segunda-feira, 21 de março de 2011

Dia de festa, saudades e formas de eternidade!

Hoje foi um dia bastante festivo em minha igreja, o conjunto musical foi inaugurado, minha irmã faz parte dele e eu fui convocada a comparecer. Até ai nada de anormal, igrejas tem um calendário festivo grande, grande demais para o meu gosto, diga-se de passagem! O anormal foi que eu decidi me arrumar para a festa de forma normal para o padrão da minha igreja e de forma anormal para o meu padrão!

Incrível como as pessoas olharam pra mim hoje, muitas ficaram sem fala até. As adolescentes, naturalmente mais francas, quase deixaram o queixo cair e fizeram um auê daqueles rsrs...Foi muito engraçado, será que as meninas realmente pensam que nunca subi em um salto agulha na vida e que não tenho nem ao menos um vestido de noite decente no guarda-roupa? Fala sério!!!

A festa foi boa, constatar a reação das pessoas em relação a mim vestida em traje de noite também, mas no final enquanto eu conversava com mainha sobre a nossa igreja local, suas festas, seus problemas e soluções de repente sentimos o peso de uma ausência, a noite teve uma virada em seu sentido.

Ouvi em algum lugar que a morte é uma ladra, verdade, ela nos rouba definitivamente o que temos de mais caro e com o tempo, cada vez mais, começamos a perceber o quão caro é o bem que a morte nos rouba.

Agora estou saudosa de um dos meus amigos que a morte roubou cedo demais de todos nós, ele faz falta na hora da festa, mas faz mais, imensamente mais, falta no dia-a-dia, no cotidiano da escola dominical, nos culto de meio de semana, na rotina de cuidar das crianças, de fazer as coisas acontecer. Faz falta sobretudo na hora de conversar, filosofia, história, sociologia, alegrias, dificuldades, solidão e medo, com quantas pessoas ao longo da vida conseguimos juntar todos esses temas em um conversa???

Nesses momentos de falta é preciso se agarrar a algo que amenize a dor da separação, que ao menos por um pouco de tempo traga nosso ente querido de volta, nesse momento eu me apeguei  a alguns textos de meu amigo que foram publicados no Diário de Pernambuco.

Eu lembro quando eles foram publicados, do orgulho que sentimos, todos nós, a gente fez festa, eu disse a ele que aquela certamente era uma forma de garantir um pedaço de eternidade, já que os jornais vão para os arquivos públicos onde mesmo daqui a 100, 200 anos poderão ser lidos, se bem conservados, e com o recurso da net então, nem se fala!

Hoje, lanço mão dessa forma de eternidade que meu amigo conquistou para si, e compartilho um dos textos que foram publicados no Diário de Pernambuco, como ainda estou festejando o aniversário da cidade deixo aqui "O Recife(anos 50) e a pensão de Dona Bombom", atenua minha saudade ler as palavras e sim, posto pq a virtualidade era tema frequente de nossos papos, acho que Felis ficaria até satisfeito de saber que postei algo dele aqui, talvez até tivesse um blog também a essa altura do campeonato. Quem sabe?

O RECIFE (ANOS 50) E A PENSÃO DE DONA BOMBOM

Em meados do ano passado, fui presenteado por uma amiga jornalista com o livro do escritor pernambucano, Cícero Belmar: " Rosseline amou a pensão de Dona Bombom ". Logo, o título nos remete a uma interrogação: Quem foi dona Bombom? E Rosseline? De início, um exímio prefácio de Amim Stepple, jornalista e cineasta. Depois, somos presenteados com uma bela narrativa que nos remete a um Recife, até então, desconhecido: o Recife dos anos 50.
 
A obra retrata a história da vinda do cineasta italiano Rosseline, um dos maiores cineastas contemporâneos, considerado "um dos papas do neo-realismo italiano", um homem que viria ao Brasil, especialmente ao Recife, para filmar "Geografia da Fome" do sociólogo Josué de Castro.
 
