segunda-feira, 26 de abril de 2010

Sobre meu mais novo livro... Machado de Assis Afro-descendente!

Alegria... alegria.... Solte-mos fogos... entre raivas por não conseguir mexer satisfatoriamente nesse danado desse blog e a vida cotidiana, achei que seria boa idéia falar sobre meu mais novo bebê... esse veio de longe, e demorou a chegar... mas chegou, lindo e em forma... com aquele cheirinho de livro novo e aquela capacidade de inquietar que só os bons autores e os bons livros tem.

Meu mais novo "bebê" é o livro de Eduardo de Assis Duarte, professor da UFMG,  "Machado de Assis Afro-descendente: escritos de um caramujo", trata-se de uma reunião de textos (poemas, contos, crônicas e ficção romanesca) de Machado onde ele deixa claro sua  afro-descendência.

Pelo pouco que já li desse livro, nele Assis Duarte traz um Machado de Assis que conhece sua origem e não a nega, que com seu estilho acido faz uma forte critica a sociedade burguesa, escravista que nasceu no Brasil do século XIX (claro que a escravidão no Brasil é anterior ao século XIX, mas Machado expressa em seus textos as características dessa época especificamente!!!)

O livro fez parte das comemorações pelos 136 anos da lei do Ventre Livre (1871); 119 anos da abolição da escravidão (Lei Áurea, 1888) e 99 anos da morte de Machado de Assis (1908), ou seja, não foi publicado ontem. Realmente faz tempo que eu quero esse livro, faz quase um ano, mas sempre tinha outro livro na lista e só o fato de ter que encomendar e esperar chegar já me tirava ele da lista de prioridades, mas dessa vez ele não me escapou e foi, fiz a encomenda e recebi meu lindo livro... \o/ Festa \o/ Mais um pouco de festa \o/ 

Ah, sobre Machado de Assis, deixo aquilo que todo mundo já sabe:


Neto de escravos alforriados, nascido livre no Morro do Livramento, no Rio de Janeiro, em 1839, trabalhou, na adolescência, como balconista e operário gráfico, foi autodidacta, passou da oficina à redação se tornou funcionário público e literato. É um dos maiores escritores do mundo, mas sempre foi acusado de "aburguesamento", denegação de suas origens e omissão perante os dramas sociais de seu tempo, especialmente a escravidão, uma infâmia... pois os seus escritos, especialmente os separados pelo profº Eduardo de Assis contradizem essa tese e deixam evidente que tanto o Machado cronista, poeta e ficcionista valeu-se de sua genialidade para fazer uma poderosa crítica do regime e da sociedade que o cercava.
\o/ "Amo Machado" \o/

Para não ser injusta, sobre Eduardo de Assis Duarte:

Doutor em Letras pela USP, é professor de Literatura da Faculdade de Letras da UFMG, coordena o projeto integrado de pesquisa Afro-descendências: raça/etnia na cultura brasileira. Autor de Jorge Amado: romance em tempo de utopia (2ª Ed. Record, 1996) e Literatura, política, identidades (Fale/UFMG, 2005), organizou diversas publicações na área de estudos literários.

2 comentários:

  1. Ola gostaria de saber o seu sobrenome, para utilizar na bibliografia do meu trabalho sobre Machado, pois gostei do seu ponto: "que tanto o Machado cronista, poeta e ficcionista valeu-se de sua genialidade para fazer uma poderosa crítica do regime e da sociedade que o cercava." Obrigada ia ajudar bastante

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Jacilene dos Santos Clemente, esse é meu nome!

      Excluir

Esse blog não representa um exercício de escrita, ele é um exercício de memória, de lembranças e esquecimentos. Funciona como uma caixa onde guardo coisas, sinta-se livre para comentar, mas saiba: comentários sem relação com o post serão excluídos por respeito a quem comenta de verdade.