domingo, 25 de abril de 2010

Só para comemorar!!!


Uau... Eu tenho que celebrar... soltar fogos... ri ou chorar... ou apenas colar aqui minha alegria que não cabe em mim...

Eu achei... depois de tanto tempo procurando eu achei... eu sabia que acharia um dia.... sinto vontade de cantar... Ops... melhor não... ninguém merece... mas eu tenho que comemorar mesmo...

Não eu não encontrei o amor da minha vida rsrsrs... Do geito que sou chata rsrsrs...

Eu achei algo menos amplo que o amor da minha, que um tesouro escondido na marca do pirata... eu achei apenas um livro perdido que a tempos eu procurava...

Sim, eu vou explicar... pq não quero perder essa história de vista nunca mais...

Ah algum tempo atrás, quando eu frequentava bibliotecas públicas com minhas amigas barulhentas que não me deixavam ler na biblioteca em paz... eu achei em uma estante dessas que ninguém meche há anos, perdido, abandonado, empoeirado um livrinho pequenininho bem velhinho com um titulo simples: "Eu e Você" (Toi et Moi)... eu li o livro inteiro na biblioteca mesmo... e levei para casa...



"Eu e Você" (Toi et Moi) é um livro encantador, a poesia é delicada e narra a história de um casal de "amantes" seu primeiro encontro, o cotidiano do relacionamento... a história inteira contada em poesia, de forma tão intima, emocionante, apaixonante e decididamente inesquecivel, eu devolvi esse livro com muita pena, mas não antes de copiar a maior parte dos poemas em meu diario, assim como os dados do livro, o autor e tudo o mais...


Mas, o tempo levou meu diário daquele ano sabe Deus para onde, dentre tantas outras perdas que eu sofrir quando esse diario sumiu, eu perdir o nome desse autor de maneira que demorei a encontrar esse livro novamente... Aliás, só hoje, por coincidência, novamente encontrei em uma esquina escura da net o linck que me levou de volta aquele "meu" livrinho triste e empoeirado... que eu amei e cuja memória guardei...

O autor do livro se chama Paul Géraldy, ou melhor, esse é o pseudônimo, seu nome verdadeiro é Paul Lefèvre e eu descobrir que meu autor desconhecido foi um dos grandes poetas franceses do século XX, o que não me impressiona, amado pelas mulheres, o que não é surpresa, eu gosto de coisas óbvias

Ah, vou deixar aqui a primeira poesia do livro... ela arrebatou meu coração...

Expansões
Paul Géraldy

Eu gosto, gosto de você
Compreende?
Eu tenho por você uma doidice...
Falo, falo, nem sei o que
Mas gosto, gosto de você
Você ouviu bem isso que eu disse? ...
Você ri? Eu pareço um louco?
Mas, que fazer para explicar isso direito,
Para que você sinta? ...
O que eu digo é tão oco!
Eu procuro, procuro um jeito...
Não é exato que o beijo só pode bastar.
Qualquer cousa que me afoga, entre soluço e ais.
É preciso exprimir, traduzir, explicar...
Ninguém sente senão o que soube falar.
Vive-se de palavras, nada mais.
Mas é preciso que eu consiga
Essas palavras e que eu diga,
E você saiba... Mas, o que?
Se eu soubesse falar
Como um poeta que sente,
Diria eu mais do que
Quando tomo entre as mãos
Essa cabeça linda
E cem mil vezes, loucamente,
Digo e repito
E torno a repetir ainda:
Você! Você! Você! Você!

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Esse blog não representa um exercício de escrita, ele é um exercício de memória, de lembranças e esquecimentos. Funciona como uma caixa onde guardo coisas, sinta-se livre para comentar, mas saiba: comentários sem relação com o post serão excluídos por respeito a quem comenta de verdade.