domingo, 6 de março de 2011

Contos de fadas, príncipes e princesas.

Eu poderia começar dizendo que "quando era criança adorava contos de fadas, príncipes e princesas!". Não seria uma mentira, mas também não seria uma total verdade.


De fato, quando criança eu adorava contos de fadas, histórias de príncipes e princesas, fadas, bruxas e duendes, desde aquelas cuja Bíblia narra passando pelas de Charles Perrault, dos Grimms até os de Hans Christian Andersen, mil vezes fofo em sua forma doce de contar histórias profundas, mesmo que nem sempre tivessem o óbvio final feliz.

Sempre que lia Andersen sentia que aquele autor tinha confiança na minha infantil capacidade de compreender que a vida não era só flores e que nem sempre o final seria o irreal "... viveram felizes para sempre". Uma vez adulta é fácil perceber o cuidado de uma autor que tinha a intenção de através de seus escritos retratar o seu olhar sobre a vida e o mundo que o cercavam. Enfim, como não se emocionar lendo A menina dos fósforos ou A pequena sereia?

Uma história de Natal, muito real!
Quando li esses contos pela primeira vez chorei até dizer basta, como já era noite, fui dormir com dor de cabeça e devo ter deixado lágrimas no travesseiro enquanto Mainha dizia: "Deixa de ser besta Jaci, é só um livro!"  Quem dera fosse, as vezes o livro é o espelho da vida e a vida quase sempre a vida é cheia de histórias tristes de fazer chorar lágrimas sentidas.

No meio do frenesi do Natal quantas vendedoras de fósforos existem dispersas pela cidade, filhas de ninguém, sendo exploradas por alguma pessoa, sentindo saudade de alguém que amam, desejando aquela vida de comercial de Natal? E quantas histórias de amor são como a da pequena sereia (mas não a da Disney pq essa ficou açucarada demais) quantas pessoas oferecem "o céu meu bem e o seu amor também" e acabam virando espuma no mar da vida do outro?

Uma história de amor real também!
Aliás, entre os contos que marcam por sua capacidade de falar do mundo real, não consigo deixar de lembrar de Chapeuzinho Vermelho. Quando li a versão de Perraut, que diferente da versão dos irmão Grimm, nos apresenta um conto onde o Lobo come a avó, a menina e não existem nem caçadores nem finais felizes, me impressionei bastante naquela época.

Mas não tanto quanto me choquei com a versão contada durante o século XVIII pelos camponeses franceses não alcançados pelas suas luzes dos tão racionais filósofos Iluministas.


Outro dia reencontrei essa história entre os escritos de Neil Gaiman, mas especificamente em The Sandman, vol. 13 publicado em Fevereiro de 1990.  É incrível como sempre soa assustador constatar que violência contra a criança é uma coisa tão antiga em nossa história e que verdadeiramente recente é a categoria infância.

Até bem pouco tempo atrás crianças eram tidas como adultos pequenos, tenho ciência disso, mas, ainda assim, fere a minha sensibilidade do inicio do século XXI constatar através de histórias infantis que, a despeito do que reza a lenda, antigamente o mundo não era tão melhor do que hoje em dia, que violência sexual é uma constante desde sempre e a diferença entre ontem e hoje talvez seja apenas a forma como perpetuamos a memória dessas violências e a reação que podemos ter diante delas.

Os franceses não iluminados do século XVIII reagiam a histórias assim contando-as em suas rodas de conversa diante de fogueiras aos sussurros, fazendo metáforas com lobos, hoje nós escrevemos em blogs,  lemos em jornais, assistimos em noticiários sensacionalistas, temos a falsa impressão de que o que se fala é uma novidade digna do fim dos tempos, quando na verdade a violência é apenas uma continuidade no terreno da história humana sobre a terra! Não é de hoje que lobos espreitam crianças, talvez apenas a selva é que seja outra. Definitivamente assustador!

