domingo, 19 de agosto de 2012

Sobre a cidade...

Agora a pouco me peguei folheando um do livro que tenho por aqui, chama-se Gota de Sangue, e apesar de ser um romance dito policial, um dos gêneros que menos gosto, é um livro pelo qual tenho afeição.

Acho que o Lúcio, o detetive da história, deve ser o investigador policial mais reflexivo já visto na história da literatura policial, mas é apenas achismo porque eu realmente não li muitos livros nesse estilo, ele deve ter algum parentesco, ou no minimo um ancestral primitivo comum, com o Alec Leamas de "O espião que saiu do frio" ou com o Tomas de "A Insustentável Leveza do Ser".

Imagem daqui

A parte isso, no inicio do livro Lúcio vislumbra o amanhecer na cidade de São Paulo, na primeira vez que li essa descrição eu grafei e agora transcrevo:

"Mendigos, putas, policiais, drogados, bandidos, miseráveis, bêbados e doentes esticando a noite pelas calçadas, bares, cortiços, cines pornôs, puteiros e hotéis baratos. Vendedores, secretárias, advogados, PMs, funcionários públicos, lojistas, office-boys e donas de casa afirmando a fronteira do dia desde as primeiras horas. A guerra é por território, nada mais. A noite se estica sob as marquises das lojas fechadas, nos bancos das praças, nos bares infectos, nos cinemas mofados e no bafo quente da ventilação nas calçadas. O dia avança pelas avenidas, descendo dos ônibus, emergindo do metrô, abrindo portas, fazendo barulho, gritando ofertas, ocupando as calçadas e marchando em compras. A noite recua e se esconde nas ruas menores, nas esquinas modestas, nos hotéis, teatros explícitos e moradias caóticas enquanto o dia sobe pelos prédios e se espalha pelas ruas armado de gravatas, pastas, bolsas e sacolas. Afronta-se por doze horas até o dia bater em retirada no desespero do transporte e do transito. Noite novamente. Os molambos retomam suas posições no deserto de portas fechadas e nas ruas sujas da refrega."
(Gota de Sangue_Fábio Brazil_ p. 14-15)

Lembro que grafei essa passagem porque achei que nela o Fábio incluiu sujeitos que usualmente costumam ser ignorados das descrições literárias e descreveu um capitulo do cotidiano da cidade comum a quase todas as cidades. Quando li tive aquela sensação de que a realidade plausível caiu de repente sobre mim.

A cidade descrita nessa passagem foi São Paulo, mas eu acho que podia ser Recife e talvez pessoas de outras cidades também possam traçar paralelos com a sua realidade... O ano no qual se passa a história é 1985 e não é que a pesquisa do autor não foi bem feita ou haja anacronismos no livro, mas francamente, eu tenho a impressão que nos ultimo 27 anos pouca coisa mudou no cotidiano da cidade, nos sujeitos da cidade, na forma como o dia sucede a noite e para piorar as semelhanças, 2012, assim como foi 1985, é ano de eleição...


E curiosamente, as eleições municipais colocam em evidencia que é hora de pensar na cidade, hora de pensar nos diversos sujeitos que formam a cidade, os que aparecem na descrição feita pelo Fábio e os mais que eu e você podemos vim a lembrar e que não foram incluídos.

É hora de pensar no que será de nós e nossas cidades nos  próximos 4 anos, que terão direito a Copa e Olimpíadas diga-se de passagem...

Eu confesso que as vezes o processo eleitoral no Brasil me desanima, os caminhos da politica me deprimem e a forma como nós dialogamos com isso tudo me frustra as expectativas de um futuro melhor... E para piorar enquanto pesquiso uma imagem mais ou menos para essa postagem encontro um site/blog todo trabalhado na proposta de uma propaganda politica vitoriosa.


Ai!!! Cansei!!! E olha que ainda nem começou a palhaçada!!! Eu já começo a concordar com o Lúcio: "Distintos empresários manipulando a cidade, distintos políticos sugando a cidade, distintos engenheiros destruindo a cidade, distintos doutores matando pela cidade." (Gota de Sangue_Fábio Brasil_ p. 16).

Só que a cidade não é deles, ou melhor, a cidade não é apenas deles. A cidade é minha e de todos os que vivem e morrem nela e sendo assim também é responsabilidade nossa.

Talvez não apenas os assuntos de nossa sala, cozinha, banheiro e vida afetiva sejam de nossa alçada, mas os assuntos da cidade inteira... Todo dia é dia para pensar na cidade, mas acho que na época das eleições é hora de decidi algo em relação a cidade, a saber: quem será responsável pela gestão dela pelos próximos 4 anos.

Nos cabe lembrar quem farrapou, quem não cumpriu promessas, o que fizeram e não fizeram os prefeitos e vereadores... Os ditos e os não-ditos... Avaliar propostas de gestão dos bens públicos... Isso tudo me cansa só de pensar quer dirá de votar.

Mas, eu desconfio que enquanto os muitos sujeito que são a cidade, entre eles eu, não começarem a si sentirem na obrigação de cuidar da cidade pessoalmente em todos os sentidos ela continuará sendo manipulada, sugada e assassinada cada dia um pouco mais...

