quinta-feira, 26 de fevereiro de 2009

Dúvidas... dúvidas... dúvidas...


Decidir criar algo da noite para o dia é fácil, decidir o que se vai criar é muito difícil... eu tô começando a pensar isso agora, decidir criar um blogger foi demasiado fácil, decidir o que colocar aqui é que tem sido osso duro de roer, faz mais de ano que tento e não consigo decidir... incrível... sou a imagem da indecisão é como aquele poema de Cecília Meireles,

"Ou isto ou aquilo"

Ou se tem chuva ou não se tem sol,
ou se tem sol ou não se tem chuva!

Ou se calça a luva e não se põe o anel,
ou se põe o anel e não se calça a luva!

Quem sobe nos ares não fica no chão,
Quem fica no chão não sobe nos ares.

É uma grande pena que não se possa
estar ao mesmo tempo em dois lugares!

Ou guardo dinheiro e não compro doce,
ou compro doce e não guardo dinheiro.

Ou isto ou aquilo: ou isto ou aquilo...
e vivo escolhendo o dia inteiro!

Não sei se brinco, não sei se estudo,
se saio correndo ou fico tranquilo.

Mas não consegui entender ainda
qual é melhor: se é isto ou aquilo.

Então fiquei um ano, sem dar as caras por aqui... Se bem que isso não é tão importante uma vez que meu Blog não é o que poderíamos chamar de frequentado, mas mesmo assim... eu poderia decidir logo do que vou tratar aqui néh...

Se vou tratar de história, ou de religião, ou de filosofia, ou de animes, talvez não importe muito a escolha, uma vez que existem milhares de lugares na net onde esses assuntos são abordados até a exaustão... mas mesmo assim, decidir do que falar não é importante apenas para quem ouve, é importante também para quem fala!!!

Mesmo que fale em um português ruim e coisas não tão interessantes!!!!!!!
__________

Recife, 01 de maio de 2010.

Bem, eu não comecei a escrever em um blog pensando em fazer amigos e amigas, receitas ou algo do gênero, na verdade eu nem sei mais qual o motivo que me levou a fazer um blog, uma vez que isso já faz três anos... mas sei que com o passar do tempo o blog foi ficando uma coisa seria, divertida de se construir, descobrir no blog a possibilidade de escrever um diário novo e já fazia tanto tempo que eu não escrevia um diário... e com a net eu posso até colar figurinhas... e nem preciso usar cola rsrsrs...

E com o prazer de escrever em um blog veio o prazer de navegar entre outros blogs e em seguida os amigos blogueiros e enfim... tem sido bom navegar por esses mares e aqui!

Esse blog é um espaço que funciona mais ou menos como um diário onde eu colo tudo que gosto, uma coisa eternamente inacabada.

Sempre penso em escrever melhor e mais, só que nunca tenho tempo ou concentração e esse diário acaba assim, meio cheio de coisas incompletas, cheio de cortes e recortes de coisas que vejo, leio ou sinto!

E na verdade sempre que eu abro essa pagina tenho a nítida impressão de que todas as coisas que gosto estão por aqui: meus livros, meus desenhos, meus amigos, mesmo os que nem sonham com esse espaço... até os meus cotidianos erros de portugueses, estão por aqui!!
__________


Recife, 19 de Abril de 2011.


Já lembrei e relembrei os motivos que me fizeram e fazem manter esse espaço firme através desses anos, mas agora estou em processo de mudanças, muita coisa anda fora do lugar, muita coisa vai mudar de lugar, eu sinto medo e frio correndo por meus ossos, vou mudar a discrição de quem sou no blog mais uma vez...
 
Deixo aqui a que usei até agora:
 
É sempre difícil responder esse tipo de pergunta. "Quem sou eu?" Bem, eu não sei, talvez seja a Jaci da minha família, talvez seja uma Pandora da net, talvez seja a Tia das crianças, talvez seja a Kreide de meus amigos, talvez seja uma "metralhadora sarcástica", talvez seja a professora de meus alunos,talvez seja uma pessoa infinitamente tola,chata, uma "evangélica de subúrbio" como disse alguém ofensivamente,uma blogueira, como atesta a existência desses espaço virtual, talvez seja isso tudo e mesmo nada disso. Vai saber?!? Em diferentes momentos me aproprio dessas diferentes identidades, depende da hora, da cor e do cheiro...

segunda-feira, 23 de fevereiro de 2009

Imaginemos uma fabulazinha onde o herói seja um certo urbanóide pós-moderno: você.



Ao acordá-lo o rádio-relógio digital dispara informações sobre o tempo e o trânsito. Ligando a FM, lá está o U-2. O vibromassageador amacia-lhe a nuca, enquanto o forno microondas descongela um sanduíche natural. No seu micro Apple II, sua agenda indica: ”REUNIÃO AGÊNCIA 10h
TÊNIS CLUBE 12h
ALMOÇO
TROCAR CARTÃO MAGNÉTICO BANCO
TRABALHAR 15h
PSICOTERAPIA 18h
SHOPPING
OPÇÕES: INDIANA JONES – BLADE RUNNER, VIDEOCASSETE ROSE, SE LIGAR
SE NÃO LIGAR, OPÇÕES: LER O NOME DA ROSA (ECO) – DALLAS NA TV – DORMIR COM SONÍFEROS VITAMINADOS”.