Lobo Mau e Chapeuzinho vermelho, Gustave Doré.
Assustador também, mas não igualmente, é perceber como até hoje os contadores de histórias infantis são competentes na arte de retratar o presente, mesmo quando tentam com sua arte retratar o passado. Recentemente tive contacto através de minha linda amiga Costureira com dois livros muito doces, ambos contendo histórias de príncipes e princesas, com fadas, magicas e encantamentos... lindos mesmo, tanto que até agora estou tentando decidir qual dos dois foi o mais encantador se "O casamento da Princesa" de Celso Sisto ou "Nina África" de Lenice Gomes, Arlene Holanda e Clayson Gomes.


Os dois fazem parte do acervo do Programa Nacional Biblioteca da Escola - PNBE/2010 e contam histórias que visam resgatar a memória simbólica de uma África ancestral onde homens e divindades viam por inúmeras vezes suas vidas se cruzarem e se trançarem em histórias as serem contadas e recontadas através dos séculos, atravessando se preciso até mesmo a grandeza do Oceano Atlântico para chegar aos ouvidos das crianças do século XXI.
Abena, que andava junto com a beleza.
Nesse intuito "O casamento da Princesa" é uma adaptação de um conto popular da África Ocidental, a princesa em questão é a jovem Abena, a bela que conquista para si o amor do Fogo e da Chuva e se vê em meio a um difícil dilema quando a Chuva conquista seu amor e sua promessa de casamento e o Fogo conquista a simpatia e bênção de casamento do seu pai.

Chuva conquistando com boa conversa o amor de Abena!
Diante de seu dilema é proposto uma competição, os dois Chuva e Fogo disputarão a mão da princesa em uma corrida. Lindo livro, lindo trabalho de Simone Matias, as ilustrações são belíssimas, inspiram o sonho, como deve ser todo livro infantil. Mas, me pergunto diante da história de Abena e seus príncipes até que ponto ele fala da África de séculos atrás ou da África de hoje que se destaca nas Olimpíadas e Maratonas da vida com seus corredores quase inumanos de tão velozes.

Abena conversando com seu pai, sobre o melhor pretendente.
Ou mesmo das mulheres de hoje que pretendem escolher seu príncipe entre aqueles que antes de quererem a bênção do pai, querem cativar seu coração com palavras e sonhos. Nós educamos nossas meninas para fazerem valer suas escolhas, isso é muito novo na história da educação feminina, a bem pouco tempo atrás as histórias ensinavam as meninas a acatarem a vontade do pai.

Mas, "O casamento da Princesa" desde o principio que é uma adaptação e não a versão original, então desde sempre nós sabemos que trata-se de uma história do passado narrada a maneira do presente. Não é o caso de "Nina África", pq nele os autores se propõem a escrever "Contos de uma África menina para ninar gente de todas as idades".


E sim, Maurício Veneza da um verdadeiro show visual em Nina África. Simplesmente PERFEITO, com letras grandes mesmo, que é pra da ênfase ao trabalho fantástico que ele fez nesse livro. Ficou muito rico, mas se o titulo e o subtítulo nos fazem pensar que o livro vai tratar de contos que remetem ao passado dos povos africanos o livro passa longe disso.

Embora traga história gostosas de ser ler e de se conhecer e seja um trabalho onde texto e imagem se cruzam e dialogam com uma beleza ímpar, os autores falaram muito mais da ideia que temos hoje da África e de seus povos do que de histórias antigas, nos contos encontramos muito mais da África de hoje que da África de ontem, com direito até a deus vento que vem a terra para jogar futebol.

É, de fato, eu poderia dizer que "quando era criança adorava contos de fadas, príncipes e princesas!" e não seria mentira, porém, mais coerente com a verdade seria dizer que até hoje sou louca por contos de fadas, mitos, lendas, histórias que contam por símbolos e pretensas fantasias sobre vida, morte, amor, perda, perdão, meandros da vida que os homens fundaram e construíram ao longos dos milênios nesse globo girante que tem 70% de sua superfície coberta por água, mas que mesmo assim chamamos de Terra.