11 comentários:

  1. Pandora que post maravilhoso... pensamentos que todos nós deveríamos ter diariamente..
    Ás vezes ficando apenas pensando como poderia ser diferente, mas acabamos não fazendo nada, ficamos calados em nosso canto apenas esperando que o melhor aconteça.. e olha que temos nas mãos o poder de fazer a diferença... nosso VOTO, que deveria ser muito bem pensado...

    Estou me acostumando a vir aqui sempre, porque o conteúdo dos seus posts sempre são maravilhosos...

    Um beijo carinhoso no seu coração e uma semaninha mais que linda..
    Sheila

    ResponderExcluir
  2. Sou funcionário público municipal, então a política me cerca por todos os lados. Por mais que eu não goste, que prefira ficar isento, que não me meta é impossível não observar algumas coisas.

    Acho que nós, brasileiros, não sabemos votar, e que está tudo muito errado. Então como corrigir se nem sabemos com fazer da forma certa? É triste.

    Beijos.

    ResponderExcluir
  3. Bom diaaaa! Bom, com certeza eu falei da Sansa no trecho que vc citou kkkkk mas tipo o que eu queria falar mesmo nesse post, era que as mulheres transferem uma personalidade feminina pros homens, e e por isso que elas se desiludem. Nao sei se deixei isso claro rss mas era a que eu queria mais abordar. Quanto as eleições, esta desesperador aqui no Rio. No atual prefeito eu nao voto, porque ele e muito arbitrário. mandou bater nos bombeiros quando eles fizeram greve. Os outros dois tambem nao prestam. Um eh da esquerda radical, e esses nunca fazem nada bom, e o outro e direitao. Nao confio na direita, eles sempre roubaram mais por aqui.So tenho um candidato a vereador porque meu irmão conhece o Igor bruno. Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Bem, aqui na minha cidade a vida é relativamente boa. O sistema de saúde é muito bom, auxílio transporte para a população e para os estudantes (mesmo para os universitários que estudam em outras cidades, como eu) é grátis. Claro, a cidade tem seus problemas com as drogas, mas o que me incomoda MESMO é essa tal de política. Uma minoria controla a cidade, que pelo fato de ser pequena, se torna uma verdadeira guerra no período eleitoral. O Pedrinho, que trabalha na prefeitura, não pode entrar na padaria do Joãozinho, pois ele é da oposição. Pessoas são demitidas da prefeitura por falar algo contra o atual prefeito. E se você lutar por liberdade de expressão é provável que você nunca consiga um emprego lá.

    Enfim, coisas bem desagradáveis. Espero que ninguém da prefeitura leia meu comentário, senão meu estágio não sai NUNCA!

    Beijos! :)

    ResponderExcluir
  5. Querida, adorei seu post! Vou avisar o autor sobre sua leitura.
    bjs
    Jussara

    ResponderExcluir
  6. Nossa, amiga.
    Apesar de conhecer esta realidade, ela me assusta e retrai o meu desejo de voltar para minha pátria amada.
    Maravilhoso seu post!Pena isso fazer parte da nossa gente ou pena nossa gente fazer parte disso.

    Um beijo, querida.

    ResponderExcluir
  7. Encarar os fatos é sempre duro. Tem gente que diz "Eu não gosto de política e por isso não gosto de falar sobre política", mas não compreende que a política está para todos os lados. Desde o café da manhã até quando encostamos a cabeça no travesseiro para dormir. Se brincar, até no amor a política está enfronhada, afinal, tudo o acontece à nossa volta, afeta os nossos 'ânimos'. Como bem disse Max Frisch "Quem não se ocupa de política já tomou a decisão política de que gostaria de se ter poupado: serve o partido dominante." Boa semana!! Beijus,

    ResponderExcluir
  8. Concordo plenamente com vc Jaci! Vc sabe que moro no centro de SP e meu marido diz que aqui se vc procurar bem até o diabo vc acha! Mas ao que parece, nem o diabo se preocupa com o lugar que ele vive!

    ResponderExcluir
  9. Esse livro parece interessante, mas também não gosto muito do gênero romance policial. Quem sabe eu leia.
    A política tem me desanimado também, já faz tempo. Mas este ano vou me dar a chance de acreditar em alguém novamente, mesmo que não tenha muita chance de vencer as eleições.
    Obrigada pela visita ao meu blog.
    Nadia

    ResponderExcluir
  10. e é nesse tipo de contexto que algumas pessoas pensam em votar em branco. mas,quando a gente faz isso, estamos apenas tirando a nossa responsabilidade como eleitores. desperdício. eu nem sei em quem votarei. talvez faça como na última eleição e escolha candidatos da esquerda,partidos comunistas,etc. Me senti muito bem da última vez. O candidato que eu não queria ganhou,e não fiz parte disso [consciência tranquila]

    ResponderExcluir
  11. Ando em uma fase bem egoísta porque os problemas são muitos e leio o jornal ou assisto o noticiário somente para deixar registrada a manchete do dia, caso contrário, vou acordar daqui um tempo totalmente desconectada da realidade. Mas eu coloquei no mesmo balaio o mensalão, as eleições, os candidatos e vou deixar eles no vinagre por um bom tempo.

    ResponderExcluir

Esse blog não representa um exercício de escrita, ele é um exercício de memória, de lembranças e esquecimentos. Funciona como uma caixa onde guardo coisas, sinta-se livre para comentar, mas saiba: comentários sem relação com o post serão excluídos por respeito a quem comenta de verdade.