segunda-feira, 28 de maio de 2012

Entre os livros de minha mãe, Lisbela e Eu!!!

Maio é o mês das mães e eu percebo que ele está indo embora e eu ainda nada falei sobre esse tema e hoje mexendo em meus livros me deparei com minha já nascida velha coleção de romances, foi impossível não sorrir complacente para eles e ter vontade de escrever essa postagem.


Mainha e eu nos tornamos ao longo de minha infância e adolescência grandes amigas, sempre compartilhamos nossos segredos, sonhos, passado, presente e expectativas para o futuro.

Quando o habito de ler foi se tornando uma característica marcante de minha personalidade minha mãe me contou sobre os livros que lia na adolescência. Antes de ser mãe de três e esposa da reencarnação do Hulk, ela era uma moça romântica que gostava muito de ler romances tipo Julia, Bianca e Sabrina.

Esses livros nunca foram meus preferidos, mas quando adolescente eu costumava lê-los para desopilar depois de uma leitura "mais pesada". Quando me vi estudante de história esse habito de ler romances água com açúcar entre textos densos já estava cristalizado e eu me preocupei em conhecer um pouco da história dessas produções e o perfil das leitoras.

A internet ajudou nesse trabalho de pesquisa, mas que não quero contar essa história, então deixo aqui um link através do qual se pode conhecer um pouco mais sobre ela: Literatura cor-de-rosa

Atravessei o curso de história usando esses livros para desopilar das leituras pesadas impostas pelo curso e construir ao longo desses anos minha coleção assim como histórias engraçadas envolvendo esses fofos. Como por exemplo o dia no qual eu cheguei na faculdade com um Sabrina no braço e enchi de adesivos para que meus amigos não debochassem pela melosidade da leitura.


Não funcionou, sofri bullings do mesmo jeito kkk... Certo dia um de meus amigos de graduação chegou mais cedo para aula e me encontrou lendo um desses livros, nós ficamos papeando e ele acabou me comparando a Lisbela, tal como ela, segundo ele, ao ler esses livros, estou vendo sempre a mesma história, mesmo sabendo tudo o que vai acontecer.


De certa forma, para mim a grande graça desses livros é justamente isso, a história é sempre a mesma, a narrativa é despretensiosa, a maioria dos autores não se sente o ultimo biscoito do pacote ou quer escrever a história que vai mudar a vida do leitor... Eles não querem escrever o livro do ano, querem simplesmente contar mais uma história de amor, fazem isso de forma clara em 120 páginas e eu respeito essas pessoas.

Talvez as leitoras desse tipo de livro sejam todas um pouco Lisbelas, não são um bando de tolas ingenuas que não sabem definir o sonho da realidade. Tal como Lisbela nós dominamos os segredos dos mares narrativos através dos quais navegamos.

As Lisbelas são barqueiras experientes, sabem a diferença entre a vida e o romance e talvez por isso, vez em sempre, se permitam uma escapada dessa velha rabugenta realidade para o jardim secreto e encantado da fantasia contido em um romance barato...

Nem que seja pelo tempo de uma tarde preguiçosa nós nos permitimos deixar a mente pender ao sabor do vento e do momento em um jardim de fantasias baratas, como aquela moça rosa naquele velho quadro Rococo de 1700 e me esqueci que está em todos todos os livros de história por algum motivo que eu definitivamente ignoro.

O Balanço (1767), Fragonard.

Não me surpreende nem um pouco o fato desses romances venderem tanto quanto os livros do Paulo Coelho ou de suas edições modestamente vendidas em qualquer banca de jornal conseguirem bater em vendagem muitos best-sellers do mercado editorial.

Sinceramente existem muit@s autor@s de Julia, Bianca e Sabrina que colocam no bolso em termos de capacidade narrativas autores de livros lançados com estardalhaço. Eles não são pretensiosos, não querem superar ou alcançar nenhum gênio, não fazem malabarismos narrativos sem sentido, conhecem seu publico e escrevem de forma acertada para ele, elas ou nós \o/

Minha mãe não ler mais esse tipo de livro, ela prefere a Bíblia, atualmente estamos em um Saga pelo livro de Daniel. Eu como boa gordinha romântica, Lisbela da vida, suspeito que continuarei lendo essas história por um bom tempo, ainda mais levando em conta que não compro mais esses livros... A muito tempo os dois livros que sempre coloco nas minhas habituais "feira" vem de graça, uma vantagem de frequentar o mesmo sebo a quase 10 anos ;)

12 comentários:

  1. Jaci, eu li muitas fotonovelas quando era bem jovenzinha. Nao tinha muita paciência para os romance cor de rosa, mas sei que eles ajudaram muito minhas amigas a compreender a si mesma na adolescência. Foi bem legal essa época.

    Gosto muito do livro de Daniel. No momento passei 40 dias fazendo um estudo profundo sobre a vida de Moisés, foi muito boa esta saga.

