sábado, 31 de julho de 2010

Minha idéia de paraiso...

Livros... Não há nada que eu goste mais de comprar, de ganhar e de ter que livros... a isso recentemente descobrir que posso chamar de Bibliofilia. Minha bibliofilia é avassaladora, dominante e deliciosa.


Meu maior, mais idílico e mais saboroso sonho de consumo, depois de mergulhar em uma nuvem de algodão doce e nadar diariamente em uma piscina de jujubas, é construir para mim e para os meus uma  Biblioteca de Alexandria. Três sonhos incrivelmente infantis, eu sei!



Mas, a parte o fato de realmente meus três maiores sonhos serem extremamente infantis, imagine como seria gostoso ter uma grande, confortável e rica biblioteca, com vários clássicos da literatura, com aqueles autores menos conhecidos, mas incrivelmente competentes, com muitos livros infantis, com poesias por toda parte e uma deliciosa poltrona onde você pudesse sentar e se deixar ficar pela vida toda se assim você desejasse. Imaginou? Adicione a isso jujubas e algodão doce e você terá o meu conceito de como deveria ser o paraíso!


E sim, tem os livros preferidos... não poderia faltar nenhum deles... e sim, como eu tenho livros preferidos!!!

Costumo dizer que para cada época da minha vida eu tenho um autor preferido e um livro preferido e mais lido, pq sim, a vida se baseia em leitura e releitura, todos os bons livros que li reli ou ao menos pretendir, o único livro bom que li e que não desejei reler foi "O morro dos ventos uivantes", depois conheci uma pessoa que falou tanto desse livro que acabei relendo. No entanto, por mair que o livro seja incrivel, é claro que me arrependi de ter descumprido uma promessa pessoal... Enfim... é da vida!!! Acho que essa rejeição pelo "Morro..." faz de Emily Bronte minha primeira autora preterida, que heresia!!! E ainda tem gente que diz que tenho bom gosto!!!


Reli esse livro na Integração, as pessoas achavam que eu estava lendo a Bíblia, acho que tinha algo haver com minha cara, tem até história sobre isso!!!

Também me lembro dos meus livros favoritos, o primeiro livro que tive nessa lista foi "A marca de uma lágrima", premiadissimo livro de Pedro Bandeira. Conta a história de uma menina que se sente feia, se ela é ou não é outra questão, o livro é baseado na história de Cyrano de Bergerac e é lindo demais, assim como Cyrano, sou apaixonada por essa criatura. Isabel marcou minha adolescencia. E quando vejo as meninas apaixonadas por Crepúsculo entendo que a maior parte das adolescentes é como Isabel, uma borboleta que se sente lagarta e que a baixa alto estima é um "drama" comum a essa idade... constato isso quase com alivio, me sinto normal.


Depois de Isabel a outra menina que me chamou a atenção foi a Alice, "Alice no país das maravilhas" foi meu livro preferido por muito tempo também. Devo ter trazido ele para casa no mínimo umas três vezes por motivos diferentes e sempre pelo mesmo motivo, queria reler e pronto, afinal a vida se baseia em leituras e releituras... rsrsrs

Esse é o meu!!!

Outro livro que ocupou o topo de minha lista foi "Momo e o Senhor do tempo", a luta dessa menina que sabia ouvir contra os homens cinzentos que roubavam o tempo das pessoas, ou melhor, roubavam não, eles convenciam as pessoas a lhes dá seu tempo, me encantou de várias formas. Até hoje lembro de alguns personagens desse livro e de passagens e afins, Beepo Varredor é um personagem que caminha comigo, ele é uma das jóias mais preciosas de minha caixa, quase sempre subo a ladeira que separa meu trabalho de minha casa de costas, uma vez alguém me perguntou se eu pagava promessa, bem, não eu não pago promessa eu apenas relembro uma passagem de um livro que gosto e espero não esquecer de não correr atrás do tempo... não vale a pena o estrago.


Tiveram outros autores.... oxe, nem consigo contar... a vida é uma grande descoberta de autores preferidos, quando eu menos espero acho um novo e me assusto com o achado, me assusto, me apaixono e torno a me apaixonar... é uma questão de leitura e releitura... Como o que aconteceu com Machado de Assis, que também foi um dos meus autores preferidos por muitos anos... Memórias póstumas de Brás Cubas foi um dos meus livros preferidos, lido e relido até enjoar, nem sei quantas vezes ri com o dialogo de Adão e Eva!
Recentemente com a ajuda da História, essa ciência caprichosa e cheia de meandros,  redescobri Machado, um Machado afro-descendente ainda mais brilhante, mais irônico, mas perceptivo, mas altivo, mais digno de ser citado e relido até a exaustão.



E tem Fernando Pessoa, claro!!! Impossível esquecer, Fernando é meu autor favorito sempre, eu me apaixonei pelo homem de cara. Uma paixão que virou amor, um amor que vem durando a vida inteira, quem tirará "O eu profundo e os outros eus" do posto merecida de livro de cabeceira??? Ninguém, autores favoritos virão e irão e ele não sairá desse posto em minha vida... Meu pobre livro, surrado de guerras... tantas vezes manuseado sem pena, sem do, com paixão, com angustia, com alegria, com fúria... "Não me venham com conclusões!/ A unica conclusão é morrer"; "Quem quer passar além do Bojador/ tem que passar além da dor!"; "Pensar uma flor é vê-la e cheirá-la./ E comer um fruto é saber-lhe o sentido." Gosto de tudo em Fernando Pessoa e muito mais quando ele é Álvaro Campos.

