aí...O da Branca de Neve e o Caçador eu não conhecia :)

    ResponderExcluir
  11. Pandora quantos livros.. "Frankenstein de Mary Shelley" eu acho que adoraria ler.. sempre gostei dessa história, apesar de achar muito trágica..
    Vou te contar uma coisa, quando eu vi o comentário da Luma no face eu não fazia ideia do que era esse projeto,tanto que fui correndo no blog dela me inteirar do assunto..
    Achei meio que um conto sabe.. daqueles onde você vai escrever uma história com um final feliz srsr
    Viajei né? rsrs
    Mas é verdade.. enquanto eu escrevia o bilhetinho, eu imaginei a cara de surpresa de quem estaria lendo.. achar assim um presente na rua.. com dedicatória e tudo..
    A pessoa teria que estar na hora certa e no lugar certo.. seria pra ela.. somente pra ela.. e foi doado com muito carinho.. e espero que a pessoa que o tenha encontrado se sinta especial ao te-lo em mãos..
    Se tem uma coisa que damos muito valor lá em casa são nos livros.. porque de uma forma linda nos transportam para épocas e lugares únicos.. e isso é muito gostoso..

    A sensação foi maravilhosa..
    Quero muito participar das próximas..srsr

    Um beijo minha linda e uma semana encantadora..

    Sheila

    ResponderExcluir
  12. Oi Jaci a mim sempre é um prazer, esse ano é o 3ºano, como vc, mesmo disse na Literatura. Amo ler e quantos mais pessoas adquirirem o hábito da leitura teremos um pais mas consciente.
    Beijos

    ResponderExcluir
  13. As vezes é necessario se desfazer de livros, coisas velhas afim de dar espaço para coisas novas!

    ResponderExcluir
  14. Pratico o desapego o ano inteiro na Saleta de Leitura e agora está difícil, mas este feriado decidir e postar a minha participação no 5º BookCrossing

    ResponderExcluir
  15. Estou praticando o desapego dos meus livros...
    Paz e bem

    ResponderExcluir

Esse blog não representa um exercício de escrita, ele é um exercício de memória, de lembranças e esquecimentos. Funciona como uma caixa onde guardo coisas, sinta-se livre para comentar, mas saiba: comentários sem relação com o post serão excluídos por respeito a quem comenta de verdade.