    :)

    ResponderExcluir
  2. Eu pecebo que as pessoas que tem habito da leitura, além de ter um vocabulário invejavel, conhecem várias coisas e discutem varios temas, sem sair do quarto, viagens que as leituras nos permitem ter.
    Eu comecei agora depois de grande a ler...mas antes tarde do que nunca...rsss

    ResponderExcluir
  3. Olá Jaci!

    Meus parabéns a você e a sua mãe, por saberem conduzir esta amizade. Bem sabemos nós, que a melhor amizade para os filhos é aquela oferecida pelos pais...e feliz de quem sempre pode contar com estes no decorrer da vida. Eu costumo dizer que o bom seria, se todos os filhos pudessem ter os amigos pais á orienta-los por todo o sempre.

    Abraços.

    ResponderExcluir
  4. Nunca tive preconceito "literário", leio tanto a Bíblia como o Senhor dos Anéis e, por que não, Sabrina, Júlia, Bianca.. gibis, Crepúsculo, Agatha Christie, Paulo Coelho... sempre há algo que pode enriquecer. Ehee.

    ResponderExcluir
  5. É em sebos já vi esses livros a 50 centavos, inclusive o da Angélica rsss. Durante a minha vida toda eu vi a minha mãe deitada ou sentada lendo esses romances água com açúcar par desopilar. Quando fiquei mais velha eu li alguns que ela me recomendou e eu até q gostava, mas sacaneava ele rss me achando muito intelectual por isso. Hoje em dia eu não leio muito esses tipos de livro. To preferindo ler aventura pra desopilar. Um livro desses na minha mão é um perigo, sou ultra-romântica, tenho várias viagens mentais com esses galãs perfeitos rss.

    ResponderExcluir
  6. Ah, eu assumo! Também li Sabrina quando era adolescente! huahuahua E assim como a Georgia tb li fotonovela!
    Sim, tb gosto de ter algumas leituras mais "leves" para desopilar. Mas atualmente prefiro gibis da Turma da Mônica, Luluzinha, Tintim, Asterix rsrsrsrs

    ResponderExcluir
  7. Ola Pandora,

    Mas que coleção hein?

    Sabe, eu não tenho preconceitos, leio qualquer gênero de livro, o importante é estar aberto, ler qualquer tipo de literatura para o próprio conhecimento e emitir opiniões e filtrar aquilo que de fato achou interessante.

    Eu leio a bíblia, mas nada impede que eu leia qualquer outra coisa.

    Saber não ocupa espaço, não é verdade?

    Abraços, Flávio.
    --> Blog Telinha Crítica <--

    ResponderExcluir
  8. Oi, Pandora. Que lembrança boa! Sabia que eu também já li muito esses romances? Só que era meio escondido na época. O preconceito com homens que liam isso era muito grande. É que eu tinha uma cunhada que lia pelo menos um livro desses por dia e tinha uma coleção de fazer inveja a qualquer dono de livraria.rsrs. Ela ficou tão marcada pelo cunho desses romances que resolveu nunca se casar. De vez em quando eu a vejo (agora que voltei para a minha cidade) e ela me diz que abandonou essas leituras mas não abandonou o desencanto das histórias que para ela só existem nos livros e vai morrer solteira.rsrs.

    Grande abraço. paz e bem.

    ResponderExcluir
  9. Pandora,

    Sabele aqueles textos gostosos de ler? Este foi um deles ;) É muito bom quando pais e filhos têm este traço em comum, por aqui meus pais sempre leram, então já fomos criados lendo também.

    Agora, tenho curiosidade de ler um romance de banca, já olhei alguns como quem não quer nada, mas nunca peguei. Não sei a razão - e não é vergonha, já que desde sempre compro A MArie Claire e a Ana Maria pra minha mãe. Quem sabe um dia crio coragem, tenho certeza de que são muito bons, como você disse, para limpar as ideias de temas e leituras densas.

    Dois abraços ;)

    ResponderExcluir
  10. Pandora, eu adorei essa postagem e apesar de não ter lido os romances Sabrina lembro de algumas colegas de magistério que adoravam a leitura.

    E que bom que levou os romances para a faculdade contrariando a norma "cult". Isso é bom pois muitos tem a mania de deixar de ler algo apenas por preconceito. Eu para desopilar a leitura dos compêndios filosóficos ficava lendo bastante gibi nas horas vagas... rsrs

    Beijos querida!

    ResponderExcluir
  11. Você tem um livro acho que é JULIA a história é assim: Ela esculpe vidro e ele é jogador de futebol, eles se conhecem no dia em que ele esta com a sobrinha dele no carro e da o carro para menina dirigir, ela acaba batendo o carro nos vidro da protagonista. Vc conhece esse livro??? Se alguem souber pode me dizer o nome, é pq eu li mais eu o perdi, e não lembro o nome.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Marlana, na verdade a maior parte de minha coleção é Sabrina, eu devo ter um ou dois Julias perdidos... Então não conheço esse, infelizmente!

      Excluir

Esse blog não representa um exercício de escrita, ele é um exercício de memória, de lembranças e esquecimentos. Funciona como uma caixa onde guardo coisas, sinta-se livre para comentar, mas saiba: comentários sem relação com o post serão excluídos por respeito a quem comenta de verdade.