Foi o professor Inaldo que me deu "O eu profundo e os outros eus", um professor de literatura que detestava ensina, altamente depressivo, que não dava aulas e era firmemente detestado por todas as minhas amigas... foi difícil viver minha amizade com Inaldo pq as meninas não compreendiam o motivo de nossa afeição ou o tema gerador de nossas conversas, filosofia, literatura e poesia... Ironicamente o professor que detestava ensinar foi o que mais colaborou com minha formação, foi meu grande mestre, uau, no caminho das inquietações.


Inaldo foi meu mestre, sem paixão nenhuma pela docência, com cara de fastio, sempre muito angustiado, sem se lamentar, provocando, indicando caminhos, "leia isso," "pesquise aquilo", "você vai gostar desse autor", "É assim mesmo que as coisas são....", "você também pensa assim Jacilene?" (Jacilene com todas as letras, o polissílabo inteiro, não Jaci, como os outros professores costumavam usar, mostrando uma intimidade que hoje eu me pergunto se realmente existia.). A última conversa que eu tive com Inaldo foi quando fui devolver o livro, ele me devolveu e perguntou se eu li, eu disse que sim, ele disse: "Releia, uma leitura não é suficiente para apreciar uma obra!". Sou uma boa aluna, estou relendo até hoje!



Atualmente meu autor preferido é Terry Pratchett, o homem é o cara e quem foi que disse que ri de tudo é desespero??? Não é não... pq  Terry Pratchett ri de tudo mesmooooo e não vejo muito desespero nisso... ou talvez veja e não queira admitir... Adorooo...  Cinismo, ironia, sarcasmo... tudo o que tenho direito encontro na serie Discworld... Não aguento os personagens dele, todos legítimos representantes de nosso mundo de ontem, de hoje e desconfio que amanhã os personagens de Pratchett ainda servirão para representar o que vivemos, sonhamos e cremos.


________
Enfim... escrevendo nesse blog descobrir que posso me divertir escrevendo sobre coisas que gosto, já fiz isso outras vezes e hoje tive vontade de fazer uma vez mais... taí, escrevi sobre os livros que gosto só pelo prazer de escrever e falar sobre eles... foi bom... mais uma de minhas muitas leseiras... espero não ter cometido muitas heresias literárias em meus comentários e na grafia dos nomes dos autores.


Não citei a Bíblia pq ela é meu livro sagrado, quando eu estava aprendendo a ler praticava a leitura com a Bíblia, as primeiras letras identifiquei nele, caminhei com ela a infância inteira entrando pela adolescencia e marcando os dias de minha mocidade... Como diz a letra de um carinho que cantamos com as crianças: "B-I-B-L-I-A é o livro do meu Deus/ B-I-B-L-I-A eu tenho no meu coração B-I-B-L-I-A/ BÍBLIA!!!". Minha Bíblia é meu manual de vida, onde eu vou ela vai e não é como um objeto que trás sorte ou proteção e sim como um objeto que faz parte de mim.


3 comentários:

  1. Ler é a paixão de quem gosta de olhar as palavras do alfabeto e construir puzzles de memórias que o tempo sempre aviva, quando por ele procuramos. "Memórias Póstumas de Brás Cubas", de Machado de Assis é um delícia e do Fernando Pessoa aconselho uma visita a outro dos seus heterónimos, Alberto Caeiro, e ao seu "Guardador de Rebanhos". É outra delícia. Vai gastar muito algodão doce lendo-o e relendo-o.
    Jorge Manuel Brasil Mesquita
    Lisboa, 31/07/2010
    etpluribusepitaphius.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Olá querida, livros é tudo de bom não é mesmo?
    Também tenho uma pequena biblioteca, de livros ao qual sempre estou adquirindo mais e mais livros.
    Eu sempre digo que :CONTADORA DE HISTORIA " Ler é sonhar acordada. Eu vivo sonhando acordada!"

    Olha que maravilha, livros nos leva alugares imaginavéis.
    Beijos, minha linda, ótimo final de semana a vc

    ResponderExcluir
  3. E que delícia é ter uma biblioteca, não? Eu compro os livros sem que possa lê-los todos, muitas vezes, mas eles são a extensão da minha existência, pois cada vez em que os vejo me asseguro de que, o que eu nao sei bem ainda deve estar ali! ...sem egoísmos; o que eu souber por eles deve estar ao alcance das pessoas, através dos livros ou de mim. ...Deve ser por isso que decidi ser professor.

    ResponderExcluir

Esse blog não representa um exercício de escrita, ele é um exercício de memória, de lembranças e esquecimentos. Funciona como uma caixa onde guardo coisas, sinta-se livre para comentar, mas saiba: comentários sem relação com o post serão excluídos por respeito a quem comenta de verdade.