11 comentários:

  1. Os contos de fadas são mitos, ítem necessário na evolução de um povo, seja para transmitir um ensinamento seja para ocultá-lo metaforicamente, deixando visível somente aos que entendem o significado. Achei muito interessante a afirmação de que a humanidade não mudou, a violência sempre existiu e as fogueiras foram substituídas pelos blogs; concordo plenamente, o ser humano é o mesmo, tanto nos defeitos quanto nas qualidades, o que acontece é que temos mais ciência dos fatos e assim nos parece que são mais frequentes, algo que não corresponde à realidade.
    Eu também lia contos de fadas e ainda gosto de histórias infantis; conservar a inocência e o frescor da infância pode ser uma forma muito eficiente de se anular todo o negativismo recebido e trocá-lo pela magia e pela esperança.
    Beijo
    Adri

    ResponderExcluir
  2. Muito bom!!! Gostei!!!
    Eu pensava que vc ai falar sobre seu desejo de ter um principe. uma critica aos livro africanos, mas que dá vontade de ler-los.
    Parabens!!!
    Bjs!!!

    ResponderExcluir
  3. Pouco a pouco vamos vendo ser construída uma literatura infantil desprovida das obscuridades e intimidações que a memória oral foi depositando na literatura infantil mais antiga. Parece que houve historicamente um casamenteo da moral vigente e os contos de fada, numa simbiose pragmática que bem serviu a um modelo de educação submissa e acrítica, pouco questionadora. Novos ares vêm soprando pelo menos em termos de produção literária infantil. Abraços. Paz e bem.

    ResponderExcluir
  4. Bom dia,Pandora!!

    Sempre gostei de contos de fadas...mitologia...
    Ajuda a pensar , a crescer...
    Ainda gosto!!A menina dos fósforos também me fez chorar...é muito triste deixa as emoções a flor da pele!!
    Mas é assustador histórias para crianças onde não há finais felizes...claro que na vida não é sempre tudo perfeito...mas pensar que podemos tentar, que podemos mudar, ajuda a transformar o mundo!!É daí que nascem as grandes idéias!!
    Adorei teu post!!
    Parabéns!!

    ResponderExcluir
  5. Clap, clap, clap
    Lindo texto!
    Adorei suas ponderações sobre as princesas e sobre os "perigos" da floresta.
    bjs
    Jussara

    ResponderExcluir
  6. Esse livro, "O casamento da princesa" é ilustrado por uma amiga e professora minha... Lindo não é? Adorei o post e a tua visão sobre literatura infantil! Vou te seguir!

    Um bjão!

    ResponderExcluir
  7. Ser mulher é ser especial,
    amiga Pandora
    Quero abraça-la,e agradecer o carinho e a amizade,neste dia tão especial,seja feliz!
    Boas energias,paz,saúde,e luz,
    beijos poéticos
    Mari

    ResponderExcluir
  8. Oi Pandorinha :)
    Ótimo post este seu, e ótimas colocações. Bom para refletir.
    Beijo na sua alma.
    Angel.

    ResponderExcluir
  9. Belo post!

    O livro que mais me marcou foi "Os meninos da rua Paulo". Eu tinha 11 anos quando li e aquilo foi fantástico. Não era um conto de fada, mas eu criei um ambiente na minha mente que me levou para um mundo distante.

    Obrigada pelos seus comentários e elogios no meu blog, me fazem bem!

    Beijocas

    ResponderExcluir
  10. Eu sempre me sintocomo a meninna dos fósforos... alimentand ilusões para tentar sobreviver, só que nofim a única coisa que estou fazendo é esgotando minhas energias e morrendo aos poucos.

    Eu vim ler morrendo de medo... pensando... só falta eu ler a Jaci dizendo que gosta das princesas de Walt Disney... ufa! Mas eu já sabia que vc não gostava delas. rs

    BeijoZzz

    ResponderExcluir

Esse blog não representa um exercício de escrita, ele é um exercício de memória, de lembranças e esquecimentos. Funciona como uma caixa onde guardo coisas, sinta-se livre para comentar, mas saiba: comentários sem relação com o post serão excluídos por respeito a quem comenta de verdade.