sexta-feira, 3 de junho de 2011

Quando não fugi para Pasárgada...

Acho que vez ou outra todo mundo tem vontade de sumir, ser engolido pela terra, deixar tudo por fazer... evaporar... e não é apenas uma questão de querer fugir de uma situação, as vezes eu quero mesmo fugir de mim... o que também não me parece algo muito incomum.


São momentos em que tudo o que eu queria era poder fugir para algum lugar onde houvesse mais paz externa de maneira que a paz interna tivesse alguma chance de aflorar... Talvez algum paraíso perdido, um Edén, algo tipo a Tir na nóg dos irlandeses, onde não há velhice, nem dor, nem doenças, uma Jerusalém, em cujas ruas "se ouve o som da harpa de Davi" ou mesmo a boa e velha Pasárgada, afinal já dizia Manuel Bandeira:

"Vou-me embora pra Pasárgada
Em Pasárgada tem tudo
É outra civilização"

MAS, no meio das confusões que me fazem querer desaparecer dei de cara com um sujeitinho diferente de tantas coisas que eu já vi; Entre a multidão de livros, artigos e textos a ler eu encontrei com Ovídio Martins, um poeta cabo-verdiano arretado que lutou pela independência de Cabo Verde e faz qualquer um vibrar com versos algumas vezes até agressivos de tão diretos. Ovídio Martins me sacudiu quando encontrei com ele nas linhas e curvas da história que a literatura desenha, de maneira que faço coro com ele, me agarrarei as pedras e ervas e não vou a lugar nenhum, nem mesmo para Pasárgada.

Anti-evasão
Ovídio Martins

Pedirei
Suplicarei
Chorarei
Não vou para Pasárgada
Atirar-me-ei ao chão
E prenderei nas mãos convulsas
Ervas e pedras de sangue
Não vou para Pasárgada
Gritarei
Berrarei
Matarei
Não vou para Pasárgada

 
______
Mais sobre Ovidio Martins:

10 comentários:

  1. Pandora, que texto maravilhoso deste autor. não conhecia, gostei bastante. vou procurar textos dele para ler.

    te desejo um ótimo dia, com ar de pasárgada rs
    bjs

    ResponderExcluir
  2. Eu estou nessa época de querer ser engolida pela vida, tragada pela terra e sumir... rs

    Beijocas

    ResponderExcluir
  3. Mas de uma coisa vc fugiu, Pandora, do meu blog(rs) Por q sumiu?rs

    Gostei do post, vivo com vontade de fugir, de sumir, e, quem sabe, um dia fujo da blogosfera.

    Tudo de bom, Pandora!

    ResponderExcluir
  4. Pandora
    Estou feliz em te ver de volta. Adorei o seu post e como gosto do que contas, suas descobertas em suas leituras e a forma como descreves.
    Ainda bem que essa vontade de fugir foi passageira e agradeço a Ovídio Martins por ter te sacudido e feito você ficar por aqui.

    Beijos no seu coração

    ResponderExcluir
  5. Oi Pandora, a vida é uma constante inconstante. Quando estava certa que queria desaparecer, encontrou "motivos" para ficar.
    Sábio autor, nem sempre desaparecer é a solucionar. Difícil é saber a hora de ficar ou a hora de ir.
    Bjs

    ResponderExcluir
  6. Especialmente hoje eu queria que a terra me tragasse... pra sempre!

    BeijoZzz

    ResponderExcluir
  7. Olá Pandora, que texto maravilhoso.
    Boa noite querida.
    Com carinho Amara
    Bjss

    ResponderExcluir
  8. Às vezes é melhor mesmo paradinha esperando a tempestade passar!! Gostei do poema, vc descobre cada coisa minina!!
    Em tempo: o que é aquele bolo da Eliana??
    Beijos!!

    ResponderExcluir
  9. OI PANDORA VIM AGRADECER SUA GENTILEZA COM MINHAS FOTOS E MEU BOLINHO QUE É SUPER DELICIOSO!
    VOU LHE DIZER UMA COISA AO INVÉS DE QUERER SUMIR, APAREÇA BEM LINDA E FELIZ E DA UM SUSTO NAS PESSOAS,ASSISTA UM BOM FILME E DÊ MUITA RISADA É ASSIM QUE ME CURO QUANDO FICO TRISTE!
    FUNCIONA!!
    BEIJO BOA SEMANA!

    ResponderExcluir