Seu programa rolou fácil. Na rua divertiu-se paca com a manifestação feminista pró-aborto que contava com um bloco só de freiras e, a metros dali, com a escultura que refazia a Pietá (aquela do Miguelangelo) com baconzitos e cartões perfurados. Rose ligou. Você embarcou no filme Indiana Jones sentado numa poltrona estilo Menphis – uma pirâmide laranja em vinil – desfiando piadas sobre a tese dela em filosofia: Em Cena, a Decadência. A câmara adaptada ao vídeo filmou vocês enquanto faziam amor. Será o pornô que animará a próxima vez.
Ao trazê-lo de carro para casa, Rose, que esticaria até uma festa, veio tipo impacto: maquiagem teatral, brincos enormes e uma gravata prateada sobre o camisão lilás. Na cama, um sentimento de vazio e irrealidade se instala em você. Sua vida se fragmenta desordenadamente em imagens, dígitos, signos – tudo leve e sem substância como um fantasma. Nenhuma revolta. Entre a apatia e a satisfação, você dorme.


P.S.: Peguei esse texto a um tempo atrás, não me lembro mais de onde e achei bastante interessante, na época estava fazendo um trabalho sobre pós-modernidade e arquitetura, estou postando agora... engraçado, passei mais de um ano sem colocar nada nesse blog... acho até que havia esquecido que ele existe e agora em um dia coloco duas postagens, não sei se isso é um bom ou um mal sinal, só sei que decididamente não quero ser como a Rose dessa história, mas confesso que cada dia que passa temo por está me assemelhando ao rapaz em alguns aspectos... Bem, ao menos já li "O nome da rosa", assistir Blade Runner e conservo a crença Moderna em um único Deus... por hora isso me livra de alguns dos males da pós-modernidade!!!!

Sobre o mito de Pandora!!!!

Na verdade eu tenho um grande afecto por todo e qualquer conjunto de mitologia, desde a diabolizada Mitologia Yorubá a exaltada Mitologia Grega, compreendo os mitos como representações a cerca da realidade vivida, sonhada e pensada pelo homem... E sinceramente... como não se fascinar pelo homem, em suas fragilidades e forças????

Mas, de todos os mitos, os que giram em torno da figura feminina me chamam mais a atenção, e entre os mitos que giram em torno da mulher o que me chamam mais a atenção certamente é o de Pandora e sua caixa onde se escondia todas as desgraças do mundo é o que mais me fascina...

Pandora foi, segundo a mitologia grega, a primeira mulher,criada pelos deuses e por eles dotada com todos os encantos possíveis, foi dada de presente ao irmão de Prometeu, Epimeteu, que guardava consigo uma caixa onde todos os males do mundo estavam guardados. Os deuses entregaram essa mulher cheia de dádivas a ele, pois tinham a intenção que ela realmente fizesse o que fez: abrir a dita caixa. De fato, foi o que ela fez, Pandora foi até a caixa e a abriu: soltando todos os males; mentira, doença, inveja, velhice, guerra e morte saíram da caixa de forma que quando ela percebeu o que fez e fechou a caixa a única coisa que ficou nela foi o mal que acaba com a esperança, ou seja a presciência o conhecimento prévio daquilo que está por vir.

Mas ainda não é o mito de Pandora contado e recontado inúmeras vezes na História da Humanidade e sim o sentido que vejo nele, o mito de Pandora revela o profundo e constante medo que o sexo masculino e a sociedade possuem da mulher, Pandora grega, Eva judaico-cristã... é incrível como o homem teme a mulher e como o mito mostra esse medo...

A nossa capacidade de gerar a vida, o sangue que sai de nosso corpo mais não nos mata, a fidelidade que os filhos devotam a mãe no início da vida, a capacidade de seduzir, o desejo de nos ter que os homens nutrem, a incapacidade de aprisionar nossas almas que eles sentem, a crença antiga de que temos algo a mais que eles não possuem e que não entendem... Os homens criam lendas para culpa a mulher pelo mal, os homens nos culpam sempre que podem... o próprio Adão questionado por Deus a cerca de seu pecado disse: "Foi a mulher que tu me deste..."

Enfim... tais coisas são ou não para intrigar??? No mais... também é interessante como o homem mesmo culpando a mulher pelos males, reconhece, e uma vez mais o mito de Pandora nos ajuda a enxergar isso, que sem algo ofertado pela própria mulher não seria possível sobreviver... pq no final quem salva a esperança é a própria Pandora, ao conseguir manter a presciência dentro da caixa.

______________________
Recife, 26 de Junho de 2011. (Domingo).

Hoje um comentário interessante chegou a meu blog, não resisti a tentação de adicionar esse comentário a essa postagem... É sempre muito interessante saber um pouco mais sobre o Mito de Pandora!

Dilso J. dos Santos disse sobre Pandora:

"Confesso que seu nome me atraiu (sei que é um epíteto de Blog), pois seu significado é algo muito bacana. Vejamos: A palavra PAN, em grego, significa tudo/todos/todas...; e DORA, também em grego, significa dons. O resultado dessa equação seria AQUELA QUE POSSUI TODOS OS DONS. A história encontra-se na obra do dramaturgo helênico Ésquilo em seu "Prometeu Acorrentado" (mas não vou contá-la aqui...) O importante é que o irmão desse deus acorrentado, Epimeteu (EPI, que quer dizer depois; e METIS, que pensa, ou seja o QUE PENSA DEPOIS) recebeu um presente dos deuses olimpianos... Conceberam uma mulher cuja essência recebeu um dom de cada um deles, sendo que Hermes/Mercúrio lhe doara algo próximo a curiosidade, daí a explicação de ela ter aberto a caixa que recebeu seu nome, pois foi criada e trazida junto com ela ao mundo dos homens. Isso foi um martírio tanto para Pormeteu (PRO, que quer dizer ANTES; METIS, que pensa= O QUE PENSA ANTES) e para seu irmão Epimeteu, que ingenuamente recebera e se apaixonara pelo estratégico presente dos deuses. Interessante!!!!!"