terça-feira, 30 de agosto de 2011

Agosto

Ponte Maurício de Nassau - Agosto de 2011.

AGOSTO


A ventania varre o Recife todo. É Agosto.
Mas, não varre a miséria,
a sujeira e a indignidade.
Porém, prenuncia o calor do verão.

Nas ruas, becos e pontes, esvoaça saias,
despe o recato e reimagina vontades,
enquanto as mulheres sonham com
a vadiação…

Aos homens, suscita o bem-querer
e estimula a bebedeira do dia-a-dia.
Agosto, desgostos, vontades e vadiação…
Apocalipse das tentações?
____________

Em outros tempos Agosto era meu mês favorito justamente por causa da ventania que varre o Recife todo, foi nesse tempo de adolescência que eu encontrei esse poema em um jornal, zapeando pela net reencontrei com ele e para os últimos dias de Agosto deixo ele por aqui... Quisera eu que a ventania que varre o Recife varresse a miséria, a desolação...

7 comentários:

  1. Que legal este poema...
    Não conhecia...

    ResponderExcluir
  2. Verdade! Pena que a ventania mais bagunça do que resolve algo.

    Beijocas

    ResponderExcluir
  3. Legal vc ter postado esse poema, eu já o conhecia , só que não lembrava das palavras nele contidas.
    Beijos,ótima terça-feira a vc

    ResponderExcluir
  4. Sabe que eu nunca gostei de agosto?
    Não sei se é porque me lembro do: Agosto = mês do desgosto, da infância, mas é um mês que venta muito, que faz frio, que chove.
    Mas o poema é muito bonito.
    bjs

    ResponderExcluir
  5. Gosto tanto de Recife que, mesmo que o vento não cumpra a sua função, continuo achando-o lindo!
    Bj
    Adri

    ResponderExcluir
  6. Bom dia!!!!!!!! Que cantinho gostoso e aconchegante!!!!
    Vou passar a ser frequentadora... posso?
    Olha só - eu amo o mes de agosto: é o mes quem que a minha princesa nasceu e, é o mes em que aqui no sul, anuncia que a primavera está próxima, que é bom curtir os últimos dias frios sob um cobertor!

    ResponderExcluir
  7. Sou indiferente ao mês de agosto. Não sou chegado em vento.

    Abraços, Pandora!

    ResponderExcluir