segunda-feira, 23 de julho de 2012

Da dignidade do Gato!!!

Ontem eu terminei de ler O clã dos Magos, livro que me foi enviado pelo Luciano do .Livro, ai mexendo na net vi uma foto de uma moça que colocou uma toalha em cima da cachorrinha dela e tirou uma foto junto com o mini-mago e o livro pra combinar...

Eu achei a foto e a ideia muito fofa (clique aqui para conferir) e entre mim e "mim mesma" comecei a planejar fazer o mesmo com meu lindo gato Batatinha Rafael Clemente.

Bem, ele ficaria lindo de Mago Negro, mas vamos e venhamos, é claro que isso nunca daria certo!!! Batata é qualquer coisa menos um animal dócil que se deixa apanhar para brincadeirinhas minhas néh?!?!

Mas, o legal, foi que antes mesmo que eu começasse a sequencia "caça ao Batata", Rafaela me chegou no computador com a seguinte imagem:


Desconfio que pode até existir animal tão digno quanto, porém, no entanto, todavia, mais digno que esse felino é difícil. Bem já disse Terry Pratchett:


"Nos tempos antigos os gatos eram adorados como deuses, eles não se esqueceram disso até hoje."
(Terry Pratchett)

Reza a lenda que os egípcios realmente adoravam a Bastet, a deusa gato, associando-a ao sol, a fertilidade e a gestação... Ainda segundo conta a lenda, com passar dos séculos e o crescimento do Império Romano Bastet passou a ser associada/misturada a Ártemis ficando definitivamente ligada a Lua, noite e derivativos.


Na minha época de graduanda li um livro chamado "O grande massacre dos gatos" e nele tem um capitulo que discute como a imagem do gato associada a feminilidade, a sensualidade e ao perigo foi sendo construída ao longo do tempo. Talvez por essas associações, reze outra lenda que uma bruxa sempre tem um gato preto por perto, o que me leva novamente a Terry Pratchett e suas bruxas.


Uma das bruxas desse autor é a Tia Ogg, ela tem um gato chamado Greebo, depois de Garfield, Greboo é definitivamente meu gato preferido da literatura.



"Para Tia Ogg, Greebo era o gatinho fofo que corria atrás de novelos de lã pelo chão.
Para o resto do mundo, era um gato enorme, um pacote de forças vitais incrivelmente indestrutíveis dentro de um couro que não parecia pele de animal, mas um pedaço de pão deixado num lugar úmido durante quinze dias.

Os estranhos sempre ficavam com pena dele porque suas orelhas não existiam e sua cara dava a impressão de que um urso acampara em cima dela. Não sabiam que ela era assim porque, por uma questão de orgulho felino, tentava violentar ou brigar com absolutamente qualquer coisa, incluindo uma carroça para transporte de toras puxada por quatro cavalos. Cães ferozes gemiam e se escondiam debaixo da escada quando Greebo passava pela rua. Raposas mantinham-se distantes da aldeia. Lobos davam meia-volta.

Era provavelmente o único gato que conseguia ronronar com escárnio."
(Terry Pratchett- Quando as bruxas viajam)



E claro, se estamos falando de gatos não podemos esquecer do gato de Cheshire que em Alice no País das Maravilhas é autor de uma das tiradas mais inquietantes da literatura:


"- Gatinho de Cheshire (...) Poderia me dizer, por favor, que caminho devo tomar para ir embora daqui?
- Isso depende muito de para onde quer ir - responder o Gato.
- Para mim, acho que tanto faz... - disse a menina.
- Nesse caso, qualquer caminho serve - afirmou o Gato.
- ... contanto que eu chegue a algum lugar - completou Alice, para se explicar melhor.
- Ah, mas com certeza você vai chegar, desde que caminhe bastante.
- Mas eu não quero me meter com gente louca - ressaltou Alice.
- Mas isso é impossível - disse o Gato. - Porque todo mundo é meio louco por aqui. Eu sou. Você também é.
- Como pode saber se sou louca ou não? - disse a menina.
- Mas só pode ser - explicou o Gato. - Ou não teria vindo parar aqui."
(Lewis Carroll)

Em síntese, eu não tenho coragem de fazer traquinagens com Batatinha!!!! A dignidade e o orgulho felino que atribuo a ele se confunde com o orgulho e dignidade que eu mesma procuro construir em mim.



Sem contar que eu sempre lembro de Sandman vol. 18, do Sonho de Mil Gatos e de uma Gata informando-nos que podemos mudar o mundo!



