quarta-feira, 6 de junho de 2012

Risque....


Risque é o nome de uma música que eu costumo ouvir na voz do antológico Nelson Gonçalves, meu pai adora e eu não desgosto completamente.

Ela é pra lá de dramática, fez menção a um amor romântico fracassado, mas essa semana eu confesso que tive vontade de dizer isso a uma pessoa com a qual não tive nenhum romance...

Eu compartilhei apenas um companheirismo amigo que eu pensei que fosse durar alguma coisa... Não durou... Geralmente nesses casos quando alguém que some retorna eu não digo nada pq a vida é assim mesmo, cheia de encontros e desencontros.

Quem é presente hoje amanhã pode ser ausente e quem está ausente de repente pode se tornar alguém de primordial importância em um momento critico.

MAS... em relação a esse ser, eu revejo as lembranças, reavalio os encontros e os desencontros, pondero as histórias e no momento no qual ele falou comigo a única vontade que tive foi usar o verso da música e dizer "Menino, risca, meu nome do seu caderno" ou como diz a minha irmã: "Me mira e me erra!".

Deus e o mundo sabem que sou uma pessoa melosa e dramática.... Muito ruim com o uso do meio termo, ou eu gosto ou não gosto... Ou eu percebo todos os detalhes ou não vejo nada... E sim, quando eu pego abusoooo Afff...

Nossa... Eu me sinto até meio culpada por sentir tanto abuso em relação a alguém que outrora foi tão próximo... Acho esse sentimento muito pouco cristão, mas não consigo evitar de sentir abuso e querer distancia, muita distancia, toda a distancia do mundo!

11 comentários:

  1. Vc não esta errada de forma alguma. Não sei como foi esse relação com esse amigo, mas eu sei que odeio correr atrás de alguma pessoa na esperança de algo que agrege nas nossas vidas.. algumas relações devem mesmo ser cortadas, pois não dará em nada. =(

    ResponderExcluir
  2. Acredito que essa pessoa, que tanto te magoou , sobrinha, perdeu uma grande amiga.

    ResponderExcluir
  3. Olá Jaci bom dia!

    Ouvindo esta musica, fiz uma regressão e parei no tempo e revivi a minha adolescência.

    Quanto ao que comentasse sobre este alguém que passou por sua vida, eu diria que nada passa por nós, sem deixar algo a ser refletido... e uma boa reflexão, traz bons fluidos para o nosso amanhã.

    Abraços e tudo de bom para você!

    ResponderExcluir
  4. Fia, temos que abrir mão do que não acrescenta nada às nossas vidas.
    Se fosse pra manter tudo imutável, a gente não nasceria com pés e sim com raízes.
    Coisas novas nos esperam. Novas pessoas, novos desafios... Simbora!

    ResponderExcluir
  5. Tem certos relacionamentos que só nos fazem mal, então sei lá, é melhor descontinuar mesmo.

    ResponderExcluir
  6. Ah, nessas situações eu posso ser bem maldoso. Acho humano essa reação, de querer riscar. É mais sadio para quem passa por isso, e melhor para desligar.

    Dois abraços ;)

    ResponderExcluir
  7. Adoro a música e com certeza já usei a frase chave: risque meu nome do seu caderninho,rs
    Tem gente que não vale um minuto nosso tempo, portanto risque você também ...
    bjs
    Jussara

    ResponderExcluir
  8. Eu entendo o que quer dizer. Às vezes me pego com esses sentimentos antagônicos de estar perto uma hora e depois não querer nem passar perto! Um abraço!

    ResponderExcluir
  9. Como tu disse, há pessoas ausentes que de repente se aproximam e pessoas tão próximas que, sem aviso, somem. Vais e vens da vida. O que vale é lembrar de coisas boas (se há coisas boas a lembrar) e seguir adiante.

    Bela música, me lembrou meus dez anos, quando eu ouvia músicas de amores desiludidos do RC... =P

    ResponderExcluir
  10. Ola Pandora,
    Creio que tens razão, a vida - e as pessoas - são assim, cheia de encontros e desencontros! Não precisamos desejar mal a ninguém, contudo que cada um possa seguir o seu destino aprendendo e em paz....

    ...A música que escolheu é antiga mas reflete bem o momento!

    Abraços, Flávio.
    --> Blog Telinha Crítica <--

    ResponderExcluir
  11. Eu risco com toda facilidade pessoas que não me agradam e não sinto a menor culpa por isto. Sinto culpa por mim, de ter perdido tempo com quem se mostrou um pouco tarde não valer a pena e eu não ter percebido.
    Não sou muito cristão, em definitivo.
    É.

    ResponderExcluir

Esse blog não representa um exercício de escrita, ele é um exercício de memória, de lembranças e esquecimentos. Funciona como uma caixa onde guardo coisas, sinta-se livre para comentar, mas saiba: comentários sem relação com o post serão excluídos por respeito a quem comenta de verdade.