No ano de 1958, Rosseline foi recebido no Aeroporto do Galeão - RJ, por Josué de Castro e por Pascoal Carlos Magno. Hospedou-se no Copacabana Palace. Semana depois, desembarcou no Aeroporto dos Guararapes, acompanhados pelo pintor Di Cavalcanti e por Josué de Castro. Em terra recifense, foi recebido pelo médico Jamenson Ferreira e pelo prefeito da cidade Pelópidas Silveira. Rosseline ficou hospedado no Hotel Boa Viagem. Num "tur" pela Veneza Brasileira, ficou encantado com as belezas naturais, pois durante o dia, Recife mostrava suas belezas naturais e turísticas, à noite, descortinava sua vida noturna, o bairro do Rio Branco era só vida e prazer, não dormia. O "Chanterclair" com sua belíssima arquitetura esbanjava charme e glamour aos mais aristocratas. Os menos favorecidos freqüentavam as centenas de pensões e bares aos redores, era a famosa "Zona". O Porto do Recife viveu dias de glórias. Os marinheiros americanos traziam produtos importados e trocavam por drogas e sexo. Era o Recife das lindas mulheres e dos mafiosos cafetões.
 
Durante sua estada na cidade, Rosseline foi convidado pelo Merchant Aloísio Magalhães e outro intelectual para conhecer a vida noturna . Dentre os pontos turísticos, a pensão / bar de Dona Bombom, uma senhora setentona, localizada na Rua do Rangel, próximo ao Mercado de São José. Por ser mais afastado, reunia rapazes de família e intelectuais ( Aloisio Magalhães, o professor aposentado Zenildo Cavalcante e o arquiteto Austro Camargo ) entre outros. Dona Bombom era uma mulher respeitada naquele meio, possuía as mulheres mais bonitas e formosas. Eram consideradas suas filhas. E um dos seus objetivos era arranjar casamento e marido para elas. Destacaram-se: Bianca e Bibiana, duas irmãs, conhecidas no meio como irmãs "Passarinhos". Rosseline, em sua visita à pensão, encantou-se por uma delas.
 
Rosseline visitou também o sociólogo Gilberto Freire, escritor do famoso "Casa Grande e Senzala" em seu sobrado em Poço da Panela em Casa Forte. Lá, o patriarca fez questão de receber a ilustre comitiva em seu belo jardim, cercado por mangueiras e pitangueiras. Uma recepção impecável, regada a bolo de rolo e licor de pitanga. Iguarias pertencentes à culinária da família Freyriana, eternizada em seu livro "Casa Grande e Senzala"."Rosseline amou a pensão de Dona Bombom", é uma obra belíssima , uma verdadeira retrospectiva sobre o Recife dos anos 50 e sua cultura, um livro para ser lido e relido à sombra de uma mangueira, degustando um saboroso bolo de rolo, tomando um delicioso licor de pitanga.

José Felismino
Professor e educador
Texto disponível em link

6 comentários:

  1. Sou bastante vaidosa e adoro uma festa assim bem chique para me arrumara toda, me olhar no espelho e ter meus 15 minutos de fama... hahah...

    Sim é bom fazer isso de vez em quando, faz bem para o ego.

    Beijocas

    ResponderExcluir
  2. Jaci, eu quero esse livro! Bonita homenagem ao seu amigo e ao Recife.
    bjs
    Jussara

    ResponderExcluir
  3. Sempre é muito difícil a partida de alguém que amamos. Meu consolo é saber que a vida continua num eterno abraço com o Pai!
    Beijo na alma, Pandora!

    ResponderExcluir
  4. .

    Por estar encantado com o seu
    BLOG
    , eu o estou seguindo.
    Encante-me seguindo o MEU.

    silvioafonso





    .

    ResponderExcluir
  5. Não dê importância a comentários, somente o fato de ter um blog já lhe faz muito mais antenada do que a maioria das pessoas e não precisa provar isso para ninguém, guarde o salto para a ocasião adequada.
    Beijo
    Adri

    ResponderExcluir
  6. Achei graça na primeira parte do post, pois muitos acham que nós somos uma única "coisa", sem surpresas.

    E a homenagem ao grande amido educador, foi de grande bom gosto.


    Xeros

    ResponderExcluir

Esse blog não representa um exercício de escrita, ele é um exercício de memória, de lembranças e esquecimentos. Funciona como uma caixa onde guardo coisas, sinta-se livre para comentar, mas saiba: comentários sem relação com o post serão excluídos por respeito a quem comenta de verdade.