E por fim, já que para nossa alegria e pena é segunda-feira novamente, só me resta concluir esse post com o Garfiel:



11 comentários:

  1. Primeiro: mas que gato esnobe é o Batatinha Rafael Clemente! Adorei a cara dele na foto 1, cara de pouco caso e tal - e tem até sobrenome. O que Pratchett disse faz todo o sentido, "Nos tempos antigos os gatos eram adorados como deuses, eles não se esqueceram disso até hoje.", não se esqueceram mesmo, e expressões como as do Batatinha nos lembram disso constantemente. Mas gosto muito de gatos, são limpos, independentes, e, mesmo morando na tua casa e comendo da tua comida e se sentando no seu lugar do sofá, ainda escolhem quando querem ou não te dar atenção, e te olham com esta expressão do Batatinha. E é Batatinha por causa do Manda Chuva?

    Adorei o post ;) muito bom!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. kkkkkkkk A pessoa ri pq é tudo verdade!!! E sim, é por causa do Manda Chuva!!!

      Excluir
  2. Viagem divertida esta pela mundo dos gatos. Mas eu, em matéria de gatos, gostaria de ter o Rodrigo Santoro. Na falta dele, vai de marido mesmo... que também é gato.

    ResponderExcluir
  3. Só vc para me fazer viajar com gatos! kkkkkvc foi até a antiguidade para criar uma narrativa gatolina e a associou a mulher. Que coisa maluca kkkk. Meu gato favorito é o de chesshire. Eu tinha um adesivo dele no meu celular e tenho um bloco de folhas dele tb. Beijos!

    ResponderExcluir
  4. Eu já te falei isso, amo gatos, sempre tive gatos aqui em casa, cheguei a ter sete de uma vez só! São uns amados, no fundo toda essa aparência esnobe é só um disfarce, a verdade é que quando eles se apegam a uma pessoa eles se apegam tanto que sentem ciúmes e são capazes até de ter depressão se se sentirem deixados de lado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu concordo com você em relação ao jeito dos gatos, eles tem esse jeito esnobe, mas são carinhosos e compreensivos, sempre que estou mal o Batatinha me da aquela força, acho que por isso gosto tanto dele!!!

      Excluir
  5. Ahahaha, cacete! Este gato é metido pra caralho, é a reencarnação do Garfield!
    Eu admito que prefiro os cães, acho-os mais fiéis, contudo, minha mãe de criação adotou uma gata e não há como estes seres passarem despercebidos. São umas figuras!
    Adorei o post, até com gatos você viaja pela História.

    ResponderExcluir
  6. hahaha. adorei a foto do Batatinha. cara de mal encarado^^
    e,se não me engano,tem outra blogueira que faz o mesmo. tira uma foto do gato com um livro. fica legal,parece um mascote. você devia ter colocado uma toalha só pra foto ^^. não garanto que ele ficaria um minuto com ela, mas valeria o esforço.
    @blogabs || Blog Abs || Fanpage

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Suzi é que eu temo pela minha vida, Batatinha não é um gato meigo rsrs

      Excluir
  7. Batatinha é esnobe até o extremo e é super abusado. Gente essa frase do Terry Pratchett foi feita em homenagem ao batata só pode!

    kkkkkkkkkkkkkkk

    Bem, não vou muito com a cara de gatos, até já gostei mas ganhei um que me deu 4 anos de inferno astral desde então não curto. Prefiro o bom e amado cachorro.

    ResponderExcluir
  8. Batatinha meu filho que cara de mal é essa... hahahahahahaha... ele tem o olhar da Lady daqui de casa, tipo: Não me toque, não me olha, não mecha comigo ou eu arranho sua cara toda... hahahahahaha... eu amos os gatos, são seres tão verdadeiros e autenticos, sabem amar só com um olhar, eu os amo e amo ainda mais meus 14 gatitos, vou deixar um link aqui pra se vc quiser conhecer meus gatos, fique a vontade:
    http://gatosminhapaixaoo.blogspot.com.br/
    Eu tenho varios gato que eu amo de historias, mas sempre tem aquele preferido, eu adoro a Lua de Sailor Moon e adoro o Garfield.
    Bjs

    ResponderExcluir

Esse blog não representa um exercício de escrita, ele é um exercício de memória, de lembranças e esquecimentos. Funciona como uma caixa onde guardo coisas, sinta-se livre para comentar, mas saiba: comentários sem relação com o post serão excluídos por respeito a quem comenta de verdade.