quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Cartas...

 
Outro dia em uma dos meus passeios pela livraria eu dei de cara com um livro com o titulo Correspondência, nele está contido um conjunto de 53 cartas que formam o conjunto da correspondência que foi trocada entre Machado de Assis e Joaquim Nabuco, o livro foi organizado inicialmente por Graça Aranha e editado por Monteiro Lobato, que por essa quase se redimiu comigo, quase porque eu amo implicar com Lobato e não vou deixar de fazer isso só porque ele foi responsável por trazer a público um conjunto de cartas que eu adoro ler. (Implicar com morto é o cumulo da implicância, eu sei... Relevem... isso deve ser falta de lavagem de roupa, namorado ou derivados...)

Quem faz a introdução desse livro é um historiador famoso, José Murilo de Carvalho, e entre muitas coisas lindas ditas sobre um e sobre outro, ele reflecte sobre essa pratica da troca de cartas, diz ele:

"Revelar intimidades, é o que se supõe cartas deverem fazer. E é sorte dos historiadores que se escrevesse muita carta nos tempos de Machado e Nabuco. Futuros pesquisadores não terão tanta facilidade depois que a carta impressa foi substituída, inicialmente pelo telefone, depois pela correpondência eletrônica, apressada, desleixada, descartável."
(CARVALHO, José Murilo de. Correpondência, pg. 11-12)


Eu achei essa opinião curiosa de José Murilo porque ironicamente foi a Internet que me fez escrever cartas e manter uma correspondência com alguém pela primeira vez na vida, ainda que de forma eletrônica. Aliás, grande parte da minha correpondência eletrônica não é nada descuidada, descartável ou desleixada, ainda que muitas cartas tenham sido escritas com pressa ... Ah, foi também a virtualidade que me levou a frequentar os correios e escrever cartas impressas e recebe-las vez ou outra, a Ana Seerig do Alguma coisa a mais pra ti ler... que o diga rsrsrs... E sim foi a Internet que me fez pela primeira vez na vida me preocupar com greve de correios.

E sim, a titulo de conclusão, esse post começou porque hoje eu fui convidada a escrever uma carta para alguém muito especial, nada mais nada menos que nossa respeitável PresidentA, Dona Dilma Rousseff, a convite da Emília do blog "As histórias de Emília", hoje estou lá no 4 por 4, junto com, nas palavras a Emi, mais três feras.



____________

A propósito, não posso deixar de registrar minha satisfação diante da informação que acabei de receber através da Celina Dutra do Colheita de Girassóis néh que a Caixa tirou do ar o comercial onde Machado de Assis aparece branco com direito até a pedido de desculpas!

Nessas horas eu até me animo, os tempos estão mudando, os que não tinham voz agora tem, Machado não será mais embranquecido e eu tenho esperança que talvez estejamos um pouco mais próximo do dia em que racismo será uma coisa do passado, deixo o link que a Celina me deixou e agora só falta a Caixa responder a respeito do que será feito em relação ao nosso rico dinheirinho que foi gasto nessa mal fadada propaganda!

9 comentários:

  1. Preciso dizer que eu sou uma compulsiva por cartas? Acho que isso já tá se tornando tão óbvio quanto meu time de futebol (creia, há seres que não sabem meu nome, apenas meu time).

    Quero urgentemente comprar "Cartas a um jovem escritor e suas resposta", com cartas trocadas entre Mario de Andrade e Fernando Sabino (eu amo o Sabino). Há também um livro com cartas trocadas entre Sabino e Clarice Lispctor.

    E quando eu penso nisso, eu chego a mesma conclusão que esse historiador, José Murilo: como grandes nomes serão desvendados sem as cartas? Também me divirto em pensar como seria engraçado um livro com as minhas correspondências, o título seria algo do tipo "RARIDADE: cartas escritas no séc. XXI". Tudo bem, isso é uma piada, minhas correspondências são por demais toscas pra serem publicadas... =P

    Enfim, amo cartas e acho que nada supera a alegria de receber-ler-responder cartas. É extremamente mais pessoal e encantador que e-mails e coisa e tal.

    E sim, também tava tri preocupada com a greve dos Correios.

    =D

    ResponderExcluir
  2. Mais um livro para minhas urgências! Acho que preciso parar de entrar em certos blogs, vão acabar de me falir!rsrs
    Obrigada, Anjo, por mencionar nome e blog. Era desnecessário, foi gentileza sua.

    Girassóis nos seus dias.
    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Ah! Fui ao 4x4! Excelente post. Comentei lá e me tornei seguidora.

    Mais girassóis e beijos.

    ResponderExcluir
  4. Que paradoxo! Também comecei a frequentar mais os correio, escrevo sempre bilhete p/ minhas clientes... Fora as amigas...

    O livro deve ser bem interessante...

    Beijo e uma ótima tarde!

    ResponderExcluir
  5. Por acaso não é do meu gosto a publicação de cartas (salvo se com devida autorização do autor).

    Há certas coisas que são do foro íntimo. E por isso não nos dizem respeito. Seja qual for a desculpa:)

    ResponderExcluir
  6. Eu ainda guardo alguns bilhetes muito especiais para mim do tempo em que não existia essa tremenda tecnologia.
    Querida,muito obrigada pela tua participação nesse 4 por 4,e por compartilhar no teu espaço.
    Fiquei muito orgulhosa de tê-la por lá.
    Muita luz pra vc,bjk querida

    ResponderExcluir
  7. Oi, Pandora! Eu tinha vindo aqui correndo para lhe dizer que acabei de ler a notícia sobre a retirada do comercial da Caixa do ar com o devido pedido de desculpas mas cheguei atrasado. rsrs. De qualquer forma, vou lá ler sua carta no blog da Emília. Abração. Paz e bem.

    ResponderExcluir
  8. Adoro livros assim, ainda mais Machado, meu preferido.
    Tenho que parar de entrar em determinados blogs, por que minha lista de leitura só tem aumentado.
    Quanto ao comercial, espero que mudem mesmo a atitude.
    E as cartas, eu as escrevo desde os 13 anos, antes mesmo de pensar em existência de internet.
    Beijo grande e vou lá ler seu texto.

    ResponderExcluir
  9. Quero, quero muito!!! Será que é um desses impossíveis de conseguir? O historiador que fez a introdução profetizou algo que me doi o coração, não somente os futuros historiadores padeceram do mal do desprezo a velhos hábitos, nós também somos vítimas da forma apressada, desleixada e descartável das novas comunicações, que ao meu ver definem tb as novas relações, igualmente superficiais. Lindo pos, amei e já ~vou atrás do livro. Beijos, Gabi.
    descedoponei.blogspot.com

    ResponderExcluir

Esse blog não representa um exercício de escrita, ele é um exercício de memória, de lembranças e esquecimentos. Funciona como uma caixa onde guardo coisas, sinta-se livre para comentar, mas saiba: comentários sem relação com o post serão excluídos por respeito a quem comenta de verdade.